Porto Alegre, terça-feira, 01 de dezembro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
511899
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
511899
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
511899
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Energia 03/11/2014 - 20h57min

Crise do setor elétrico já custou R$ 105 bilhões

Folhapress

Desde que o governo federal publicou a medida provisória 579, a fim de reduzir os preços da energia, foram perdidos R$ 105 bilhões, segundo cálculos feitos pelos especialistas Adriano Pires, do CBIE (Centro Brasileiro de Infra-estrutura), e Mário Veiga, da consultoria PSR.

O valor é equivalente a um ano de receitas das distribuidoras de energia. A perda bilionária foi causada pelo desequilíbrio entre receitas e despesas das distribuidoras, pela baixa geração de energia por usinas hidrelétricas e pelas indenizações pagas às empresas que aceitaram renovar as concessões de usinas e linhas de transmissão por meio da MP.

Por causa da medida, a maioria das distribuidoras ficaram sem energia suficiente para fornecer a seus clientes. Para contornar o problema, elas foram obrigadas a recorrer ao mercado de curto prazo, segmento no qual a energia é mais cara.

O pequeno volume de chuvas acentuou a crise. O preço da energia do mercado de curto prazo (o PLD --preço de liquidação das diferenças) é calculado principalmente sobre a expectativa de água afluente nos reservatórios.

A partir de fevereiro, o PLD esteve próximo do teto permitido em lei, de R$ 822,83 por megawatt-hora.

Os autores ressaltam que 60% do valor será pago pelos consumidores de energia, por meio de aumentos nas tarifas. Os outros 40% serão arcados pelos contribuintes.

Segundo os especialistas, em 2013, o governo gastou R$ 20 bilhões entre repasses às distribuidoras (R$ 10 bilhões) e indenizações (outros R$ 10 bilhões) às empresas que aceitaram renovar concessões por meio da medida.

Em 2014, os gastos subiram para R$ 54,9 bilhões, principalmente pelos efeitos do pequeno volume de chuvas.

Com o aumento do PLD, os repasses às distribuidoras subiram para R$ 21,8 bilhões.
Outros R$ 10 bilhões foram gastos com indenizações.

Além disso, um outro prejuízo, de R$ 23,1 bilhões, apareceu neste ano: o de geradores de energia que não conseguiram gerar eletricidade suficiente para honrar seus contratos. Os autores ainda incluem na conta uma projeção de perdas de R$ 30,5 bilhões para o próximo ano.

O uso permanente de usinas térmicas custarão R$ 8,5 bilhões e outros R$ 22 bilhões precisarão ser gastos em indenizações às empresas.

Adriano Pires afirma que os números mostram que essa é uma das maiores crises vividas pelo setor elétrico na história. "O racionamento em 2001 causou um rombo de R$ 25 bilhões. Essa crise, sem racionamento, já custou quatro vezes mais", diz.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Decisão judicial a favor da Abrace implica nova alta na conta de luz, diz Aneel
Agência livrou associados da Abrace do pagamentos de parte dos programas do fundo setorial Conta de Desenvolvimento Energético
Ministério cogita queda de até 2% no consumo de energia em 2015
Pior cenário cogitado aponta retração mais acentuada do que aquela estimada pela Empresa de Pesquisa Energética em julho
Governo ainda não definiu modelo de pagamento de indenizações ao setor elétrico
De acordo com Aneel, a única certeza neste momento é a inviabilidade desse custo ser incorporado à tarifa
Cemig irá disputar suas 18 usinas em leilão de outubro, diz presidente
O presidente da Cemig disse que a companhia irá disputar as 18 usinas antigas que eram controladas por ela e que irão a leilão no dia 30 de outubro