Porto Alegre, domingo, 23 de janeiro de 2022.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
128162
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
128162
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
128162
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

LITERATURA Notícia da edição impressa de 11/05/2015

Ode à saudade

Priscila Pasko

GONÇALO LOBO PINHEIRO/DIVULGAÇÃO/JC
José Luís Peixoto vem à Capital participar da pré-estreia da Festipoa Literária
José Luís Peixoto vem à Capital participar da pré-estreia da Festipoa Literária

"Deixaste ficar em tudo (...) E tudo isto é agora pouco para te conter (...) Tudo o que te sobreviveu me agride." É o filho que reclama a ausência irrevogável do pai no livro Morreste-me (64 págs., R$ 29,90). Com uma narrativa sucinta, mas não menos densa, o próprio José Luís Peixoto reflete a morte e o luto por ele vivido. O escritor imprime - com uma linguagem poética, apoiada em memórias - o gosto da morte mastigada e sentida. O livro já ganhou 20 edições em Portugal e acaba de ser lançado no Brasil pela editora Dublinense.

O português vem a Porto Alegre para participar da pré-estreia da 8ª Festipoa Literária, que será promovida amanhã, no Instituto Goethe (24 de Outubro, 112), a partir das 18h30min. A entrada é franca.

É justamente quando Morreste-me completa 15 anos de seu lançamento que Peixoto vem ao País para divulgá-lo. Nas últimas semanas, o escritor passou por Belo Horizonte, São Paulo e Curitiba, promovendo o lançamento e conversando com o público. "É muita alegria ver os leitores se encontrando com o livro."

Foi com este título que Peixoto estreou na literatura e o fez já relatando uma dor bastante íntima, apesar de se tratar de um tema universal. Confiante em fazer de Morreste-me sua primeira obra, o escritor estava certo que não se arrependeria. "É um livro muito especial. Ainda hoje é muito sensível à minha família. Nós o enxergamos como um momento que nos retrata, já que homenageio meu pai", explica o autor que conta com 14 livros, alguns deles lançados em diversas línguas.

José João Peixoto, pai do escritor, morreu em janeiro de 1996. Mas foi no mês de maio que a história começou a ser escrita pelo português, desconhecendo que dali resultaria um livro. "Foi um texto que se impôs. Eu não programei escrevê-lo, apenas comecei. Só depois percebi o quanto aquilo era incomparável a todos os textos que eu havia escrito antes", destaca o escritor.

No livro, relatado na segunda pessoa do singular, Peixoto concentra o seu olhar na dor e no amor masculino, por vezes pouco explorado na literatura. Morreste-me exibe sem reservas a vulnerabilidade de um filho que perde a figura paterna e não se importa em assumir tal desestabilidade. "Esta ligação dos homens com os seus sentimentos é um pouco difícil, tem a ver com o papel que é dado a nós." O português acredita que este estereótipo do homem inabalável é real, mas deve ser contrariado. "Sentir é uma das caraterísticas que distingue o ser humano de outras espécies", enfatiza.

A pré-estreia da Festipoa Literária também contará com a participação do escritor Bernardo Carvalho e da atriz Deborah Finocchiaro, que estará acompanhada do músico Fernando Sessé. Bernardo Carvalho participará pela primeira vez do evento para lançar o seu mais recente romance, Reprodução (Cia das Letras, 168 págs., R$ 37,00).

Já integrando parte da programação da Festipoa Literária, Peixoto e o artista gráfico Fabriano Rocha ministram uma oficina de escrita e ilustração, no Centro Histórico-Cultural Santa Casa (Independência, 75). No total, serão quatro encontros: hoje e amanhã, e nos dias 25 e 26 de maio, no turno da tarde. As atividades são voltadas a jovens de 10 a 12 anos. O número de vagas é limitado. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo e-mail [email protected]

Temporada literária

A 8ª edição da Festipoa Literária ocorrerá entre os dias 15 e 23 de junho. O homenageado deste ano é o compositor e escritor Vitor Ramil. O papel de anfitrião será assumido pelo ficcionista e roteirista Ismael Caneppele.

Na programação, está prevista a participarão de escritores consagrados e autores da nova geração para encontros entre leitores, escritores e artistas. O público poderá ainda irá conferir leituras, lançamentos, oficinas, cursos, debates, shows, saraus, filmes e performances. Palavraria, Instituto Goethe, Casa de Teatro, Espaço Cultural 512, Teatro do Ciee, Centro Histórico-Cultural Santa Casa e Ocidente Bar são os espaços que sediarão o evento. Toda a programação terá entrada franca.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Livraria Bamboletras, de Lu Vilella, completa 20 anos
Livraria Bamboletras, uma pequena gigante
Leonardo Padura é uma das atrações da Feira do Livro de Canoas
Capital do livro
Dado Villa-Lobos reúne trajetória da Legião Urbana em livro
Biografia reúne trajetória da Legião Urbana
Christopher Kastensmidt é um dos organizadores da IV Odisseia da Literatura Fantástica
Literatura Fantástica volta ao debate na Capital