Porto Alegre, sexta-feira, 17 de janeiro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
33°C
30°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1880 4,1900 0,21%
Turismo/SP 4,1200 4,3820 0,27%
Paralelo/SP 4,1300 4,3800 0,45%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
107545
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
107545
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
107545
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Navegação Notícia da edição impressa de 25/06/2015

Petrobras estuda vender navios para fazer caixa

Pedro Maciel

AGÊNCIA PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC
Petrobras considera vender navios transportadores de petróleo e combustíveis da Transpetro
Petrobras considera vender navios transportadores de petróleo e combustíveis da Transpetro

Em seu plano de venda de ativos para fazer caixa, a Petrobras considera vender navios transportadores de petróleo e combustíveis da Transpetro. Essa possibilidade chegou a ser apresentada ao presidente da Transpetro, Claudio Campos, mas ainda não foi definida. O modelo prevê que a estatal continue utilizando as embarcações em contrato de aluguel - algo semelhante ao formato adotado pela Vale, sob o comando de Murilo Ferreira, também presidente do conselho de administração da Petrobras. A análise dos ativos inclui cerca de 23 embarcações, com valor estimado em US$ 270 milhões.

Qualquer decisão de desinvestimento envolvendo a Transpetro sairá da controladora, segundo o presidente da subsidiária. A avaliação é que o corte poderia atingir até mesmo o Programa de Modernização e Expansão da Frota (Promef), responsável pela retomada do setor naval. A ideia é que não há justificativa para vender embarcações e construir outras ao mesmo tempo.

O plano inclui a cobrança de um prêmio sobre o preço pago à Petrobras como forma de garantir ao comprador um contrato de afretamento das embarcações. Em vez de proprietária dos navios, a estatal se tornaria contratante do serviço de transporte. O modelo foi adotado pela Vale em abril, na venda de quatro navios para a Cosco por US$ 445 milhões e contrato de afretamento por 25 anos.

Um estudo preliminar estimava que a venda de embarcações da Transpetro poderia gerar até US$ 270 milhões. Os 23 navios representam cerca de metade da frota de 53 embarcações. Entre os itens listados, estão embarcações novas e navios antigos ou recém-reformados, com pouco valor de mercado. As embarcações mais atrativas são Ataulfo Alves e Cartola, incorporadAs à frota em 2001, com valor orçado em US$ 78 milhões cada - cerca de 10 vezes a média dos demais ativos.

Entre os demais navios indicados para venda, 12 foram orçados em US$ 7 milhões. Alguns mais antigos foram orçados em US$ 3,5 milhões, após terem passado por recentes conversões de cascos, para atender às demandas da Petrobras por mais 15 anos. Também constam dois navios, o Guaporé e Guarujá, avaliados em US$ 2 milhões, considerado um valor de "sucata".

Questionada sobre as negociações, a Transpetro informou que o Promef segue "curso normal", com 14 navios em "diferentes fases de construção, sendo sete no estágio de acabamentos". A subsidiária ainda informou que a Petrobras ainda está revisando seu plano de negócios e que "não procede qualquer informação sobre venda de navios".

A Petrobras esperava concluir a revisão do plano de negócios ainda neste mês - o primeiro prazo estabelecido internamente foi o dia 10. Mas o trabalho não foi concluído e a empresa já considera que pode deixar o anúncio para julho. Havia a expectativa de que o tema fosse aprovado pelos conselheiros na próxima reunião, dia 26, juntamente com propostas de venda de ativos - medida controversa entre os conselheiros e lideranças da empresa.

Representante dos empregados, Deyvid Bacelar avaliou o momento da empresa como "difícil" em um artigo em sua página na internet. "Tudo indica que a nova gestão quer dar um novo foco da empresa para a área de E&P (exploração e produção). Isso vai de encontro à grande empresa integrada de energia que a Petrobras se tornou nos últimos anos", afirmou.

O conselheiro prometeu debater "com exaustão" o plano de desinvestimento, que, segundo ele, será levado à reunião do conselho no próximo dia 26. No mercado, a expectativa é de que o plano de negócios revele também o compromisso da petroleira em reduzir o seu endividamento, um dos pontos mais questionados pelas agências de classificação de risco e por analistas.

Governo vai propor incentivos à navegação de cabotagem no País

O Ministério dos Transportes criou um grupo de trabalho para elaborar proposta de incentivo à Navegação de Cabotagem, o transporte por via marítima de um porto para outro no mesmo país. Em 120 dias, o grupo terá que sugerir ações e mudanças para favorecer uma maior participação desse tipo de navegação na matriz de transporte brasileira. Os trabalhos poderão ser prorrogados por mais noventa dias se houver motivo justificado.

O grupo é composto por representantes de secretarias do Ministério, além do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Agencia Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e Empresa de Planejamento e Logística (EPL).

Havia expectativa de que as propostas de mudança do marco regulatório da cabotagem fossem lançadas com a nova rodada de concessões de infraestrutura. Mas, com o prazo dado ao grupo de trabalho, elas devem ficar só para o fim do ano.

Promessa antiga ao setor portuário, a intenção do governo é baratear e desburocratizar a cabotagem no País para que se torne uma meio de transporte viável às empresas. Hoje, segundo explicações do governo, levar uma carga do Uruguai para o Nordeste sai mais barato do que transportá-la do Porto de Rio Grande (RS) para o mesmo destino.

Isso porque, no primeiro caso, trata-se de uma navegação de longo curso e, no segundo, cabotagem. A explicação para a diferença de preço é que, na navegação internacional, não há cobrança de PIS e Cofins sobre os combustíveis. Na cabotagem esses tributos são cobrados. As atividades do grupo serão coordenadas pelo representante da Secretaria Executiva do Ministério dos Transportes.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Araújo admite a falta de experiência no setor e promete se cercar de técnicos competentes
Ministro dos Portos assume e afirma que compreende 'ceticismo do empresariado'
Obras de ampliação do Canal do Panamá acelerou a  melhoria das condições dos terminais brasileiros
Portos investem em infraestrutura
Manteli critica demora na homologação do calado  de Rio Grande (foto acima)
Sem manutenção, portos limitam a entrada de navios
Araújo prevê uma expansão superior a 9% ao ano até 2020
Cabotagem cresce no País