Porto Alegre, quinta-feira, 28 de outubro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
721234
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
721234
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
721234
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Indústria Notícia da edição impressa de 15/04/2015

Planta no Estado amplia presença da Fujikura nas Américas

Meta da empresa japonesa de cabos é aumentar market share de 3% para 5%

Adriana Lampert, de Montenegro

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Evento de inauguração contou com a presença da diretoria da companhia e do governador
Evento de inauguração contou com a presença da diretoria da companhia e do governador

O investimento de mais de R$ 40 milhões na primeira unidade fabril da Fujikura no Brasil é o primeiro passo para a empresa japonesa - fabricante mundial de cabos OPGW - ampliar sua participação no mercado nacional e das Américas do Sul e Central. Do montante previsto até o início de 2016, já foram injetados R$ 30 milhões, que resultaram na atual planta industrial e na aquisição de maquinário para a fábrica, que foi inaugurada ontem, em Montenegro. A obra, que se iniciou em novembro de 2013, foi entregue no final de 2014.

O evento contou com a presença de autoridades locais e gaúchas, incluindo o governador José Ivo Sartori e o presidente mundial da indústria de cabos de telecomunicações, Yochi Nagahama. O empreendimento é resultado de uma parceria com a brasileira ProCable, e foi implementado para suprir parte da demanda brasileira de cabos para empresas de energia e de telecomunicação.

Por enquanto, a operação conta com 50 funcionários diretos e 25 indiretos, mas a meta é gerar de 150 a 200 empregos diretos até o ano que vem. Instalada em terreno de 144 mil m², no setor do Distrito Industrial, a unidade ocupa 10,8 mil m² e tem capacidade inicial para produzir, por ano, 1 mil quilômetros de cabos OPGW e de 1 mil toneladas de cabo ACSR (usado para transmissão de energia elétrica). O empreendimento ainda produzirá cabos de aterramento AAC e AAAC, e outro específico para suporte de postes de energia, o AC Wire.

Antes de trazer a produção para o Brasil, a multinacional era uma das maiores exportadoras do OPGW para o mercado brasileiro, que anualmente demanda 5 mil quilômetros desta tecnologia para a construção de linhas de transmissão e 2 mil toneladas de ACSR. "Já prevemos aumento de demanda para as linhas de transmissão do País", ressaltou o presidente da Fujikura Cabos, Ikuo Shigetoshi.

Com a fabricação nacional, os cabos OPGW, que funcionam como para-raios para as redes de transmissão antes 100% importados, terão uma redução de custos entre 20% e 30%. "Desejamos contribuir para o desenvolvimento da infraestrutura do País, através de fusões das tecnologias brasileira e japonesa", disse o presidente da ProCable, Fumitaka Nishimura, destacando que a equipe de engenheiros da nova fabricante poderá ir em breve ao Japão para conhecer melhor o trabalho da companhia Fujikura, que possui 131 anos de mercado, emprega 53 mil pessoas e faturou US$ 530 milhões em 2014. Além de fábricas de fibra óptica e infraestrutura para energia e sistemas de telecomunicações, a multinacional possui outras duas companhias, que produzem chicotes para veículos e equipamentos para artigos eletrônicos.

"Temos o sonho de fazer com que a fábrica em Montenegro cresça de forma grandiosa", discursou Nagahama, lembrando que a meta é de que até 2016 a participação da Fujikura no mercado das Américas passe dos atuais 3% para 5%, com a produção no Estado. "E há espaço, em Montenegro, para, no futuro aumentar a produção, com foco em (atingida a primeira meta) ampliar nosso market share para 10% na América Latina", prospectou. "Mas tudo vai depender do desenvolvimento dos países deste continente", ponderou o executivo. De acordo com Sartori, o Estado vem criando um ambiente favorável aos novos empreendimentos e atraiu mais de R$ 9,5 bilhões em pouco mais de três meses. "Só não vai investir no Rio Grande do Sul quem não quiser. Precisamos ser criativos e competitivos nas negociações. E, enquanto isso, vamos evoluindo as condições do Estado para que o serviço público se equipare à excelência do Rio Grande que dá certo", afirmou.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Usinas destinam 59,9% da oferta de cana à produção de etanol na quinzena
Com isso, o mix relacionado ao etanol passou de 56,06% para 59,99%
Pesquisa revela baixa perspectiva para a indústria gaúcha
O Índice de Confiança do Empresário Industrial de setembro caiu de 37,4 pontos em agosto para 36,6 pontos em setembro, atingindo o segundo menor nível da série histórica iniciada em 2005
Senai assina acordo com instituto alemão para acelerar inovação em indústrias
O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) assinou esta semana um acordo para facilitar as parcerias com a Sociedade Fraunhofer, da Alemanha, formada por 67 institutos de inovação
Índice de produção cai a 42,7 pontos em agosto ante 44 pontos em julho, diz CNI
Os indicadores da pesquisa variam no intervalo de zero a 100, sendo que valores abaixo de 50 indicam evolução negativa