Porto Alegre, quarta-feira, 21 de outubro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
578363
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
578363
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
578363
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Conjuntura 20/03/2015 - 18h30min

Loyola prevê que alta do dólar pode requerer mais juros para controle da inflação

A Tendências Consultoria Integrada está em pleno processo de revisão da sua projeção da taxa básica de juros (Selic). A afirmação foi feita nesta sexta-feira (20) pelo sócio da consultoria e ex-presidente do Banco Central (BC) Gustavo Loyola após palestra para filiados ao Instituto de Advogados de São Paulo (Iasp).

De acordo com o ex-BC, por enquanto a previsão em planilha é de um aumento de 0,25 ponto porcentual da Selic, de atuais 12,75% ao ano para 13% ao ano. Ocorre, de acordo com Loyola, que diante do realinhamento do câmbio a previsão atual de juros passa a merecer um ajuste, já que o pass-through do câmbio (repasse da alta do dólar para os preços) pode requerer mais juros para amenizar os efeitos secundários do dólar sobre a inflação.

"O aumento de juros não atua sobre a correção de preços administrados, por exemplo, mas pode dificultar a transmissão dos efeitos ao longo da cadeia", disse Loyola. Para ele, o BC já deve considerar uma inflação próxima de 8% no acumulado de 12 meses neste ano, mas o mais importante é ver o que ocorrerá com as expectativas de inflação para 2016. "Se as expectativas começarem a desgarrar é porque o BC não está conseguindo ancorá-las", disse.

Loyola concorda com o presidente do BC, Alexandre Tombini, quando ele diz que o pass-through hoje é bem menor do que era há dez anos, mas ressalva que o desempenho da economia também influencia o repasse. "Se o nível de atividade econômica é maior o pass-through é maior. Se é menor, o repasse também é menor", disse, acrescentando que parte da diminuição dos repasses das altas do câmbio para os preços está associada ao baixo crescimento da economia brasileira.

Ainda de acordo com Loyola, agora o repasse é menor também porque o empresário está acomodando parte da alta do dólar na sua margem de lucro. Loyola acredita, no entanto que a alta do dólar, ainda que em pequena monta, deverá ajudar alguns setores da indústria que se beneficiarão da substituição de produtos importados por nacionais.

Energia elétrica e PIB

Loyola reiterou que não está totalmente descartado um racionamento de energia elétrica no País. Ainda de acordo com ele, se houver um corte de 10% no fornecimento de eletricidade no País, o impacto no PIB seria de uma diminuição de 0,8 ponto porcentual.

"Hoje a nossa previsão é de uma retração de 1,2% do PIB. Se houver o racionamento, a queda será de 2%", disse. Para 2016, de acordo com Loyola, se os ajustes do ministro Joaquim Levy forem bem-sucedidos, em 2016 a economia crescerá 1,5%.

Loyola prevê que a inflação neste ano fechará em 7,9% e que o BC terá que enviar carta ao Ministério da Fazenda explicando as razões de o IPCA ter fechado 2015 acima do teto da meta. "Mas quem deveria escrever e assinar a tal carta é a presidente Dilma Mantega e o Arno Augustin", afirmou, referindo ao ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e ao ex-secretário do Tesouro. "O presidente Tombini não tem nada a ver com isso."

Para Loyola, o BC deverá adotar uma postura de ir abandonando o programa de oferta de swaps cambiais de forma gradual para evitar uma maior volatilidade do câmbio. "Abandonar o programa de swap cambial de uma vez geraria maior volatilidade e seria uma mudança da regra do jogo", disse o ex-BC.

Segundo Loyola, o BC tem sinalizado que quer fazer a transição sem causar mais volatilidade ao mercado. "O BC pretende abandonar o programa gradualmente", disse.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Recompra de dívidas se torna atraente para bancos brasileiros, diz Fitch
A agência de classificação de risco Fitch apontou em relatório que alguns bancos pequenos e médios brasileiros têm buscado recomprar dívidas abaixo do valor de face
Awazu fala em vigilância para assegurar convergência da inflação à meta em 2016
O diretor de Política Econômica do Banco Central, Luiz Awazu Pereira, afirmou nesta quinta-feira (24) que é preciso manter a vigilância para assegurar a convergência da inflação para a meta ao fim de 2016
Tombini diz que País passa por 3 ajustes importantes: externo, fiscal e monetário
Segundo o presidente, movimento é resultado de uma economia que está em contração, mas também do ajuste de preços, o que reduz a necessidade de financiamento do país em 2015
Câmbio e inflação presente dominam as previsões de 2016, segundo BC
Em estudo apresentado no relatório trimestral de inflação o BC resolveu investigar mais a fundo as determinantes das expectativas de inflação e a inércia inflacionária