Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
29°C
31°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,3480 4,3500 0,43%
Turismo/SP 4,2500 4,5660 0,70%
Paralelo/SP 4,2600 4,5800 0,88%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
982497
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
982497
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
982497
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

COPA 2014 17/10/2014 - 08h58min

Institutos europeus dizem que Brasil ‘perdeu’ com Copa

Três meses depois do final da Copa do Mundo, um estudo encomendado por entidades europeias alerta que o Brasil "perdeu o Mundial" fora de campo. Um levantamento realizado pela instituição suíça Solidar, em parceria com a entidade alemã Institut Heinrich Böll concluiu que cidades-sede aumentaram suas dívidas e o estado foi obrigado a arcar com parte importante dos custos do Mundial, enquanto a Fifa deixou o País com um lucro recorde e sem pagar impostos.

Em novembro, a Fifa voltará ao Brasil para uma reunião para avaliar o impacto da Copa. Se não existe dúvida de que, em campo, o Mundial foi um sucesso, a avaliação sobre o impacto para o País divide opiniões entre especialistas e governo, que destaca o fluxo de torcedores e o impacto positivo para a imagem do País. Para membros da Fifa, o impacto real da Copa no Brasil apenas será conhecido em um prazo de cinco anos.

Mas essa não é a avaliação das entidades sociais europeias. "O apito final foi dado há três meses. Mas foi o Brasil quem perdeu", alertou a Solidar, entidade com 70 anos e que trabalha no campo do desenvolvimento social. "Os brasileiros pagaram um preço alto pela Copa", declarou a entidade. "Foi o Mundial mais caro de todos os tempos - US$ 13,3 bilhões - aproximadamente R$ 33 bilhões - e afetado por violações de direitos humanos", indicou.

De acordo com o levantamento, os investimentos do setor privado não conseguiram atender aos projetos inicialmente propostos, principalmente no setor de transporte. O resultado foi "uma redução dramática" no número de iniciativas. "Vários projetos de construção foram anulados - especialmente um terço dos projetos de transporte público previstos - ou ficaram para depois da Copa", indicou.

O documento também mostra que o endividamento das cidades-sede chegou a aumentar em 51%. Mesmo cidades que não receberam jogos tiveram um aumento da dívida de 20%.
No que se refere aos estádios, a constatação do levantamento é de que o preço médio das arenas ficou duas vezes superior aos estádios da Alemanha em 2006 e África do Sul em 2010. Por assento, a Copa custou em média R$ 15,41 mil no Brasil. Na Alemanha, ela saiu por R$ 8,95 mil e R$ 8,2 mil na África do Sul.

O estudo também acusa os organizadores de terem erguido quatro "elefantes brancos". "São estádios superdimensionados e praticamente inutilizados". 

O impacto sobre os vendedores ambulantes teria sido importante. Dos 350 mil vendedores nas 12 cidades que acolheram jogos, apenas 4 mil deles puderam trabalhar nas redondezas das arenas. "Os mais pobres no Brasil perderam sua fonte de renda", alertou. O estudo também estima que 250 mil pessoas em todo o País foram desalojadas durante sete anos de obras, "frequentemente sem compensação".

Outro aspecto foi a "repressão contra manifestantes". "A militarização fez parte das tristes consequências deste Mundial", disse.

Diante de um "resultado desastroso", as entidades querem que a Fifa modifique a forma de organizar os torneios no futuro. "A Fifa obteve um lucro recorde e solicitamos à entidade de assumir no futuro de forma séria suas responsabilidades na qualidade de instituição organizadora", declarou.

Segundo o levantamento, a Fifa teria uma renda recorde que poderá variar entre R$ 10 bilhões e R$ 12,5 bilhões por conta do Mundial. Os lucros seriam de cerca de R$ 7,5 bilhões.

"É escandaloso que a Fifa consiga fazer com que os custos sejam assumidos pelo estado brasileiro, mas que mantenha os lucros", declarou Joachim Merz, representante da Solidar Suisse. Para ele, em futuros Mundiais, a Fifa precisa exigir que os países se "comprometam e respeitar os direitos humanos, as normas internacionais de trabalho, acabar com privilégios fiscais e considerar os trabalhadores do setor informal".

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Copa elevou percepção de demanda fraca em serviços
Para a Fundação Getulio Vargas (FGV), que apura o índice, este padrão "confirma o efeito negativo da paralisação parcial das atividades durante a Copa"
Visa divulga gastos com cartões em estádios e Fan Fest
No total, foram feitas 582,3 mil transações financeiras de 12 de junho a 13 de julho nas 12 cidades-sede do mundial
Segundo ANTT, 19 mil turistas chegaram ao País de ônibus na Copa
Os fretamentos internos somaram 6.869 viagens com destino às cidades-sede, o que representa 32% do total de deslocamentos interestaduais realizados no período do Mundial
Estrangeiros movimentam US$ 380 milhões em cartões Visa durante a Copa
O valor, que considera somente os plásticos da marca, também é 47,3% superior ao movimentado durante a realização do mundial na África do Sul, em 2010