Porto Alegre, quinta-feira, 15 de abril de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
530196
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
530196
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
530196
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ARTIGO Notícia da edição impressa de 12/08/2015

Opinião econômica: Produtividade

Delfim Netto

Folhapress/Arquivo/JC
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura

Em 1947, aprovado em concurso público, trabalhei no Departamento de Estradas de Rodagens (DER). Tive a sorte de ser alocado à Secção de Controle de Custos, na oficina central que controlava e providenciava a reparação de milhares de tratores, motoniveladoras, caminhões etc. No tempo em que fiquei no DER, cursava economia na FEA/USP.
Buscar o "máximo de produtividade" era o objetivo do engenheiro-chefe da oficina. Mas como medir a "produtividade" para, depois, tentar "maximizá-la"? A atividade era sazonal (as máquinas vinham para reparação na época chuvosa). Parecia intuitivo medir a produtividade pelo tempo necessário para uma "revisão que as devolvessem ao campo em estado capaz de suportar mais um período de trabalho intenso".

A dificuldade de medida era imensa pela diversidade de equipamentos, sem falar de problemas criados pela "situação geral da administração": absenteísmo, nível de estoque de peças de substituição, concorrência para serviços especializados de terceiros etc. A solução final que a rigor não media nada, mas impressionava os incautos, foi calcular o "tempo médio de revisão".

Comparando-o com o número do ano anterior, aproveitava-se a oportunidade para louvar a "boa qualidade da administração" ou apresentar uma boa desculpa: problemas incontornáveis prejudicaram a "boa qualidade da administração". Aprendi, então, que os membros de qualquer organização (mesmo das empresas privadas) não maximizam nada: acomodam-se conveniente e discretamente num nível de conforto aceitável.

Quando vejo a facilidade com que se afirma a platitude que "a causa básica da queda da taxa de crescimento do PIB é a redução da produtividade do trabalho", lembro aquela experiência.

A "produtividade da mão de obra" era muito alta na época chuvosa, quando chegavam as máquinas do campo (a demanda na oficina era alta porque elas não estavam trabalhando) e era menor na época seca (as máquinas estavam trabalhando no campo e não havia demanda na oficina). A "produtividade" do trabalho dos operadores das máquinas era, naturalmente, o inverso da "produtividade" do trabalho dos mecânicos da oficina, o que tirava qualquer sentido físico à ideia de "produtividade média do trabalho no DER".

A observação reforça no nível microeconômico, que a demanda é uma causa da "produtividade do trabalho", mas que esta não é causa da demanda. No nível macroeconômico, há problema semântico, não de causalidade. Por definição, o crescimento do PIB é identicamente igual (é só outro nome) do aumento da "produtividade do trabalho" somado à taxa de crescimento do número de trabalhadores...

Economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
Opinião economica: Dificuldades
Benjamin Steinbruch é diretor-presidente da CSN e presidente do conselho de administração da empresa
Opinião economica: Exportar
Delfim é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
Opinião economica: Simples assim
Nizan Guanaes é publicitário e presidente do Grupo ABC
Opinião econômica: Eu sou ‘investment grade’