Porto Alegre, sábado, 08 de agosto de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
25°C
13°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
176850
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
176850
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
176850
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ARTIGO Notícia da edição impressa de 17/09/2015

Opinião economica: Simples assim

Folhapress/Arquivo/JC
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura

Uma das desculpas mais esfarrapadas das quais se socorreram os cinco presidentes eleitos diretamente, desde 1990, é que "foram vítimas dos inegáveis excessos" da Constituição de 1988.

Aquela mesma que o dr. Ulysses apregoou (com razão) "a da liberdade" e o presidente Sarney (com mais razão) acrescentou amargurado "e, também, a que tornará o Brasil inadministrável"...

Com exceção de Collor (com um resultado infeliz), nenhum deles gastou patrimônio político para tentar corrigi-los.

FHC, no auge do seu prestígio não cuidou do problema. Contornou-o com imaginação, como, por exemplo, a desvinculação de parte dos recursos da União. No final, correu e entregou-se ao FMI, que inspirou a política econômica (muito melhor) do seu segundo mandato, inclusive a magnífica Lei de Responsabilidade Fiscal, combatida pela miopia do Partido dos Trabalhadores.

Para ser justo, é preciso reconhecer que propôs, e conseguiu, tirar da Constituição a sua maior imbecilidade, lá colocada em homenagem a um velho financiador do MDB: o dispositivo que estabelecia um limite para a taxa de juro real.

Essa é a prova que tinha poder para fazer mais - fundamentado que estava - no seu inegável sucesso com a conquista da estabilidade monetária. É uma pena que tenha dissipado seu merecido patrimônio político buscando a reeleição. Não soube usá-lo, depois, para a construção de um regime fiscal sustentável. Lula, no apogeu da sua glória, não propôs qualquer mudança. Beneficiado por um vento de cauda internacional, soube fazer um desenvolvimento econômico (4% ao ano) mais inclusivo e equânime. A dívida bruta foi reduzida para 52% do PIB no fim de 2010, graças a um superavit primário médio, no período, de 3,1% do PIB. Sem dúvida, um resultado da Lei de Responsabilidade Fiscal, aquela mesma que o PT, na oposição, combatera ferozmente. Quando Dilma tomou posse em 2011, a situação mundial tinha mudado. Ela fez um "ajuste" e regulamentou a Previdência do funcionalismo. O ano revelou um crescimento de 3,9%, com um superavit primário de 3% do PIB, praticamente o mesmo da octaetéride lulista. A dívida bruta/PIB caiu para 51%. A situação fiscal desintegrou-se a partir de 2012, pelo excesso de voluntarismo do governo, que não entendeu o que se passava. Isso reduziu o crescimento do PIB a 1,5% ao ano, entre 2012-2014. A dívida bruta saltou de 51% para 59% do PIB, devido à redução do superavit primário médio, para 1,1% do PIB. Emergiu, então, o desequilíbrio fiscal estrutural endógeno à Constituição e criou-se a armadilha em que nos encontramos. Tão simples assim...

Economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
Opinião economica: Dificuldades
Benjamin Steinbruch é diretor-presidente da CSN e presidente do conselho de administração da empresa
Opinião economica: Exportar
Nizan Guanaes é publicitário e presidente do Grupo ABC
Opinião econômica: Eu sou ‘investment grade’
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
Opinião economica: Cabo de guerra