Porto Alegre, sexta-feira, 07 de agosto de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
25°C
13°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
218376
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
218376
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
218376
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ENERGIA Notícia da edição impressa de 30/01/2015

Aporte em biometano chega a R$ 160 milhões

Empreendedores desenvolvem três plantas com capacidade para 90 mil metros cúbicos ao dia do biogás

Jefferson Klein, de Triunfo

JOÃO MATTOS/JC
Produto, que usa resíduos orgânicos, ganha escala no Rio Grande do Sul
Produto, que usa resíduos orgânicos, ganha escala no Rio Grande do Sul

Pouco a pouco, a produção de biometano (biogás purificado), proveniente de resíduos orgânicos, começa a atingir escala comercial no Rio Grande do Sul. Além da expansão do complexo que o Consórcio Verde-Brasil (formado pelas empresas Ecocitrus e Naturovos) possui em Montenegro, a companhia Ecometano desenvolve outras duas unidades para fabricar o biocombustível nos municípios de Carlos Barbosa e Fazenda Vilanova. As iniciativas somadas absorverão um investimento de aproximadamente R$ 160 milhões.
De acordo com a gerente de planejamento de mercado da Sulgás, Jucemara Bock, as plantas significarão uma oferta de 90 mil metros cúbicos diários de biometano. O volume seria suficiente para abastecer toda Porto Alegre com gás natural veicular (GNV), utilizado como combustível para automóveis. O biogás também poderia ser aproveitado para outros usos como a geração de energia elétrica e térmica.

O representante da Ecometano João Paulo Coelho detalha que cada unidade que a empresa está desenvolvendo no Estado tem capacidade para produzir até 35 mil metros cúbicos ao dia de biometano e implicará R$ 70 milhões em investimento. Os empreendimentos contam com licenciamento ambiental e estão em fase de implementação. O gás produzido será injetado na rede da Sulgás e comercializado, em seguida, aos clientes da distribuidora, como, provavelmente, a Tramontina. Entre as matérias-primas para o biocombustível, serão aproveitados rejeitos agrícolas e dejetos suínos. Segundo Coelho, a meta é que os complexos iniciem a operação até meados de 2016.

Já a estrutura do Consórcio Verde-Brasil está operando com uma pequena produção em uma fase-piloto, de consolidação da tecnologia. O diretor da Ecocitrus Albari Gelson Pedroso explica que, atualmente, a unidade está fornecendo gás natural veicular para carros dos agentes envolvidos com o projeto. Também há um excedente destinado à geração de energia elétrica para consumo próprio. O biogás nessa planta é formado a partir de dejetos de aves poedeiras e de resíduos agroindustriais.

Para alcançar a escala industrial, com 5 mil metros cúbicos /dia de biometano purificado, o consórcio aguarda a segurança jurídica que o setor terá com a regulamentação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para a área. A resolução nesse sentido deverá ser publicada antes do final de março. Após essa confirmação, Pedroso adianta que em menos de um ano será possível atingir o patamar de 5 mil metros cúbicos e, posteriormente, o objetivo é alcançar 20 mil metros cúbicos. Até agora, foram investidos cerca de R$ 3,5 milhões no projeto e serão necessários mais R$ 17 milhões para chegar a esse pico.

O gás também será vendido para a Sulgás. A distribuidora, por sua vez, comercializará o produto sob a marca GNVerde para um posto que a ser instalado próximo à planta de biometano de Montenegro. Também fornecerá o biogás para um consumidor industrial situado na região, possivelmente, misturado com gás natural. Por enquanto, o diretor-presidente da estatal, Roberto Tejadas, prefere não revelar qual será o cliente.

O dirigente e diversos agentes envolvidos com o tema biogás estiveram, nessa quinta-feira, no polo petroquímico de Triunfo para a apresentação do ônibus abastecido com biometano que faz testes no Estado. A iniciativa foi resultado de uma parceria entre Consórcio Verde-Brasil, Sulgás, Scania e Braskem e contou com o apoio de Univates e Janus & Pergher.

Sulgás abrirá concorrência para comprar 200 mil m³

Comprovando seu otimismo quanto ao mercado de biometano, a Sulgás lançará em fevereiro uma chamada pública para adquirir 200 mil metros cúbicos diários do biogás. O número corresponde a quase 10% do volume de gás natural que a estatal gaúcha tem hoje assegurado com a Petrobras. A contratação do biometano deverá ocorrer em um prazo máximo de 24 meses.

O diretor-presidente da companhia, Roberto Tejadas, enfatiza que o mercado do biogás tem perspectivas gigantescas. O executivo acrescenta que a empresa está aguardando a regulamentação da ANP quanto ao biometano para desenvolver o plano de comercialização do GNVerde com seus clientes. Tejadas projeta que a venda iniciará ainda neste semestre e ressalta que, do ponto de vista técnico, os obstáculos foram superados. O dirigente comenta que não foi discutido o preço que será estipulado para o novo produto. “A opinião que temos é que o mercado poderia pagar um plus, mas hoje o biogás está, comercialmente, dentro dos padrões do gás natural”, diz o presidente, que passará o comando da Sulgás, na próxima quinta-feira, para Claudemir Bragagnolo, ex-secretário-adjunto da Secretaria de Infraestrutura e Logística.

A gerente de planejamento de mercado da Sulgás, Jucemara Bock, ressalta que a demanda por gás natural no Rio Grande do Sul está em constante crescimento, porém a capacidade de suprimento do gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol), que abastece o Estado, está praticamente esgotada. Por isso, a dirigente defende a produção distribuída de biogás, em pequena e média escala, como uma alternativa para diversificar a fonte de geração. Jucemara reitera que o biometano pode ser misturado com o gás natural para atender aos clientes industriais que têm demandas maiores.

A Sulgás prevê investimentos na ordem de R$ 250 milhões entre os anos de 2015 e 2019. Em dezembro de 2014, a distribuidora registrava 805 quilômetros de rede de gasodutos e para este ano deverão ser acrescidos 128 quilômetros. Em 2018, a estatal deverá contar com uma malha de aproximadamente 1,4 mil quilômetros.

Ônibus registra bom desempenho durante testes

O ônibus movido a biometano, que foi avaliado no ano passado no Paraná, nesse mês de janeiro realizou uma série de testes no Rio Grande do Sul. O veículo, produzido na Europa pela Scania, circulou diariamente entre as unidades da Braskem, no Polo Petroquímico de Triunfo. Segundo o diretor de Vendas de Ônibus e Motores da Scania, Silvio Munhoz, foram demonstradas a competitividade de custos e a boa performance do combustível, assim como o menor impacto ambiental quando comparado ao óleo diesel.

O executivo destaca que o objetivo da iniciativa foi promover a solução do biometano. O dirigente acrescenta que a tecnologia para aproveitar o biocombustível já existe. A questão agora é desenvolver escala, especialmente, de produção do biogás. Munhoz frisa que é possível perceber diversas ações tomando forma no País, com a perspectiva de usar inúmeras espécies de rejeitos orgânicos.

O veículo testado no Estado registrou um desempenho de 2,13 quilômetros percorridos por metro cúbico de biometano. O ônibus teria condições de rodar com o biocombustível ou com o gás natural de origem fóssil. De acordo com Munhoz, o ônibus movido a gás natural tem uma emissão de CO2 em torno de 30% inferior ao do veículo a diesel e esse percentual é de até 80%, se comparado com o biometano.

“O gás natural será uma ponte para depois chegarmos ao ideal que é o biogás”, projeta Munhoz. No entanto, o veículo a gás ainda tem um custo 20% a 25% superior ao convencional. O encarecimento deve-se, fundamentalmente, à adaptação dos tanques de armazenagem. Após finalizar a experiência no Rio Grande do Sul, a ação envolvendo o ônibus com biometano será replicada na cidade de São Paulo através de uma parceria com uma companhia de transporte de passageiros.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Decisão judicial a favor da Abrace implica nova alta na conta de luz, diz Aneel
Agência livrou associados da Abrace do pagamentos de parte dos programas do fundo setorial Conta de Desenvolvimento Energético
Ministério cogita queda de até 2% no consumo de energia em 2015
Pior cenário cogitado aponta retração mais acentuada do que aquela estimada pela Empresa de Pesquisa Energética em julho
Governo ainda não definiu modelo de pagamento de indenizações ao setor elétrico
De acordo com Aneel, a única certeza neste momento é a inviabilidade desse custo ser incorporado à tarifa
Cemig irá disputar suas 18 usinas em leilão de outubro, diz presidente
O presidente da Cemig disse que a companhia irá disputar as 18 usinas antigas que eram controladas por ela e que irão a leilão no dia 30 de outubro