Porto Alegre, domingo, 12 de julho de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
17°C
11°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
956399
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
956399
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
956399
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Municipalismo Notícia da edição impressa de 14/05/2015

Folador é indicado pelo PT para comandar Famurs

Prefeito de Candiota deve ser aclamado em eleição no dia 29 de maio

Fernanda Nascimento

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Luiz Carlos Folador tem respaldo de 72 prefeitos e 83 vices do partido
Luiz Carlos Folador tem respaldo de 72 prefeitos e 83 vices do partido

O prefeito de Candiota, Luiz Carlos Folador, foi indicado pelo PT para assumir a presidência da Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) no período de 2015/2016. O nome de Folador foi aprovado por unanimidade na reunião da associação dos prefeitos e vice-prefeitos do PT ontem. A confirmação do novo presidente da entidade ocorrerá em eleição no próximo dia 29, mas como a Famurs realiza um sistema de rodízio entre os partidos para a escolha do comando, Folador não terá adversários.

A indicação do petista à presidência da entidade era tida como natural, por muitos setores do partido, na medida em que ele já é vice-presidente da Famurs. Entretanto, houve especulação em torno do nome do prefeito de Canoas, Jairo Jorge, que acabou não se confirmando na disputa. Sem concorrência, Folador foi escolhido pelos 72 prefeitos e 83 vice-prefeitos do partido.

Após a escolha, o futuro presidente da entidade afirmou que está comprometido com as causas municipalistas, em especial o pacto federativo. "Temos a responsabilidade de conhecer todos os municípios do Estado, suas experiências e necessidades, trabalhar e buscar junto aos órgãos competentes um pacto federativo que foque o municipalismo", disse. Folador também disse que buscará "o apoio técnico e administrativo às prefeituras, uma reforma política ética e democrática e a reforma tributária, tão necessária para o crescimento de todo País".

O presidente do PT, Ary Vanzzi, afirmou que a instituição pode mobilizar os prefeitos na garantia de políticas importantes, como a manutenção da destinação dos royalties do pré-sal para a ?educação, "que vai beneficiar os municípios com importantes recursos para a administração municipal".

O PT é o terceiro partido no rodízio do quadriênio 2013-2016. O sistema criado em 2005, como forma de garantir a pluralidade na direção da entidade municipalista, estabelece que as quatro legendas com maior número de prefeitos eleitos podem indicar os sucessores à presidência da entidade. Em 2013, o presidente foi o prefeito de Santo Ângelo, Valdir Andres, indicado pelo PP. Atualmente, a presidência da entidade é comandada por Seger Menegaz, do PMDB. Após o PT, a Famurs será dirigida pelo PDT.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Luiz Carlos Folador defende mais autonomia aos municipios
Luiz Carlos Folador toma posse na Famurs
Quase 100 prefeituras fecham ano no vermelho
Atraso em repasses estaduais e federais são principal causa do déficit
Para Ziulkoski, altos índices incentivam práticas carreiristas na política
Reajuste pode elevar gastos a R$ 5,8 bilhões
Seger Menegaz atribui situação a distorções no pacto federativo
Metade das prefeituras está no ‘vermelho’