Porto Alegre, terça-feira, 10 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
35°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1300 4,1320 0,33%
Turismo/SP 4,0900 4,3400 1,13%
Paralelo/SP 4,1000 4,3300 1,14%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
400650
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
400650
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
400650
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

AGRONEGÓCIOS Notícia da edição impressa de 08/01/2015

Atraso de pagamento prejudica os produtores de leite no Estado

Marina Schmidt

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Em torno de 20 mil criadores de gado leiteiro têm valores a receber
Em torno de 20 mil criadores de gado leiteiro têm valores a receber

Mais de mil agricultores familiares que forneciam leite para a indústria Santa Rita Laticínios, de Estrela, devem receber, nesta semana, parte do valor devido pela empresa. Segundo o primeiro tesoureiro da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag), Nestor Bonfanti, foram realizadas duas reuniões com a indústria na terça-feira e na quarta-feira.

O primeiro encontro foi frustrado, já que a Santa Rita, que deve um total de R$ 3 milhões (referente à falta de pagamento nos meses de novembro e dezembro), sugeriu o pagamento de 20% do total da dívida, pago em três parcelas (nos dias 7, 22 e 30 de janeiro), proposta recusada pelos trabalhadores. No dia seguinte, as negociações evoluíram com a proposta de pagamento de 10% da dívida – acordada para ontem – e a realização de nova reunião na segunda-feira pela manhã para definir um novo cronograma de pagamento.

Bonfanti destacou que foi um avanço pequeno, mas que vai garantir que o pagamento imediato de uma parte da dívida (no caso de quem tem R$ 1 mil a receber, o pagamento da primeira parcela será no valor de R$ 100,00). Na proposta inicial, o valor de cada uma das três parcelas seria inferior a R$ 70,00. “Vamos ver se o pagamento previsto para esta quarta-feira foi concretizado e esperamos que a empresa apresente um cronograma prevendo o pagamento total do valor restante.”

O tesoureiro da Fetag ressalta que representantes da Santa Rita alegam que a empresa não está mais comprando leite para não elevar ainda mais a dívida, o que sinaliza para interrupção nas operações da empresa, pelo menos momentaneamente. O Jornal do Comércio tentou contato com a indústria mas não conseguiu retorno para confirmar a informação. “A notícia que se tem é de que estão tentando alugar, vender ou buscar investidores”, comenta Bonfanti. “O mais provável é que a partir da semana que vem outra empresa assuma a planta”, diz, ressaltando, no entanto, que para a Fetag o importante é o pagamento dos produtores e não os negócios da empresa. Ainda assim, não deixa de demonstrar preocupação com situação, que pode ser mais severa do que aparenta.

Só em relação aos agricultores vinculados à Santa Rita, o problema não pode ser minimizado. Muitas das famílias que forneciam matéria-prima para a empresa estão com dificuldades para entregar a produção de leite (que é diária e tem custo elevado) para outras fábricas. “Depois do final de dezembro, alguns estão entregando para outras empresas, mas outros tantos enfrentam dificuldades”, salienta. Em geral, os produtores entregam o leite para receberem o valor correspondente apenas 45 dias depois. “Então, é uma situação muito delicada mesmo e vai gerar um passivo social muito grande”, constata.

A Fetag estima que, em todo o Estado, em torno de 20 mil produtores têm valores a receber pela comercialização do leite. O presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do Estado (Sindilat-RS), Alexandre Guerra, afirma que “esta falta de pagamento pelo leite recebido dos produtores é um caso específico e não pode ser generalizado”. Para Guerra, a estagnação do mercado é sazonal. “É natural no fim do ano acontecer uma redução de vendas e, consequentemente, de preços. Nesse período, os supermercados estão envolvidos com as promoções de produtos natalinos, mas a situação deve se normalizar já em fevereiro.”

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Anele diz que projeto Brazilian Rice ajuda a exportar arroz beneficiado
Projeto para exportar arroz beneficiado será estendido
Valor projetado para setembro é de R$ 0,814 o litro, aponta Conseleite
Preço do leite registra leve queda no Rio Grande do Sul
Aumento da umidade nos próximos dias vai retardar semeaduras
Clima ameaça a produtividade e o plantio
Agricultores participantes têm orientações para melhorar a produção
Programa incentiva boas práticas no meio rural