Porto Alegre, sexta-feira, 04 de dezembro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
176008
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
176008
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
176008
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

varejo Notícia da edição impressa de 21/09/2015

Inovações ajudam varejo a diminuir custos

Tecnologias e equipamentos novos prometem racionalizar tempo, energia elétrica e perdas em lojas e mercados

Guilherme Daroit, de Atibaia (SP)

NICOLA LABATE/ABRAS/DIVULGAÇÃO/JC
Código de barras aponta a validade do produto, destaca Marcelo Sá
Código de barras aponta a validade do produto, destaca Marcelo Sá

O ano não é dos melhores para os supermercados brasileiros - pela última projeção da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), o setor deve fechar o ano com redução de 0,3% nas vendas, primeira queda desde 2006. E é justamente em períodos como esse, quando o cinto aperta, que cresce em importância a eliminação ou diminuição nos custos em todas as etapas do negócio, tendo a tecnologia como a melhor aliada. Novas soluções, como as expostas na Convenção Abras 2015, prometem otimizar energia elétrica, gestão de estoque e até a confiança dos clientes, não só no setor como também em todo o varejo.

Entre as principais novidades está, por exemplo, um novo código de barras que, além de determinar o produto, como já é comum, permite também incluir o período de validade. "Assim, quando o produto passar no check out (os caixas), o leitor do código alertará se ele estiver vencido e o mesmo não será vendido", comenta Marcelo Oliveira Sá, assessor de soluções de negócios da GS1, associação responsável por administrar e conceder códigos de barras no Brasil.

"Assim, conseguimos garantir que o consumidor não será lesado, o que, do ponto de vista da empresa, tem ganhos intangíveis, como a relação de confiança e fidelização dos clientes", continua Sá. Embora já disponível, o código, chamado de GS1 Databar Expandido e que exige balanças e softwares de leitores apropriados, ainda não foi implementando em nenhuma rede. "Até o fim do ano devemos ter novidades nesse sentido", projeta Sá, que acrescenta que o foco são os produtos manipulados nas próprias lojas (como frios, carnes e frutas fatiadas). Produtos industrializados também podem utilizar o código, mas, mais complexos, devem ficar para um segundo momento.

Por outro lado, outra operação hoje feita por códigos de barras, que é o controle de saída dos estoques, já possui outra opção viável e mais eficiente. São as chamadas etiquetas RFID, que permitem a sua identificação por radiofrequência. Com um microchip e uma microantena internos, a etiqueta é lida à distância por um receptor, dispensando a tarefa manual de levar um leitor até o código de barras das caixas, uma a uma. Para dar baixa em 50 caixas, por exemplo, o tempo é diminuído de 68 segundos, no processo comum, para apenas 5,2 segundos. "Com isso, tornamos o inventário mais rápido e eficiente, pois podemos passar vários produtos ao mesmo tempo, sem o risco de esquecer algum", comenta Marcos Almeida, gerente comercial do grupo CCRR, que produz as etiquetas em Quatro Barras (PR). "Ainda que não tão nova, a produção no Brasil e a própria evolução natural de escala fazem com a etiqueta, agora, passe a ser economicamente viável a qualquer empresa", completa Almeida, ressaltando que, como pode também acoplar um código de barras normal, a implantação pode ser feita por etapas.

Outra opção que ganha em escala a partir desse ano é o Mobile Retail Suite, da Tlantic, empresa com sede em Porto Alegre, que passou a ser vendido por mensalidade e módulos. "Com isso, podemos atingir também os pequenos e médios negócios, que respondem por 80% do varejo", comenta o gerente comercial da empresa, Fernando Vargas. O produto é uma solução completa de ferramentas móveis, que promete diminuir a divergência de preços entre gôndolas e caixas em quase 80%, a falta de produtos nos estantes em cerca de 50%, e ainda aumentar a produtividade por funcionário. Por fim, a energia elétrica, culpada por grande parte do aumento dos custos em 2015, também não poderia ser deixada de lado.

Com um conjunto de lâmpadas de LED e rebatedores, cujo mapa de aplicação é feito loja a loja, a paulista Luminae promete retornar o investimento em pouco mais de um ano com a economia trazida. "Além disso, dependendo do tamanho do negócio, o mesmo processo com lâmpadas T5 (menos avançadas e mais baratas) também pode ser utilizado, aumentando a iluminação com menos energia gasta", contextualiza Wenderson Granado, gerente comercial da empresa, responsável, por exemplo, pela iluminação da Arena Corinthians. "Estamos investindo, cada vez mais, em inovação e em programas de redução de custos e aumento da produtividade", comenta o presidente da Abras, Fernando Yamada. "Nesses momentos, não podemos ficar parados", completa.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Rede possui 26 lojas no Rio Grande do sul
Lojas Americanas inaugura primeira unidade em Santo Ângelo
Vendas no varejo caem 1,0% em julho ante junho, aponta IBGE
Na comparação com julho do ano passado, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram queda de 3,5% em julho deste ano
Abras revisa projeção de vendas em 2015 para queda de 0,30%
Entidade iniciou o ano com uma projeção de alta de 2% das vendas anuais, depois revisou a estimativa para 1% e, posteriormente, para expansão de 0,5%
Venda de PCs despencou 38% no segundo trimestre, diz consultoria
A empresa diz que 1,64 milhão de PCs foram vendidos, entre os quais 600 mil computadores de mesa e 1,04 milhão de laptops