Porto Alegre, segunda-feira, 21 de janeiro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7700 3,7720 0,37%
Turismo/SP 3,7300 3,9300 0,51%
Paralelo/SP 3,7400 3,9400 0,51%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
287254
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
287254
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
287254
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ELEIÇÕES Notícia da edição impressa de 02/09/2015

Ala tucana lança Yeda para prefeitura de Porto Alegre

Disputa interna da sigla é pano de fundo para indefinição eleitoral

Fernanda Nascimento

JONATHAN HECKLER/JC
Ex-governadora Yeda Crusius discursou em ato de apoio a sua pré-candidatura no pleito do próximo ano
Ex-governadora Yeda Crusius discursou em ato de apoio a sua pré-candidatura no pleito do próximo ano

A ex-governadora Yeda Crusius (PSDB) teve o nome lançado como pré-candidata à prefeitura de Porto Alegre, ontem, pelo grupo político PSDB Para Todos. Durante almoço no restaurante Copacabana, na Capital, mais de 50 lideranças tucanas pediram a candidatura de Yeda e, em especial, defenderam a realização de convenção para a definição do nome que disputará a prefeitura. Sem um diretório instituído desde que as eleições internas foram anuladas, o grupo político de Yeda - que é contrário à comissão provisória estadual, dirigida pelo deputado federal Nelson Marchezan Jr. (PSDB) - teme que a escolha seja realizada sem o voto dos filiados. Em entrevista ao Jornal do Comércio, em agosto, Yeda afirmou não descartar candidatura em eleições.

O ato político teve o apoio de dois dos quatro deputados estaduais da sigla: Jorge Pozzobom e Adilson Troca. Para Pozzobom, mais do que "o nome da ex-governadora Yeda", é preciso "defender a democracia interna".

"Queremos a realização de prévias para saber quem será o candidato à prefeitura. O voto é o instrumento mais legítimo de democracia interna e da escolha dos candidatos. Não posso defender a democracia se isso não for realizado também internamente", afirmou Pozzobom.

De acordo com o vereador da Capital Mário Manfro, a situação é difícil, em decorrência da disputa política estabelecida no âmbito interno. Após ser escolhido presidente municipal do partido, Manfro foi destituído pela comissão provisória, que apontou indícios de ilegalidade na disputa. O caso está na Justiça.

"Fui eleito dentro das regras, e uma decisão autoritária, antidemocrática nos tirou do poder. Isso gerou uma insatisfação muito grande nas pessoas que integram o partido no município. Dentro da norma democrática, o nome do candidato à prefeitura seria escolhido por convenção, mas, se continuar assim, não haverá convenção", disse.

Para Manfro, os poderes concedidos pela executiva nacional para a comissão provisória estadual têm o objetivo de favorecer a candidatura de Marchezan para o Executivo municipal. "A intervenção foi feita para que ele concorra a prefeito, sem disputa interna. Ele foi presidente do diretório municipal, mas acabou se afastando da base e pagou um preço por isso. A questão está judicializada, se revertermos a situação e houver convenção, ele não vence. Marchezan será nomeado candidato se não houver convenção", declarou.

O vereador afirmou ainda que a insatisfação com os rumos no partido pode gerar uma saída de quadros políticos descontentes com a "falta de diálogo". "Têm muitas pessoas dizendo que irão se desfiliar e, pessoalmente, me sinto também desconfortável, porque fui eleito democraticamente e destituído por um ato ditatorial", afirmou. A reportagem tentou entrar em contato com Marchezan e não obteve retorno.

COMENTÁRIOS
Adélia Saraiva - 03/09/2015 - 09h54
Mas o quê ? Agora vai ser assim ,uma "diarréia" de nulidades nesse Estado.Essa pessoa não serve nem administrar uma praça de pedágios.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Lewandowski rebate Cunha e reafirma que normas sobre doação valerão em 2016
Segundo o presidente do STF, a decisão do Supremo será aplicada em 2016 sem que sejam possíveis questionamentos jurídicos sobre a questão
TSE perdoa multa de José Serra
A então relatora, ministra Nancy Andrghi, multou José Serra e Roberto Jefferson em R$ 5 mil cada, além de multar o PTB em R$ 7,5 mil
Partidos intensificam as articulações para 2016
Ao menos 10 legendas cogitam lançar candidato próprio em Porto Alegre
OAB pede que Supremo proíba financiamento empresarial de campanha já em 2016
OAB protocolou ação cautelar no STF para proibir o financiamento empresarial de campanha já nas eleições municipais de 2016