Porto Alegre, quarta-feira, 16 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
25°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1590 4,1610 0,12%
Turismo/SP 4,1100 4,3880 0,68%
Paralelo/SP 4,1200 4,3800 0,68%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
549896
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
549896
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
549896
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
De Olho na tevê Carlos Pires de Miranda
carlos@piresdemiranda.com.br

De Olho na tevê

Coluna publicada em 02/09/2015

Bolinhos de bacalhau

Hoje, um prato cheio será servido aos colorados em seu estádio: o apetitoso Vasco da Gama, que não faz mal a ninguém no Brasileirão, detentor do pior ataque da competição, com oito gols em 21 jogos. O treinador é o inconsistente Jorginho, que sucedeu Celso Roth, na quase impossível missão de escapar do rebaixamento. É obrigação do Inter vencer por um escore motivador, para dar sustentação ao recém-chegado Argel e mostrar que o título da Copa do Brasil é um sonho possível. E sem desculpas: às 19h30min, até veterano rende.

A culpa não foi do calor

Certo, jogar às 11h é desgastante, mas domingo fez calor para os 22 jogadores, não apenas para os colorados. Erro de arbitragem houve (pênalti sobre Sasha), só que a atuação do Inter foi sofrível. A impressão é de que o time não viajou a Floripa. E Argel, que passou um bom tempo treinando o Figueirense, consegue levar 3 a 0 do Avaí (há poucas semanas, seu maior rival) e sai falando em arbitragem! Vamos combinar assim: o técnico deixa a direção reclamar e cuida de explicar por que sua equipe jogou tão pouquinho contra um adversário que ela própria resgatou da Z-4.

Há perigo na esquina

Apesar de o Figueirense ser um adversário respeitável em seu estádio, onde, há uma semana, despachou o Atlético-MG, amanhã o calor e o cansaço não servirão de pretexto - o Grêmio precisa jogar bem. Os desfalques ocorrerão o tempo todo, o Brasileirão revela os que têm elenco forte e os que apenas têm um time, nada mais. Vejo o Tricolor em uma encruzilhada: lutar pelo título já é quase uma quimera, tentar a Libertadores está ficando difícil, apostar tudo na Copa do Brasil traz um grande risco. Claro, se Roger tivesse um grupo numeroso, com reservas de qualidade, o prognóstico seria outro.

Copa do Brasil

O Palmeiras tem mais elenco para encarar o Inter; o Fluminense, se recuperar Fred e conseguir deixar Ronaldinho em forma - coisa que não ocorre há horas -, vai ficar mais forte e pode dificultar para o Grêmio. Mas podemos estar otimistas, desde que, daqui a duas semanas, cariocas e paulistas continuem priorizando a disputa pelo Brasileirão. Passando das quartas de finais, a dupla se enfrenta em um espetacular Grenal (aliás, em dois) e o vencedor arranca para a final, provavelmente contra o São Paulo. Não tem nada fácil, mas o Brasileiro é bem mais longo e penoso.

Fórmula 1

Como me justificou um leitor outro dia: "Recuso-me a assistir a um esporte em que somente as máquinas decidem e não os pilotos". Eu ainda assisto, com um décimo do interesse que tive em outras épocas. Reconheço o talento de Hamilton e Rosberg, mas é inegável que disputam um campeonato entre eles, com carros muito superiores aos demais. Quando vejo campeões como Button e Alonso, ambos na tradicional McLaren, largando em 17º e 18º em um grid com 20 carros, sou forçado a dar razão ao leitor que citei. Talento sem uma boa máquina não resolve. Como, mais uma vez, poderemos comprovar domingo, no GP da Itália, em Monza.

COMENTÁRIOS
Marcos Silva - 02/09/2015 - 07h56
Com referencia a Formula 1, tá na hora de passar para a Nascar onde não tem quase nada de eletrônica, cambio manual, 43 carros. Não precisa de asa ou push to pass para ultrapassagens. Também Moto GP com disputas incríveis de moto a 300 km/h. Show do começo ao fim!

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Hoje é com a torcida
Desde o Grenal sustento que, se sonhar com Libertadores, o Inter deve olhar primeiro para a Copa do Brasil
Um termômetro da eficiência
Em oito dias o Grêmio terá três seríssimos desafios, todos longe de sua torcida
Antes que seja tarde
Excluída aquela enganadora goleada sobre o pobre Vasco da Gama, temos que o Inter tomou três gols do Avaí e dois dos reservas do São Paulo, sem marcar nenhum
Cumprindo tabela
A dupla navega serena pelas águas da Copa do Brasil