Porto Alegre, domingo, 19 de setembro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
753226
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
753226
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
753226
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

tecnologia Notícia da edição impressa de 05/08/2015

Soluções contábeis brasileiras buscam o mercado externo

Roberta Mello

O Brasil conquistou, nos últimos anos, espaço entre os grandes da economia mundial e vem tentando evoluir no quesito inovação. Um dos cinco países em crescimento integrante do Brics, o Brasil briga para emplacar um ambiente de negócios próprio para receber investimentos. Para isso, conta com a contabilidade como aliada. A complexidade tributária e a maior atenção do Fisco a cada detalhe informado por empresas e contribuintes fizeram com que o setor tivesse de investir pesado em tecnologia e qualificação.

Em 2007, o Brasil iniciou a adequação às Normas Internacionais de Contabilidade (International Financial Reporting Standards - IFRS) a partir da promulgação da Lei nº 11.638. O Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), criado pelo governo brasileiro com o intuito de propiciar um melhor ambiente de relações e negócios para as empresas, mais eficiente controle tributário por parte da Receita Federal e a eliminação do papel em todo o processo, também já é alvo de interesse de outras nações. O programa, embora seja questionado por uma parcela dos profissionais da área contábil em função das exigências e adaptações constantes, é um dos responsáveis pelo interesse de outros países por soluções nascidas em terras brasileiras.

Para a contadora e sócia da Trevisan Gestão e Consultoria (TG&C) Geuma Nascimento, a contabilidade brasileira está no caminho certo. Segundo ela, o segmento está tomando musculatura de uma ciência que vai muito além de meros registros de números. "O mundo clama por sistemas mais seguros com capacidade de auditagem dos dados sobre tudo e sobre todos", diz Geuma.

No entanto, há entraves para que esse conhecimento ultrapasse as fronteiras do País, em função de episódios envolvendo fraudes e corrupção dentro de empresas privadas e estatais. Ao contrário do que muitos esperavam, o Brasil não "dita" regras para outros países. "Vivemos um momento extremante crítico de descrédito absoluto em todas as áreas, que até mesmo naquilo que poderíamos continuar sendo referência, como é o caso do programa Sped, acabamos enfraquecidos", pondera. 

É bem verdade que o governo brasileiro foi muito além da NFe e implantou outros subsistemas, diferentemente de países que pararam na emissão de notas fiscais eletrônicas. "Soubemos, por meio de colegas da Receita Federal, que esses países e outros, no início da implantação de nosso sistema, chegaram a nos visitar para entender como fomos tão longe com o programa Sped, muito além da NFe", lembra Geuma, lamentando que a posição de vanguarda não tenha se mantido com o tempo. O desafio, agora, é reverter o cenário e voltar a ser uma referência quando o assunto é tecnologia contábil.

Invoiceware mira o segmento latino-americano

Quando se deu conta da aplicabilidade em outros países do sistema de Nota Fiscal Eletrônica (NFe) criado para o ambiente nacional, a Invoiceware deu início a um projeto de expansão. Em 2011, a multinacional brasileira começou a desenvolver as versões locais de softwares - programas com formato multi-idioma e compatíveis com diferentes tipos de documentos eletrônicos.

Menos de quatro anos depois, as soluções desenvolvidas estão presentes no México, Peru, Uruguai, Equador, Argentina e Chile. E a expectativa é de que, até o final deste ano, desembarquem em mais países. Recentemente, a empresa iniciou suas operações no Peru, onde três empresas multinacionais, Clorox, SC Johnson e Coca Cola, fecharam contratos com a Invoiceware para implantação da emissão das chamadas facturas electrónicas, também chamadas de e-Invoicing (Eletronic Envoicing).

No Uruguai, a McCain Foods decidiu iniciar a implantação das notas fiscais eletrônicas em abril. Lá, a facturación electrónica ainda não é obrigatória, porém as empresas estão sendo estimuladas a aderir ao projeto por meio de incentivos fiscais proporcionados pelo governo local.

Esses projetos estão sendo implantados por profissionais brasileiros e dos Estados Unidos, onde a Invoiceware tem uma filial. "O Brasil está exportando o seu know-how adquirido ao longo da última década no processo de emissão de documentos fiscais eletrônicos para os países vizinhos", comemora o CEO do Grupo Invoiceware no Brasil, Alexandre Auler, sublinhando que, nos próximos meses, a empresa deve iniciar operações na Colômbia, que já dá os seus primeiros passos na migração dos documentos fiscais em papel para o formato digital.

Assim como a Invoiceware, a multinacional Totvs conta com um software de gestão (ERP), com tecnologia brasileira, comercializado em vários países. Entre suas funcionalidades, estão o controle das contas a pagar, contas a receber, informações financeiras e contábeis. Contudo, nem todas as grandes empresas brasileiras, ou com sede no País, são bem-sucedidas na hora de expandir.

Alterdata dribla dificuldades para ultrapassar as fronteiras

A Alterdata Software pensou em expandir seu mercado para fora do País em 2008. Fez estudos, arriscou, mas não obteve sucesso. "Fizemos estudos em Portugal e na Espanha. Porém, quando os projetos de expansão estavam bem avançados, apareceu a crise financeira internacional e nos fez recuar", destacou o diretor executivo da empresa, Ladmir Carvalho.

A empresa chegou a investir em uma base na Angola, a fim de chegar ao continente africano, que foi mantida durante certo tempo, mas fechou devido à pressão política. Para Carvalho, levar soluções contábeis a outros países acaba não sendo viável, porque a "nossa legislação é muito específica, não tendo relação com o que é praticado lá fora".

A saída para não abrir mão totalmente do mercado internacional foi investir em uma solução empresarial voltada à comunicação: o Karoo. "Optamos por um produto que não tivesse barreiras tributárias. Nossos sistemas possuem muitos aspectos tributários, o que poderia dificultar a atuação em outros mercados", reflete.

O aplicativo para chat - conversa on-line - permite que empresas falem com seus clientes através da web, integrado a seus ambientes de trabalho. A ferramenta, lançada em julho, entra para concorrer com os melhores softwares dos Estados Unidos e Inglaterra. "Estamos confiantes de que temos um produto com funcionalidades tão boas quanto a desses países, e preços mais competitivos. Desta forma, estamos muito convictos de que uma nova era está nascendo para a Alterdata", diz Carvalho, mantendo o otimismo.
 
COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Rossi alerta que nem todas as empresas estão prontas para cumprir o prazo
Escrituração Contábil Fiscal é o grande desafio de 2015
Maia considera importante testar as ferramentas para fazer a adaptação
Fórum Sped: escrituração digital em debate
Calendário de implantação da ferramenta é definido por cada estado com base na sua realidade fiscal
Mais de 100 milhões de NFC-e são emitidas no Brasil em oito meses
Até abril de 2015, cerca de 30 mil companhias da Capital devem ingressar no sistema
Porto Alegre adota a nota fiscal eletrônica dos serviços