Porto Alegre, quinta-feira, 21 de novembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
29°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,2027 4,2037 0,06%
Turismo/SP 4,1500 4,4080 0,18%
Paralelo/SP 4,1600 4,4000 0,22%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
232468
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
232468
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
232468
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 18/09/2015

Segurança Pública

O Senado colocou a segurança pública como atribuição comum da União, estados e municípios. Texto aprovado no plenário do Senado, agora segue para a análise na Câmara dos Deputados. Segundo a proposta de emenda à Constituição (PEC), União, estados e municípios deverão instituir um sistema nacional de dados e informações criminais em segurança pública e sistema penitenciário. Na prática, a PEC divide com a União e os municípios a responsabilidade pela segurança pública. Atualmente, a Constituição determina que segurança pública é responsabilidade dos estados. A União se limita a cuidar das fronteiras e transferir recursos para que os governos estaduais desenvolvam ações específicas. O texto, segundo o relator Walter Pinheiro (PT-BA), atende "aos anseios de governadores e prefeitos" no tratamento da segurança pública e que tem por foco a diminuição da violência.

Desmilitarização da polícia

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), disse que há uma "evidente convergência" em relação à urgência e à importância da matéria. O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) classificou a PEC como um avanço, mas disse que é preciso "avançar muito mais". Defende a reestruturação da segurança, a partir da desmilitarização da polícia.

Guerra Civil

Para o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) a proposta é um "passo importante". O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) disse que sem um papel mais intenso da União, não é possível enfrentar a "guerra civil" que o Brasil vive. Ele aproveitou para fazer uma defesa da educação, como veículo de enfrentamento da violência. Para o senador João Capiberibe (PSB-AP), a PEC tem uma dimensão prática. "Garantir a segurança e o direito de ir e vir é garantir a liberdade".

Marca de Cardozo

A expectativa na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara é de que a PEC será aprovada com relativa facilidade. "Já temos um embrião dessa partilha, já que cada ente federativo tem as suas polícias. A ideia é boa, falta ver os detalhes", disse o deputado federal Pompeo de Mattos (PDT). Já o deputado federal Osmar Terra (PMDB?) vê como uma chance do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), deixar uma marca. "Quando Cardozo disse que as prisões são medievais, eu não entendi. O sistema prisional é de responsabilidade da União e eles não fazem nada. Pelo menos essa PEC pode ser uma marca dele."

Revolução Farroupilha

Em comemoração à Revolução Farroupilha, o Banrisul, promove, em Brasília, várias atividades. O coronel Cyrino Alberto Neves fez, nesta quinta-feira, palestra sobre a história do Rio Grande. Nesta sexta-feira, na agência do banco, haverá uma degustação de um típico arroz carreteiro gaúcho, preparado pelo patrão do CTG Jayme Caetano Braum, Itur Ivo Bartz.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Golpe e corrupção
A sessão desta quinta-feira na Câmara deverá ser marcada principalmente por duas palavras: golpista e corrupto
Depósitos judiciais
Está sendo discutido no Supremo Tribunal Federal (STF) o uso de depósitos judiciais para pagar despesas públicas
Estatuto do Desarmamento
A comissão especial que trata do projeto de lei que revoga o Estatuto do Desarmamento deve votar o relatório do deputado Laudívio Carvalho (PMDB-MG) hoje
Brasil chinês
A Câmara dos Deputados aprovou a urgência na tramitação do projeto de lei que regula a compra de terras brasileiras por estrangeiros