Porto Alegre, sexta-feira, 10 de julho de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
16°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
295535
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
295535
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
295535
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

INFRAESTRUTURA Notícia da edição impressa de 19/11/2014

Rio Grande do Sul terá R$ 3,27 bilhões em obras de energia

Eletrosul fará 2,1 mil quilômetros de linhas de transmissão, oito subestações e a ampliação de 13 complexos

Jefferson Klein

O lote com o maior volume de obras de transmissão de energia, que compreendia empreendimentos a serem realizados no Rio Grande do Sul, foi arrematado pela Eletrosul no leilão promovido ontem pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Com a vitória, a estatal investirá R$ 3,27 bilhões em 2,1 mil quilômetros de linhas de transmissão, oito subestações e ampliação de 13 complexos já existentes. A oferta da companhia para a realização do conjunto de obras compreendeu um deságio de 14,01% em relação à Receita Anual Permitida (RAP) inicialmente estipulada, que era de R$ 390,7 milhões, ficando com um retorno de cerca de R$ 336 milhões.

Para se ter uma ideia do tamanho e relevância dos empreendimentos dentro do lote A, que a empresa abocanhou, o investimento que será realizado pela Eletrosul corresponde a quase 90% do garantido em todo certame. A estatal conseguiu ainda, através do Consórcio Paraíso, formado em parceria com a Elecnor e Copel, o lote E. Com aporte de R$ 196 milhões, serão feitas uma subestação, duas linhas (que totalizam 265 quilômetros) e 300 MVA de capacidade de transformação no Mato Grosso do Sul.

“Com a implementação desses empreendimentos, mais de 11 mil empregos diretos serão gerados no Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, contribuindo de forma efetiva para incrementar o potencial econômico dessas regiões e para o desenvolvimento do País”, salienta o presidente da Eletrosul, Eurides Mescolotto.

Quanto às iniciativas gaúchas, as estruturas serão instaladas em importantes áreas como a Metropolitana, Sul, Litoral Norte e Fronteira-Oeste. O coordenador do grupo temático de energia da Fiergs, Edilson Deitos, comenta que as ações previstas no sistema de transmissão do Estado estavam atrasadas. O empresário destaca que os complexos atenderão a demandas de usinas eólicas (no entorno de Santana do Livramento, Osório e Santa Vitória do Palmar), a carvão (Candiota) e locais de grande consumo (Porto Alegre).

O presidente do Conselho de Consumidores da CEEE-D e da AES Sul e vice-presidente da Federasul, Paulo Menzel, concorda com Deitos sobre o foco desse leilão de energia no caso do Rio Grande do Sul. O dirigente acrescenta que o Estado não produz nem metade da energia que consome. “Então, todas essas obras que vierem irão nos ajudar a ter um pouco mais de estabilidade na nossa rede”, argumenta Menzel.

Ainda quanto ao leilão, a Celg Geração e Transmissão ficou com o lote F, composto por uma linha que será construída entre os municípios de Araporã (MG) e Itumbiara (GO). O valor ofertado pela empresa foi de R$ 1,64 milhão, representando um deságio de 0,32%. O lote H foi arrematado pela Isolux Projetos e Instalações, por R$ 17,2 milhões, com deságio de 0,60% em relação à RAP inicial de R$ 17,3 milhões.

As obras terão o objetivo de aumentar a confiabilidade do escoamento de energia proveniente das usinas Santo Antônio do Jari, Cachoeira Caldeirão e Ferreira Gomes, entre outras que serão construídas no estado do Amapá. Os lotes B, C, D, G e I não tiveram propostas e devem entrar nos próximos certames a serem realizados pela Aneel.

Implantação da hidrovia Brasil-Uruguai demandará investimentos de US$ 150 milhões

A implantação da Hidrovia Brasil-Uruguai exigirá investimentos de cerca de US$ 100 milhões do governo brasileiro, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e de US$ 50 milhões de parte da iniciativa privada do Uruguai. Entre as obras previstas estão as instalações de terminais e dragagem. Essas projeções fazem parte do Estudo de Viabilidade Técnica-Econômica e Ambiental (Evtea) da Hidrovia Brasil-Uruguai, coordenado pela Administração das Hidrovias do Sul (AHSul) e executado pelo consórcio Ecoplan-Petcon, que foi divulgado ontem na sede do Departamento Nacional de Infraestrutura Transportes (Dnit/RS).

De acordo com o estudo, o projeto que prevê a ligação da Lagoa Mirim com a Lagoa dos Patos para a navegação comercial beneficiará especialmente o eixo Mercosul – Chile, devido à conexão em seus extremos com as malhas ferroviárias e rodoviárias uruguaias e brasileiras, formando um corredor multimodal de aproximadamente 2 mil quilômetros. No Rio Grande do Sul, o empreendimento deverá atrair a instalação de novos terminais ao longo dos rios e lagos, o que deve contribuir para o transporte de contêineres até o porto do Rio Grande.

O coordenador do levantamento pelo consórcio Ecoplan-Petcon, Daniel Lena Souto, frisa que o trabalho (que levou cerca de dois anos para ser finalizado) demonstrou que a hidrovia Brasil-Uruguai é uma iniciativa viável. O dirigente recorda que para a hidrovia ser concretizada ainda será preciso realizar uma série de dragagens, o que implica licenciamentos ambientais e tempo. Souto adianta que uma das primeiras ações que deverão ser feitas nesse sentido é a dragagem do canal Sangradouro, que possibilitará a ligação das lagoas Mirim e dos Patos. “Se isso não for realizado, o pessoal do Uruguai não irá se mexer para fazer os terminais”, adverte Souto.

A Hidrovia Brasil-Uruguai, denominada pelo governo uruguaio de Proyecto Binacional de Transporte Multimodal en el Sistema Laguna Merín y Lagoa dos Patos, integra também a Carteira de Projetos para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-americana (Iirsa). Para a elaboração do estudo, foram realizados trabalhos de pesquisa no Brasil e no Uruguai. O lado brasileiro contemplou as bacias da lagoa Mirim e dos Patos, o lago Guaíba, a lagoa do Casamento, os rios Jacuí, Taquari, Caí, Sinos, Gravataí, Camaquã, Jaguarão. No lado uruguaio foram avaliados os rios Cebollatí e Tacuary.

O levantamento abordou ainda todos os segmentos da cadeia logística hidroviária: modelagem da gestão da hidrovia, portos e terminais. Além disso, abrange a análise da frota existente, opções de novas embarcações para os setores a serem implantados e linhas de financiamento destinadas ao fomento e modernização da frota, entre outras iniciativas.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Expectativa é movimentar mais de 34 milhões de toneladas neste ano
Porto do Rio Grande sente pouco os efeitos da crise
Licitação foi autorizada, disse Westphalen
Edital para dragagem do canal do Sangradouro sai em setembro
Quarta faixa vai da Arena do Grêmio até praça de pedágio de Gravataí
Nova pista da Freeway fica pronta em novembro
Muniz prevê que concessão de mais 6,5 mil quilômetros em dois anos
Concessões de rodovias devem ter R$ 55 bilhões