Porto Alegre, quinta-feira, 28 de outubro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
342578
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
342578
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
342578
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

transportes Notícia da edição impressa de 11/12/2014

Mapa do IBGE aponta ‘vazios logísticos’ no Norte e no Nordeste

ANTONIO SCORZA/AFP/JC
Floresta amazônica conta apenas com os sistemas no entorno das hidrovias Solimões-Amazonas e Madeira
Floresta amazônica conta apenas com os sistemas no entorno das hidrovias Solimões-Amazonas e Madeira

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o Mapa de Logística dos Transportes. O estudo é o primeiro documento oficial a reunir a localização de todos os modais de transportes e infraestruturas utilizados pelo País para a distribuição de mercadorias, como terminais alfandegados e armazéns, por exemplo.

No comunicado sobre o trabalho, o instituto confirma que as rodovias têm uma forte predominância sobre os outros modais brasileiros, com 61% do transporte de carga, e estão concentradas na região Centro-Sul do País, com destaque para São Paulo. O trabalho aponta um “vazio logístico” em outras regiões, diz o estudo.

“É interessante notar alguns ‘vazios logísticos’ onde a rede de transporte é mais escassa, como o interior do Nordeste; a região do Pantanal, excetuando-se a área de influência da hidrovia do Paraguai; e o interior da floresta amazônica, à exceção do entorno das hidrovias Solimões-Amazonas e do Madeira”, afirma o comunicado.

O trabalho concluiu que o crescimento econômico e o aumento do mercado interno estão gerando uma demanda crescente por melhorias nos sistemas de transportes de cargas para diminuir os custos logísticos e tornar a produção nacional mais competitiva no exterior e mais acessível ao mercado interno.

O mapa se utiliza de dados já disponíveis em outros órgãos públicos e instituições do setor, como a CNT (Confederação Nacional dos Transportes). Ele aponta as principais infraestruturas e mostra também alguns fluxos de mercadorias, como os da aviação de carga. Um dos destaques do IBGE é para a infraestrutura do estado de São Paulo, considerada bem distribuída no território.

“Com efeito, esse estado é o único a apresentar uma infraestrutura de transportes na qual as cidades do interior estão conectadas à capital por uma vasta rede, incluindo rodovias duplicadas, ferrovias e a hidrovia do Tietê”, afirma o trabalho.

Um dos destaques do estudo é o mapeamento de dois elementos pouco estudados da logística no País, que são os armazéns de grãos e as estações aduaneiras internas, os chamados portos secos. Segundo o comunicado, a intenção da pesquisa é “contribuir para a análise e construção de uma nova geografia do País, a partir do entendimento da logística dos transportes de cargas e de pessoas enquanto dimensões estruturantes da rede urbana brasileira e das conexões intrarregionais que articulam o território nacional”.

Quase a metade dos portos secos do País estão em São Paulo

O estado de São Paulo concentra quase a metade dos portos secos do País, segundo o mapa mural “Logística dos Transportes no Brasil”, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Das 62 estações aduaneiras de interior de todo o Brasil, 28 delas estão situadas em cidades da Região Metropolitana paulista ou no seu entorno.

Os portos secos são instalados próximos às áreas de expressiva produção e consumo e contribuem para agilizar as operações de exportação e importação de mercadorias. As regiões Nordeste e Norte têm apenas duas estações aduaneiras de interior cada: em Recife e Salvador; e Belém e Manaus. A região Sul tem 11 cidades com portos secos, enquanto o Centro-Oeste possui três.

Segundo o estudo, a fronteira brasileira com a Argentina, Paraguai e Uruguai registra as interações mais dinâmicas com os países vizinhos, havendo, portanto, maior ocorrência de postos da Receita Federal e de cidades-gêmeas. Os três países compõem o Mercosul junto com o Brasil desde a sua criação.

Quanto aos portos brasileiros, eles servem primariamente à exportação de commodities, principalmente soja, minério de ferro, petróleo e derivados. Quanto à movimentação de soja, destacam-se os portos de Itacoatiara (AM), Paranaguá (PR), Rio Grande (RS), Salvador (BA), Santarém (PA), São Francisco do Sul (SC) e o porto de Itaqui (MA).

Já os combustíveis e derivados de petróleo se sobressaem em diversos terminais do Nordeste, especialmente Aratu (Candeias - BA), Itaqui (MA), Fortaleza (CE), Suape (Ipojuca - PE), Maceió (AL) e São Gonçalo do Amarante (Pecém - CE).

Os portos que mais movimentam minério de ferro são os terminais privados de Ponta da Madeira, da Vale, em São Luís (MA), e de Tubarão, em Vitória (ES). Enquanto o primeiro recebe principalmente a produção da Serra de Carajás, no Pará, o segundo está associado à produção do estado de Minas Gerais.

O porto de Santos (SP) concentra a maior quantidade de carga movimentada no País e opera, em grande escala, carga geral armazenada e transportada em contêineres. O porto paulista é usado para o escoamento da produção nacional com maior valor agregado, que segue tanto para outras regiões do País quanto para exportação, e para desembarque de mercadorias, pela proximidade ao maior centro consumidor do País, sobretudo a Grande São Paulo.

Paulistas têm ‘vasta rede’ de infraestrutura

Aeroportos do Rio de Janeiro e de São Paulo têm a maior movimentação de passageiros e de cargas de alto valor agregado. CLAYTON DE SOUZA/AE/JC

São Paulo também é o único estado brasileiro com uma infraestrutura de transportes que conecta as cidades do interior à capital por uma vasta rede, que inclui rodovias duplicadas, ferrovias e a hidrovia do Tietê, segundo o mapa mural “Logística dos Transportes no Brasil”, preparado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estado ainda posui o maior aeroporto (Guarulhos) e o porto com maior movimentação de carga (Santos) do País.

As regiões que se destacam pela alta densidade da rede de transportes são a Grande São Paulo e as Regiões Metropolitanas do Rio de Janeiro, de Belo Horizonte e de Porto Alegre. Também têm elevada acessibilidade as áreas entre Recife e João Pessoa, entre Brasília e Goiânia, os entornos de Salvador e de São Luís.

O IBGE também chama atenção para a grande extensão de rodovias pavimentadas não duplicadas no Noroeste do Paraná, no Rio de Janeiro, no Sul de Minas Gerais e no Distrito Federal e entorno, além do litoral da região Nordeste, entre o Rio Grande do Norte e Salvador.

Mas é possível observar “vazios logísticos”, onde a rede de transporte é mais escassa, principalmente no interior do Nordeste; na região do Pantanal (com exceção da área de influência da hidrovia do Paraguai); e no interior da floresta amazônica (exceto no entorno das hidrovias Solimões-Amazonas e do Madeira).

Quanto ao transporte aéreo, São Paulo e Rio de Janeiro concentram a maior movimentação de passageiros. São Paulo respondeu por 26,9 milhões de passageiros em voos domésticos e por 10,4 milhões de bilhetes internacionais em 2010. Em segundo lugar, o Rio de Janeiro teve 14,5 milhões de pessoas em voos domésticos e 3,1 milhões em rotas internacionais.

Devido ao elevado custo, a movimentação de cargas por via aérea é mais usada para produtos com alto valor agregado, ou mais perecíveis, e que exigem maior rapidez e segurança durante o transporte. No Brasil, esse modal é utilizado em poucos trajetos, com mais da metade do tráfego concentrado em apenas 10 pares de ligações entre cidades, sendo que a ligação São Paulo-Manaus abarcava mais de 20% do total de carga transportada em 2010.

Cai confiança de empresários do transporte

Os transportadores estão pessimistas com o futuro econômico do País, não acreditam no aumento do Produto Interno Bruto (PIB) e nem nas soluções para a infraestrutura do transporte nos próximos anos, diz a Confederação Nacional do Transporte (CNT). De acordo com a Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 2, divulgada pela Confederação, parcela de 81,4% dos empresários não acredita no aumento da taxa de crescimento do PIB brasileiro neste ano.

Para 72,1% deles haverá aumento da inflação. Fatia de 67,1% manifestou que o grau de confiança na gestão econômica do governo é baixo. Na primeira sondagem de 2014, divulgada em março, esses índices foram de 70,9%, 63,2% e 52,3%, respectivamente. A mais recente edição da sondagem indica que somente 25,8% dos empresários esperam aumento na receita bruta e que 29,4% apostam no aumento no número de viagens ainda em 2014.

Em março, esses índices eram de 43,2% e de 39,3%, destaca a CNT. Também caiu a perspectiva de aumento de contratações formais, de 33,3% para 18,2%. Para a realização da sondagem, foram feitas entrevistas entre 7 e 24 de outubro. Foram consultados 445 empresários dos modais rodoviário (cargas e passageiros), aquaviário (marítimo e navegação interior) e ferroviário (cargas).

Segundo a confederação, o setor tem encontrado muitas dificuldades na contratação de mão de obra qualificada e opera sob a expectativa de aumento da inflação e dos custos dos insumos da atividade e, diante disso, não planeja investir. Neste fim de ano, 72,8% não pretendem adquirir mais veículos, embarcações ou material rodante.

De acordo com a CNT, a falta de estímulo em realizar investimentos pode estar relacionado ao fato de que, para 61,6% do público consultado, a taxa de juros aumentará, o que significa perspectiva de financiamento mais caro. “Os empresários estão tendo a percepção do baixo crescimento econômico neste ano de 2014. E isso pode estar contribuindo para a redução de aquisição de veículos e de embarcações pelo setor”, afirma, em nota, o presidente da CNT, Clésio Andrade.

A sondagem aponta que 61,8% dos transportadores avaliam que os recursos autorizados pelo governo não solucionarão problemas de logística. Parcela de 86,8% aprova a participação da iniciativa privada como forma de proporcionar as intervenções necessárias ao setor.

Para 54,6%, os incentivos fiscais podem estimular investimentos privados. Parcela de 75,5% dos empresários entrevistados avaliou que os investimentos estrangeiros em infraestrutura poderão contribuir para a melhoria das condições logísticas. Para 55,1%, a aproximação comercial de Brasil e China beneficiará a prestação do serviço de transporte nacional.


COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Silva, da Turis Silva, uma das maiores empresas gaúchas do setor
Daer começa a modernizar processo de controle do serviço de fretamento de ônibus
Alta produção de lavouras gaúchas corre o risco de esbarrar na falta de condições de movimentação
Movimentação de grãos: os desafios para escoar a safra
Protestos dos caminhoneiros escancarou problemas e provocou debate entre as partes
Governo pretende reduzir frota de caminhões
Frota de São Paulo é formada por 15 mil veículos
Licitação de R$ 90 bilhões agita os 'reis dos ônibus'