Porto Alegre, domingo, 19 de janeiro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
33°C
30°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1880 4,1900 0,21%
Turismo/SP 4,1200 4,3820 0,27%
Paralelo/SP 4,1300 4,3800 0,45%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
783192
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
783192
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
783192
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Palavra do Leitor Roberto Brenol Andrade
opiniao@jornaldocomercio.com.br

Palavra do Leitor

Coluna publicada em 21/09/2015

Previdência

O funcionalismo público estadual reluta equivocadamente em aceitar a reforma previdenciária que deve ser feita para que aconteça o óbvio equilíbrio entre arrecadações e benefícios. O projeto de lei prevê que as alterações atinjam apenas os futuros funcionários públicos que, de antemão, já conhecerão seus direitos previdenciários. Trata-se, portanto, de um projeto coerente, racional e claro, já aplicado inclusive no caso dos funcionários federais. Infelizmente não ocorreu o mesmo com os trabalhadores do setor privado, que tiveram seus direitos previdenciários literalmente usurpados pelo governo em 1998, com apoio do Congresso Nacional da época, de forma absolutamente desumana, imoral e indubitavelmente inconstitucional, já que o prejudicial fator previdenciário "atropelou" a Carta Magna em vários artigos. O fator previdenciário retroagiu; foi aplicado sem respeitar os direitos adquiridos dos contribuintes, diferentemente do que propõe hoje o governo do Estado e do que fez o governo federal com seus futuros funcionários. Nós, contribuintes compulsórios do RGPS, tivemos que engolir em seco o maldito fator e o teto imposto por governo federal inescrupuloso, maior predador dos aposentados, além das vergonhosas "correções" dos benefícios. Os direitos previdenciários devem ser respeitados sob pena de ficarmos, em breve, sem condições de comprar sequer os remédios indispensáveis na velhice. (Dalton Telli, comerciante, Bento Gonçalves/RS)

Edifícios

Depois que andei em algumas outras capitais do Brasil, especialmente no Nordeste e Centro-Oeste, verifiquei que os edifícios de apartamentos de Porto Alegre são padronizados. E muito feios. Todos são umas caixas, sem qualquer detalhe mais fino. Principalmente os que estão sendo lançados e muito caros, metragem em torno de 65 metros ou 70 metros quadrados, para algo em torno de R$ 450 mil ou R$ 500 mil. Vi edifícios grandes com fachadas onduladas, sacadas arredondadas, enfim, detalhes bonitos que dão um toque de beleza ao visual. Aqui em Porto Alegre, é tudo quadrado, sem qualquer inspiração dos nossos arquitetos/engenheiros. Pobreza criativa? (Mariluce Cerqueira, Porto Alegre)

Greves

Nas últimas décadas, o Brasil tem sido emperrado e empacado por uma multiplicidade de greves. Está certo que se trata de um direito encravado na Constituição Federal. Mas se pergunta: quantas delas alcançaram os objetivos visados? E quem, com as paralisações, foi o prejudicado? (George Teixeira Giorgis, Bagé/RS)

Expointer

Nem a Expointer se salva da queda da economia do Brasil. Menos negócios, segundo li no ?Jornal do Comércio, que fez uma excelente cobertura do evento. Temos que melhorar e logo, ou vamos passar ainda por momentos piores. (Paulo Gaspar, Porto Alegre/RS)

Na coluna Palavra do leitor, os textos devem ter, no máximo, 500 caracteres, podendo ser sintetizados. As cartas publicadas com assinatura nesta página são de responsabilidade dos autores e não traduzem a opinião do jornal. A sua divulgação, dentro da possibilidade do espaço disponível, obedece ao propósito de estimular o debate de interesse da sociedade e o de refletir as diversas tendências.
COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Crise
Atribuindo a causa de nossos problemas atuais para nossa "herança portuguesa"
Cais Mauá
Porto Alegre virou uma terra de ninguém
Lei Kandir
Excelente e oportuníssima a matéria de capa do Jornal do Comércio Perdas com a Lei Kandir somam 63% da dívida do Estado
Impostos
E a conta sobrou para nós, simples mortais brasileiros