Porto Alegre, quinta-feira, 28 de outubro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
927863
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
927863
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
927863
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

previdência Notícia da edição impressa de 30/12/2014

Governo altera acesso a programas sociais

Mudanças anunciadas ontem atingem abono salarial, seguro-desemprego, pensão por morte e auxílio-doença

O ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, apresentou ontem uma série de mudanças que o governo pretende fazer nos programas sociais abastecidos com recursos federais para, segundo ele, “corrigir distorções”. O governo vai alterar as regras para concessão de abono salarial, seguro-desemprego, seguro-desemprego do pescador artesanal (seguro defeso), pensão por morte e auxílio-doença. As medidas devem gerar uma economia de R$ 18 bilhões nas despesas da União anualmente a partir de 2015.

As mudanças serão publicadas ainda hoje no Diário Oficial, por meio de medidas provisórias elaboradas pelo Palácio do Planalto. De acordo com o ministro, as novas regras passam a valer apenas para futuros dependentes do sistema previdenciário público. “As alterações não se aplicam a quem já recebe. A lei não retroage. É daqui para frente”, disse. As propostas foram apresentadas ontem por Mercadante ao lado da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, do futuro titular da pasta, Nelson Barbosa, e do ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias.

Mercadante disse que a ideia do Palácio do Planalto com os ajustes nas despesas do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e da Previdência Social é se “adaptar à nova realidade do mercado de trabalho brasileiro”, reduzir a rotatividade, buscar um alinhamento com padrões internacionais e eliminar excessos. O ministro negou que as medidas anunciadas sejam impopulares. “Não concordo que necessariamente são medidas impopulares. Todos os programas estão sendo mantidos, estamos mudando regras. Os direitos trabalhistas, sociais e previdenciários estão garantidos.”

No caso do abono salarial, para ter acesso ao benefício, o trabalhado passará a ter de comprovar seis meses ininterruptos de trabalho com carteira assinada. Na regra atual, o abono é concedido com apenas um mês de contribuição. O valor do benefício, que hoje é de um salário-mínimo, passa a ser proporcional ao tempo de serviço, como já acontece com o 13º salário.

O governo também alterou as regras de concessão do seguro desemprego. Para ter acesso ao benefício serão necessários 18 meses de trabalho com carteira assinada e não mais seis meses. Para a segunda solicitação do seguro, o trabalhador deverá ter contribuído por 12 meses com o INSS. Já no terceiro acesso ao seguro, o trabalhador terá de ter ocupado um emprego formal pelo mínimo de seis meses.

De acordo com Mercadante, a mudança ocorre para corrigir a distorção gerada pela entrada de jovens no mercado de trabalho, cuja rotatividade é maior. “Há uma distorção no programa, com 74% sendo pago para quem está entrando (no mercado), os mais jovens, que são mais dispostos a mudar de emprego”, disse.

Mercadante também anunciou alterações na concessão do auxílio-doença, que não se aplicam aos atuais beneficiários. O Palácio do Planalto determinou o aumento do prazo de afastamento pago pelo empregador antes do início do pagamento do auxílio-doença pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), de 15 para 30 dias para segurados empregados. Também será fixado um teto no valor do auxílio-doença, equivalente à média das últimas 12 contribuições.

No seguro defeso, pago ao pescador artesanal no período em que ele não pode pescar para garantir a reprodução dos peixes, as mudanças são mais profundas. Segundo Mercadante, o governo constatou irregularidades na concessão do benefício. “Foi identificado acúmulo, com pessoas que recebem dois, três salários”, afirmou. Agora, os pescadores não poderão receber o seguro defeso se já forem beneficiários de outros programas sociais, como o Bolsa Família. Eles precisarão ter pelo menos três anos de registro como pescador artesanal. Terão de comprovar comercialização de pescador ou pagamento de contribuição previdenciária por pelo menos 12 meses. A concessão do salário-mínimo do benefício será avalia por um comitê gestor.

Pensão por morte recebida pelo cônjuge passará a exigir casamento ou união estável de dois anos no mínimo

Na mudança das regras para concessão da pensão por morte recebido pelo cônjuge, após o falecimento do marido ou da esposa, o principal foco, segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, é evitar “casamentos oportunistas”. Se aprovado, o benefício será pago apenas para pessoas cujo casamento ou união estável seja no mínimo de dois anos. “Há hoje casamentos oportunistas, com pessoas muito velhas casando com pessoas muito jovens para passar o benefício”, disse.

Segundo Mercadante, a partir da nova regra, não será possível “casar de última hora para passar o benefício, como acontece hoje com casamentos oportunistas”. De acordo com o ministro, o gasto com a pensão cresceu de R$ 39 bilhões, em 2003, para R$ 86,5 bilhões, em 2013. “Isso representa 3,2% do PIB”, comparou.

O pagamento da pensão também passará a considerar o tempo de vida do cônjuge beneficiado com o auxílio. No caso de pessoas acima de 44 anos, o benefício será concedido de forma vitalícia. Beneficiários abaixo de 43 terão direito à pensão por um período que varia entre 15 e 3 anos, sendo sempre menor o tempo de concessão para os mais jovens.

O valor a ser recebido será de 50% do salário-benefício para o cônjuge, seguido de acréscimos de 10% por dependente até poder completar 100% do total do vencimento. O benefício mínimo segue sendo de um salário-mínimo por pensão.

As novas regras, contudo, só valerão para pensões futuras. Os benefícios atualmente concedidos não serão enquadrados nas mudanças apresentadas ontem pelo governo.

COMENTÁRIOS
ANDREIA CAMILO DOS SANTOS - 30/12/2014 - 11h28
Acho incrível que tudo que é para ferir os direitos do trabalhador é aprovado da noite para o dia. Por que também não aprovam regras mais duras nos benefícios concedidos à eles, exclusão de outros absurdos, mais rigor nos casos de corrupção, diminuição dos altos salários que eles recebem e acabaram de aprovar novos aumentos... Isso eles nem discutem. Precisamos ficar de olho


Carlos -
30/12/2014 - 12h15
Trabalhador mesmo, não se importa com isso!


Denison -
30/12/2014 - 12h22
Isso é um absurdo, cadê a OAB-PE que ainda não se manifestou sobre o caso, exitem irregularidades sim, mais e no planalto é não nos trabalhadores,eles gastam demais e a população tem arca com prejuízos até quando?Agora te pergunto; vc trabalhador(a) pai mãe de família que paga seus impostos corretos, que se desemprega ou acidenta e precisa de dos benefícios ai vai ter que esperar 30 dias para fazer a perícia e correndo o risco de no dia não ser atendido e ser reagendado pra 3meses depois e justo


marlyson washington alves calixto montenegro -
30/12/2014 - 12h23
O problema de tudo isso esta nos eleitores que se vende por migalhas e esquecem que o poder emana do povo que por sua vez são passivos.


BENIGNA DANTAS -
30/12/2014 - 12h33
A minha pergunta vai para o ministro, essa nova regra vale também para os governadores, senadores, e alguns funcionários públicos em fim toda essa corja que finge que trabalha e se aposenta com poucos anos de trabalho anos de trabalho


Luana Lopes -
30/12/2014 - 12h35
Pacote de medidas para redução nos gastos do governo, cadê? Estão querendo economizar só de um lado, quando na verdade o governo deveria dar o exemplo e cortar primeiro na pele dos governantes e legisladores.


Danilo -
30/12/2014 - 12h57
Acabou a festa da galera que vive desses auxílios.


carla -
30/12/2014 - 13h01
que vergonha.se acontecer de me casar e depois de 1 ano meu esposo morre, vou morrer de fome ou viver no limete, não é. isso é um absurdo, falo a respeito de pensão por morte. só uma pergunta ta valendo p/ os srs. tambem?


Derli Antonio borba -
30/12/2014 - 13h25
e como fico nessa fui mandado embora dia 19/12 recebi o fundo de garantia dia 23/12,aí todo mundo de recesso e como vai ser agora?


Erinaldo Sanches Nascimento -
30/12/2014 - 13h36
Não podemos confundir os direitos dos trabalhadores com o Congresso e Judiciário. Eles legislam em causa própria com recursos que são conferidos a eles legalmente pela constituição. Eles têm direito a uma porcentagem da arrecadação nacional e fazem dela o que bem entendem. Por isso ganham tanto. A Constituição lhes assegura isso. Como nas AL e Câmaras municipais.


tais -
30/12/2014 - 13h44
se querem reduzir gastos porque não começaram com as despesas pagas aos governantes do pais,o povo merece respeito


Alessandra Lins -
30/12/2014 - 13h57
Se sentindo enojada com tudo isso, nossa o nosso país vai de mau a pior. É vergonhoso isso, a culpa disso tudo é o povo, que troca seu voto por centavos...Brasil um país de todos..."De todos os ladrões".


EDIVANIA KATIA DA SILVA -
30/12/2014 - 14h08
É ao em vez desse dinheiro ir para os desempregados que são demitidos sem justificação nenhuma para os bolço desses políticos corrúptos até parece que recife tem esses empregos todo e ainda por cima pagam um salário miserável.


Ed -
30/12/2014 - 14h08
Porque não cancela esse bando de bolsa vagabundagem?


juliana -
30/12/2014 - 14h31
Já que eles querem corta gastos, que eles comecem pelo salários deles.Pós recebem muito bem e quanto isso a população que tem que sofrem com o descaso deles. Gastam uma nota preta pra mate Assembléia Legislativa, planalto entre outros órgão públicos, mas esses gastos eles não mexe só mexem com os benefícios da po´pulação mais humilde. Tiram de nós mas não investe na educação na saúde aonde estamos em estado de calamidade. Esse governastes estão com descasos com os mais humildes é dai pra pior.


Glauber -
30/12/2014 - 14h39
Mecher no Salário deles eles não querem né?aliás,fizeram foi aumentar!e para compensar,mechem no da população!


Alexandra Paese Piazzon -
30/12/2014 - 14h44
Engraçado... não muda nada para as pensões de militares "que passa de pai pra filho, pra neto e assim por diante", também para políticos, etc.. a regra teria que mudar para todos, não acham???Também conheço muitos agricultores que recebem auxilio da pesca e ainda "ranchos", e que nunca foram pescadores na vida.. è tudo muito errado.


Liliane Cavalcante -
30/12/2014 - 14h49
Acho realmente incrivel a aprovação ligeira destas medidas, mas o salário deles vai aumentar e então isso não pode ser revisto também. E, outra essa economia é pra que mesmo. Outras coisas devem ser vistas como ainda o auto indice de pessoas que passam fome e vivem na miséria por causa da indiferença e falta de bom senso dos nossos politicos.


Renato Cabral -
30/12/2014 - 15h06
Somos Partes da desgraça do Brasil? Politicos Recebem salarions milionarios para fingirem que estão trabalhando e nós que temos que estamos realizando o gasto?, hoje sonho com o dia que poderei sair do Brasil.


fabiana coelho -
30/12/2014 - 15h12
E É ASSIM? RESOLVEM COMO QUEREM VAMOS PARA AS RUAS AVANTE A REVOLUÇÃO!!!!!


Emanuelle -
30/12/2014 - 15h24
Acho que diminuindo os salários absurdos dos políticos iria gerar uma economia bem maior nas despesas do Brasil...


Juliano Ortiz -
30/12/2014 - 15h26
Nem sei se meu comentário vai ser lido, ou não. Mas falar de pensão, de casamento por interesse? O que dizer das pensões pagas à viúvas de Brigadeiros, Almirantes e Generais? Ou que dizer de pensões pagas a viúvas de políticos ex-presidentes? Façam-me o favor!


ALek -
30/12/2014 - 15h52
ABSURDO, o trabalhador só serve para votar(igual a burro). Em 2001 só declara imposto de renda quem ganhava acima 1.350,00 R$ mais ou menos 8 salários mínimos.Depois de mais de 13 anos o valor e de mais ou menos 1.700,00 R$. Ou seja, em breve quem ganha salário mínimo também pagara IR. Os PeTralhas acabando com a economia dos pobres e do Brasil.


Luciene Chaves -
30/12/2014 - 16h01
Com relação ao seguro desemprego concordo plenamente. Quem trabalhou, ou trabalha em grandes empresas sabe bem o que é turnover, gente que trabalha 6 meses e faz gato e sapato para ser demitido e ficar recebendo seguro desemprego. Nós reclamamos tanto da corrupção, malandragem, mas compactuamos com malandragem em todos os níveis. Se vc quer mudança, seja a mudança!


Lucas -
30/12/2014 - 16h44
Não entendo nada dessas coisas de politica, mas li em um site assim "As novas regras passam a valer logo após a publicação, mas precisam ter a validade confirmada pelo Congresso Nacional no prazo de até 120 dias" Isso quer dizer que ainda não foi totalmente aprovado a questão do seguro desemprego?


Felipe -
30/12/2014 - 17h25
No país do pleno emprego é um absurdo que exista pessoas recebendo seguro desemprego. É difícil entender como antes havia desemprego, não havia seguro desemprego nem esse monte de bolsas e a criminalidade era menor, as crianças aprendiam algo nas escolas e começavam a trabalhar com 12 ou 13 anos....a vida já foi bem melhor.


Joao Renato -
30/12/2014 - 17h25
Por Causa , Esta Lei Trabalhista injusta cade poder Judiciario gente , isto gerou prejuízos de empregos , quase niguem vai trabalhar ...que DO PT DANCOU


Márcia -
30/12/2014 - 17h26
Eu não tenho muitos conhecimentos nessa área não mais , percebo que o trabalhador esta cada vez mais sem direitos e pior estão fazendo isso na cara de todos e com a cara mais lavada do mundo , querem tirar de quem já não tem , quem vive de pensão não vive porque que não gente o que e um seguro pra um pobre assalariado que rala feito um condenado todos os dias oito , nove dez horas por dia tendo que se submeter-se a humilhações e dificuldades , essas lei vai beneficiar apenas os patrões que vão


cleo pimenta -
30/12/2014 - 17h27
E a PETROBRAS?


ADRIANA -
30/12/2014 - 17h39
Caramba quando isso vai mudar o povo sempre paga a conta e nós aqui sem defesa é o fim dos tempos mesmos daqui a pouco vamos ter que trabalhar por umas migalhas para matar a fome dos nossos filhos a escravidão esta voltando e ninguem pra fazer nada. Mas agora os escravos são os mais humildes os governantes são o senhorio inatingíveis nós logo estaremos em senzalas apostem....indi guinada.


sandro soares de la vega -
30/12/2014 - 17h46
que legal eles deveriam abaixar seus sala´rios tb já que temos que cortar gastos. e foi bem ao contrário o que os deputados federais fizeram..já aumentando seus benefícios...são todos uma cambada de mercenários. mesmo. é uma vergonha o povão não tem nem saúde decente e eles só pensam em ganharem mais e mais. bora pra rua quebra tudo.


edson -
30/12/2014 - 18h05
pede para esses politicos que aprovaram essas leis faserem uma cota no salario deles nao de muito apenas 200 reais e vejam só o que acontesse. eu nao tenho medo de trabalhar mas tenho medo do que estar por tras dessas decisoes.presidenta toma vergonha na cara e ajude o probre trabalhador que trabalha o mes todo para ganhar 780 reais quanto na camara se ganha milhares.fica minha idiginação.


Cássia Bianca -
30/12/2014 - 19h38
A partir de quando começa a vigorar? A partir da promulgação (hoje) ou a partir de 1 de janeiro? Pessoas que ficaram desempregadas antes da promulgação também estarão nessas mudanças?


Volnir Aloisio Steffen -
30/12/2014 - 20h21
eu não votei no PT (partido dos trabalhadores?)parece piada! mas é verdade, tudo para pagar os furos da copa e da Petrobras, esperem trabalhadores orgulhosos que contribuem com mais de 10% do seu suor para o INSS. Depois das olimpiadas vem coisa pior!


Joelson -
30/12/2014 - 20h45
Pq nao reduz a carga horaria tb?


mauro roberto -
30/12/2014 - 21h04
mais uma vergonha deste governo.no que diz respeito aos beneficios deles nada precisa mudar,ganham tão pouco estes miseraveis.


Adeilton dos Santos -
30/12/2014 - 21h19
Que farra ?, farra e em Brasília.


Luciano Charthorbriand -
30/12/2014 - 21h59
será que essas regras também vale pros ministros, governadores, senadores e etc... todos os que roubam o nosso dinheiro.? eu acho que essa forma de economizar os gastos, é pra juntar pra eles mesmos, roubarem de nós trabalhador sofredor.!


Selma -
30/12/2014 - 22h08
A polica do Brasil e oara os espertos, que levam o Brasil para o baixo nível.Paises de primeiro mundo não há vereadore, Pq precisamos deles ? Enquando o povo não aprender a votar e vender seus votos so teremos os ladroes, trapaceiros e dos espertíssimos palhaços que tiram votos rindo ..elegeram ate palhaço... Mas os verdadeiros palhaços são os que votam, o povo, que e roubado por ladroes de gravatas.


Reginaldo -
30/12/2014 - 22h18
Estão acabando com o resto do Brasil, se é que ele ainda existe


Paula Cleovan -
30/12/2014 - 22h26
E as noticias boas? tem que existir alguma coisa boa, se tira alguma coisa e se coloca outras, neste caso só foi tirado....reduz a carga horaria do comercio para que os pobres possam estudar, e a Petrobras, e não existe uma outra maneira de fazer uma economia aos cofres publicos? :(


Eliana -
30/12/2014 - 22h26
Abaixa 10% o salario dos políticos que ai vcs vão ver oque afunda o Brasil esses lixos de governantes , oque for para prejudicar o povo e aprovado rapidinho , meu marido a vida toda pagou INSS agora morreu devido a grave doença que ele tinha não pode mais trabalhar passava mais tempo em hospital que em casa , por ele não pagar o INSS por mais de um anos eu e meu filho de menor não vamos receber nada , ai pergunto e os anos que ele pagou ficará para quem ! ando de canalhas !


Fernanda -
30/12/2014 - 22h27
Palhaçada!!! Quer dizer então que se meu esposo falecer hoje, não terei direito a pensão vitalícia, pois ainda não tenho 44 anos, tudo pois o governo quer economizar! Sim de alguém tem que tirar para cobrir o rombo da Petrobras e tantos outros!!! Aplausos aos nossos governantes!!!


Ana Lobo -
30/12/2014 - 22h45
Concordo com mudanças que necessárias em algumas àreas, mas se o governo quer cortar gastos, pq, está criando mais ministérios? Isso é uma Vergonha !


Edinalva Costa -
30/12/2014 - 23h31
Mal termina o ano, já vai começa 2015 cheio de mudança, que absurdo o trabalhador(a) e só o que sai perdendo...


mauricio -
31/12/2014 - 00h04
agora td isso pq a população aceita vamos sair nas ruas vamos revindicar nossos direitos eles alam isso pq ganham uma fortuna e n precisam dessa esmola que nos é dada n cruzem os braços diante desses ladrões de colarinho branco acorda brasil desgraçado


aline -
31/12/2014 - 00h54
cada dia que passa a situação piora VERGONHA!!


carlos -
31/12/2014 - 00h58
acabou a pouca vergonha do seguro desemprego,sujeito trabalha 6 meses e depois desacata todo mundo para ser mandado embora isso no quinto m~es... kkk acabou! aleluia... mais respeito com o empregador.


adyneusa -
31/12/2014 - 01h47
Acho justo as medidas, não prejudica o trabalhador, apenas ajusta algumas regras que havia disperdícios. Quanto aos governadores, deputados, senadores, eles mesmos que se dão aumento e benefícios, porque não tem nossa participação, como uma reforma política ia nos dá, e eles vetaram. A União faz ajustes devido ao desperdício e o momento que passa o país.


André -
31/12/2014 - 07h40
É infelizmente todo mundo já sabia que isso ia acontecer e assim mesmo votaram na Dilma. Bilhares gastos com construções de estádios que os pobres não entram, bilhões desviados na petrobrás, corrupção seguida de corrupção o povo esperava o quê? Essa cambada de vagabundo que votou na Dilma deveria ir era pra escola estudar e deixar de se iludir com uma porcaria de Bolsa Ismola


André -
31/12/2014 - 07h43
Vamos reivindicar para que todos os que participaram dos desvios na petrobrás devolvam esses 10bilhões que eles roubaram para não cair na nossa conta


william rodrigues -
31/12/2014 - 08h20
Que tal abaixarem seus salarios tambem,imagine só como ficaria nossa economia. Mas nao tem q diminuir o do trabalhador para aumentar de vcs politicos safados.corat meu salario tmbm!!!!!!


Maria José Barbosa da Silva -
31/12/2014 - 08h21
Nossa, Isso é um absurdo!!!. Obviamente que existem irregularidades, mas precisam ser analisadas. ( Quer dizer que se meu pai morrer agora minha mãe não recebe nada; Isso porque não é casada legalmente com ele á pelo-menos 2 anos ? ). Se tudo isso, é com a intenção de reduzir gastos, poderiam começar reduzindo o salários desses '' GOVERNANTES'' (por sinal exorbitantes). O mais engraçado de tudo isso é que a lei não muda para todos.


Wilma Cristo -
31/12/2014 - 10h08
A cada dia se percebe o grande descaso dos governantes com a maioria, e a maioria por sua vez o qual tem o poder nas urnas, não tem conhecimento, não utiliza do poder que tem nas mãos. O povo padece por falta de conhecimento.?Quando o Justo governa o povo se alegra, mas quando o ímpio domina o povo geme.? Provérbios 29:2 e sendo assim nos resta trabalhar, trabalhar, pagar, pagar e pagar cada dia mais impostos nesse País chamado Brasil!!


ELIFABIO -
31/12/2014 - 12h30
O ESGOTO DO PAÍS SE CHAMA DILMA..... SÓ FAZ ....SE PREPAREM POIS É DE MAL A PIOR.


Amanda -
31/12/2014 - 12h35
Parabéns!!! só quem não gostou foram os que dizem ser trabalhadores e entram nas empresas para receber seguro desemprego, pintam e bordam e os empresários só se dão mal. ninguem mais quer trabalhar pq é mais facil receber do governo para ficar em casa. tem que mudar mesmo. tinha que ser pior, em qualquer situação só receber depois de 12 meses. agora quero ver neguinho trocar de empresa como troca de roupa. !!!


PC -
31/12/2014 - 17h10
Essas regras tem que valer para o governo em geral, principalmente os deputados e vereadores que aumentam seus próprios salários!


OCIMAR AUGUSTO KAEFER -
31/12/2014 - 18h57
Minha opinião sobre o seguro desemprego, deveria ser extinto, para acabar com oba-oba e com isso muitos ficariam mais atentos e teriamos mais profissionais capacitados, pois iriam pensar bem antes de começarem a ter atos que custassem seus empregos. Na modalidade atua, sabem que recebem o seguro desemprego e estão com o sustento garantido por outros trabalhadores que são dedicados e honestos. Extinguir seria a melhor atitude.


KARLA HOPPE VIEIRA CUNHA -
31/12/2014 - 21h06
EU GOSTARIA DE SABER QUANTO ANOS AS MULHERES E OS HOMENS APOSENTAM.


alfredo jose leao dos santos -
31/12/2014 - 22h52
esperamos que isso nao seja aprovados pelos politicos eleitos e reeleitos na câmara e no senado e que a Dilma tenha vergonha com essa proposta ridicula anuciada pelo aluiso mercadante, caso isso seja aprovado o povão tem que invadir brasilia e expulsar todos de la. isso é uma verdadeira falta de ética desses politicos que fizeram essa proposta ridicula para prejudicar o povo brasileiro, lembrando a eles que todos vao pra debaixo da terra quando morrer e nada vai levar.


gil -
31/12/2014 - 23h59
Isso eu já sabia... Só lamento para quem apoiou a reeleição.


Raquel -
01/01/2015 - 10h58
Deveria é acabar com o auxílio-reclusão, vagabundos bebendo e comendo por nossa conta e ainda a família recebe por eles estarem lá.


Francisco -
01/01/2015 - 11h03
Engraçado esse nosso governo,paga auxilio moradia,auxilio paletó,combustível,viagens e varias outras mordomias aos nossos queridos parlamentares,e vem pra nós e dizem que o que causa impacto na economia do país são os benefícios concedidos a nós trabalhadores comuns,com a quantidades de riquezas de nosso país,se não houvesse tanto descaso e roubalheira com nosso dinheiro,certamente seriamos um dos melhores países para se viver,infelizmente isso ao acontece.


ELIENE -
01/01/2015 - 12h04
tiro chapéu para todos que deu seu voto para dilma,agora vão reclamar de quer, agora não chore parabéns ,salario deles e todos seus beneficios da DILMA LULA EM FIM DE TODAS SUAS gamgem estão em ordem ,agora todos beneficios dos pobre tem que se ferra, ela não tira bolsa familia do nordestino porque ela so ganha lá mesmo quero mais muito maissssss kkkkk fais mais DONA DILMA APROVEITA COM OS SEUS GOLPE ME DA UMA AJUDA DUVIDO VOCE TER CORACAO ME DA UMA CASA PROPIA


Carlos Henrique Santos -
01/01/2015 - 15h59
desejaria saber o que essas pessoas fizeram o vão fazer com toda lavagem de dinheiro..."VERGONHA NACIONAL" VÃO DEVOLVEREM LIMPOS...OU QUEM SABE SERÁ MAIS UMA HISTÓRIA CONTADA DE ERA UMA VEZ...FATO.TENHO NOJO DE TUDO ISSO E VERGONHA DESSE PAÍS.


josiane barros -
01/01/2015 - 16h00
Que engraçado pra aumentar o salário de deputados, governadores, senadores e presidente não pensam em quanto estão lesando o brasil agora quem trabalha ai lesa os cofres publicos pq recebem seguro desemprego, auxilio doença ou pensão por morte. É uma vergonha esse pais cada vez fica pior.


Enilson -
01/01/2015 - 16h32
Quem apostou na reeleição...levou a pior!!!


rosa santos -
01/01/2015 - 17h00
Eu juro que não etou acreditando no que estou lendo, isso é um absurdo,gente presisamos fazer alguma coisa pois a coisa vai ficar horrível pois feia já esta.acorda brasil.


Maria Goretti Sousa Almeida -
01/01/2015 - 20h04
Isso é um cumulo enquanto atinge um pobre trabalhador. Os deputados estão querendo um aumento absurdo no seus salário. PT adeus vocês nunca mais verem meu voto.


dilma presidente -
01/01/2015 - 22h48
nao acredito que tao querendo fazer este tipo de coiza


Irineu -
02/01/2015 - 13h32
Achei ótima a medida,principalmente no seguro desemprego.,pois tenho ME. e estava sofrendo muito com isto!


mario -
02/01/2015 - 13h44
Eu Acho que essa medida e boa...! mas ja que eles estao apertando o cinto para o trabalhador, deveria ter leis que poe na cadeia os mensaleiros, os ladroes da petrobras, e o s ladores do PT..! ou sera que essa medida e pra sobrar mais dinheiro pra eles roubarem ?


Elisberta -
02/01/2015 - 15h38
estou indignada com tantos absurdos que vem acontecendo na política,,, precisamos rever o sálarios de dos DEPUTADOS, GOVERNADORES, PRESIDENTES, PREFEITOS, SENADORES, E PRECISAMOS REVER OS AUXILIOS QUE ELES TEM...


helena -
02/01/2015 - 17h33
um absurdo poq nao tira essa bouça esmola enao da salario digno pra todo os trabalhadores


Marta Maria Correa Loula Nunes -
02/01/2015 - 20h27
Eu acho que os políticos deveriam começar a cortar os benefícios e os altíssimos salários concedidos a eles mesmos. Mas infelizmente é a classe menos favorecida que é atingida. É revoltante!!!


reinaldo donato da cunha -
03/01/2015 - 03h40
dale dilminha, só assim o povo vai ver que o governo atual ta prejudicando pai de família e a sociedade de homens e mulheres trabalhadores... dale PT.


jose camilo alves filho -
03/01/2015 - 13h07
isso e absurdo,pouca vergonha salario minimo de 788,00 e deputados dobrando salarios deles,ainda bem que nao votei para nimguem e nem voto


Leandro -
04/01/2015 - 02h03
"Parabéns!!! só quem não gostou foram os que dizem ser trabalhadores e entram nas empresas para receber seguro desemprego, pintam e bordam e os empresários só se dão mal. ninguem mais quer trabalhar pq é mais facil receber do governo para ficar em casa. tem que mudar mesmo. tinha que ser pior, em qualquer situação só receber depois de 12 meses. agora quero ver neguinho trocar de empresa como troca de roupa. !!!" se o próprio governo pode ter essas regalias porque nõs não podemos? MERCADANTE NÃO


Michel -
04/01/2015 - 23h47
Em relação ao pagamento de pensões , o texto é confuso e impreciso: só fala de está acima dos 44 anos e abaixo dos 43, ou seja, para quem tem 44 ou 43 anos a regra fica inalterada ? vcs precisam de um revisor urgente, a cada dia mais erros primários, típicos de semianalfabetos.


PAMELA KETINE -
05/01/2015 - 01h10
Deveriam começar reduzindo o salário deles!!! isso é uma palhaçada,acordaaaaa BRASILLL!!!!


anderson yoshi -
05/01/2015 - 11h49
o povo tem o governor que merece... votaram nesta miseravel ditadora por causa de sua propia barriga... foram comprados com o famoso pão e circo. nao adianta ficar 4 anos reclamando do governo chega na eleição e votar no PTLIXO.


Solete Marlise de Queiroz -
05/01/2015 - 15h05
Alguem tem que pagar p pato e sempre sobra pros trabalhadores

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Previdência aberta soma R$ 46,3 bi em contribuições no 1º semestre, diz Fenaprevi
As contribuições para planos abertos de previdência somaram R$ 46,3 bilhões no primeiro semestre do ano, crescimento de 28,4% ante igual intervalo do ano passado
Reajuste do salário mínimo elevará em R$ 40 bilhões gasto da Previdência em 2016
A regra que estabelece o valor do mínimo prevê reajuste com base na variação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mais o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes
Governadores do Nordeste vão propor modelo de previdência complementar
Os nove governadores do Nordeste vão propor ao Ministério da Previdência Social um modelo de previdência complementar para reduzir o deficit dos estados na área
PF faz operação contra fraudes de R$ 12 milhões na Previdência
Operação Trânsito desmonta organização que fraudava a Previdência Social com auxílio de servidores públicos, advogados e profissionais da área da saúde