Porto Alegre, segunda-feira, 25 de maio de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
13°C
16°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
167583
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
167583
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
167583
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Câmara dos Deputados 23/02/2015 - 18h39min

Cunha quer criar comissões para discutir pacto federativo e Lei das Licitações

Agência Brasil

RODOLFO STUCKERT/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
Cunha anunciou a intenção de criar as duas comissões especiais para debater os assuntos
Cunha anunciou a intenção de criar as duas comissões especiais para debater os assuntos

O pacto federativo e a Lei das licitações (8.666/93) deverão ser discutidos em comissões especiais da Câmara a partir da próxima semana. Nesta segunda-feira (23), o presidente da Casa, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), anunciou a intenção de criar, esta semana, as duas comissões especiais para debater os assuntos.

“É ideia minha criar comissões especiais para discutir o pacto federativo e rediscutir a Lei de Licitações. Precisamos debater a situação e avaliar o que fazer para modernizar”, afirmou.

Eduardo Cunha informou que, durante almoço com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, conversaram, entre outras coisas, sobre a pauta de votações, com destaque para o ajuste fiscal, pacto federativo, rediscussão da Lei de Licitações. “Debatemos um pouco a pauta, nada demais. Falamos de ajuste fiscal, pacto federativo, Lei de Licitações. Tratamos disso tudo. Diálogo normal”, disse o presidente da Câmara.

Sobre a votação do veto presidencial ao reajuste de 6,5% na tabela do Imposto de Renda de Pessoa Física, em sessão do Congresso Nacional, Eduardo Cunha explicou que conversou com o presidente do Senado e do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), e que a votação do dispositivo não será na sessão de amanhã (24), uma vez que o veto ainda não está trancando a pauta.

Cunha acrescentou que o veto possivelmente será votado na próxima semana. “A votação do veto da correção da tabela do Imposto de Renda provavelmente ocorrerá na próxima terça-feira (3). De qualquer maneira, o orçamento não será votado sem a apreciação do veto”, concluiu o presidente da Câmara.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Líder do PT na Câmara nega ter pedido saída de Cardozo e Mercadante
Sibá também sugeriu que os líderes tivessem com a presidente Dilma Rousseff uma conversa "franca" sobre o clima de impeachment na Casa e a reforma ministerial
Câmara aprova aposentadoria compulsória aos 75 para servidores
A PEC da Bengala, aprovada no Congresso em maio, aumentou de 70 para 75 anos a aposentadoria compulsória apenas dos ministros de tribunais superiores
Cunha defende manutenção de veto a reajuste salarial do Judiciário
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse hoje (23) que a Casa deve manter o veto da presidenta Dilma Rousseff ao reajuste de até 78% dos salários de servidores do Judiciário
Câmara aprova em segundo turno PEC do Pacto Federativo
O texto aprovado há pouco impede que a União repasse encargos aos Estados e municípios sem antes destinar verba própria para a realização