Porto Alegre, quinta-feira, 21 de novembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
29°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,2027 4,2037 0,06%
Turismo/SP 4,1500 4,4080 0,18%
Paralelo/SP 4,1600 4,4000 0,22%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
711106
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
711106
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
711106
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

europa 27/01/2015 - 09h31min

Sobreviventes e representantes internacionais lembram libertação de Auschwitz

Agência Brasil

ODD ANDERSEN/AFP/JC
Sobrevivente de Auschwitz sai pela porta com a placa dizendo 'O trabalho liberta'
Sobrevivente de Auschwitz sai pela porta com a placa dizendo 'O trabalho liberta'

Trezentos sobreviventes do antigo campo de extermínio nazista de Auschwitz-Birkenau participam hoje (27) das comemorações do 70º aniversário da libertação do campo de concentração, data que lembra o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. A maioria dos sobreviventes de Auschwitz tem mais de 90 anos.

Além dos sobreviventes, representantes de mais de 40 países confirmaram presença nas cerimônias.

O nome de Portugal irá figurar em uma placa, descerrada durante as cerimônias, em que vão constar os vários países que apoiam a preservação das instalações do antigo campo de concentração e de extermínio.

Até há poucos dias, a lista de presença nas cerimônias, divulgada pelo Museu de Auschwitz-Birkenau, indicava 11 chefes de Estado europeus, entre eles os da Alemanha, França, Polônia, Áustria e Ucrânia.

A ausência do presidente russo, Vladimir Putin, marca os preparativos das comemorações que assinalam a chegada, em 1945, das tropas soviéticas ao complexo nazista. O Kremlin lamentou que Putin não tenha recebido um "convite oficial" para as cerimônias, tendo posteriormente confirmado que a Rússia estará representada pelo chefe da administração presidencial, Serguei Ivanov.

O evento conta também com os reis da Bélgica (Felipe e Matilde) e da Holanda (Guilherme Alexandre e Máxima).

Os Estados Unidos estarão representados pelo secretário do Tesouro, Jack Lew, e o Vaticano pelo cardeal polonês Stanis aw Dziwisz, que foi secretário pessoal do Papa João Paulo II durante 39 anos.

O campo Auschwitz-Birkenau foi construído pelas forças alemãs em 1940 para ser um lugar de encarceramento de cidadãos poloneses. A partir de 1942, o local transformou-se no complexo principal da política de extermínio do regime nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

Entre 1940 e 1945, mais de 1,1 milhão de pessoas morreram no local, a maioria judeus, mas também poloneses ciganos, prisioneiros de guerra soviéticos e prisioneiros de outras etnias.

Os nazistas iniciaram o processo de evacuação de Auschwitz em 17 de janeiro de 1945, quando estariam no campo de concentração cerca de 56 mil prisioneiros. Entre 9 mil e 15 mil pessoas morreram durante as Marchas da Morte da evacuação.

Dez dias depois, o complexo de concentração e de extermínio de Auschwitz-Birkenau, no Sul da Polônia (a cerca de 60 quilômetros de Cracóvia), foi libertado pelas forças do Exército Vermelho, da ex-União Soviética.

O Museu de Auschwitz-Birkenau foi aberto em 1947 nas instalações do antigo campo de concentração, que foi declarado Patrimônio da Humanidade da Unesco em 1979, passando a ser um dos principais símbolos do Holocausto em todo o mundo.

Atualmente, cerca de 1,5 milhão de pessoas visitam anualmente o museu.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Número de imigrantes que tentam atravessar túnel na Europa cai para 150
A proximidade da Inglaterra atrai há anos para Calais os imigrantes que tentam uma passagem para o Reino Unido
Comissão aprova 2,4 bilhões de euros para Europa enfrentar crise migratória
O anúncio da ajuda financeira ocorreu após reunião do governo grego, concluída no sábado (8), para discutir a crise migratória
O capitão Ali Malek e o integrante da tripulação Bikhit foram detidos
Erro pode ser causa do naufrágio no Mar Mediterrâneo
União Europeia decide suspender negociações com a Ucrânia
No mesmo dia em que 200 mil pessoas reuniram-se em protesto na Praça da Independência, em Kiev, capital ucraniana, a União Europeia (UE) anunciou que as negociações com a Ucrânia estão suspensas até que o país demonstre claro compromisso para firmar um acordo de cooperação comercial. A Ucrânia tem sido sacudida desde o final de novembro por manifestações contrárias ao presidente Viktor Yanukovich, que decidiu  privilegiar uma aproximação com a Rússia em detrimento da integração europeia