Porto Alegre, quinta-feira, 21 de janeiro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
125101
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
125101
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
125101
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Artigo Notícia da edição impressa de 23/09/2014

Por que não podemos dar desconto à vista?

Gustavo Schifino

Acompanhando as discussões atuais fica uma pergunta: por que não podemos dar desconto para quem paga à vista? Se o cliente paga na hora, é justo que pague menos. E por que o lojista está impedido de oferecer esse desconto? Qual é lógica? Ainda mais agora, quando precisamos fazer o País sair da estagnação. Mas, hoje, não pode haver esta diferenciação nos valores. Aliás, alguns órgãos de defesa do consumidor são explicitamente contrários a isso. Ou seja, o preço praticado tem que ser o mesmo, apesar de não oferecer vantagem alguma para o consumidor. Em linhas gerais, os lojistas são proibidos por lei de dar descontos. E torno a questionar: por quê? No que isso poderia prejudicar o consumidor? Pelo contrário. O que queremos é facilitar o consumo. Alavancar o mercado.

Visualizamos um segundo semestre com as vendas mais aquecidas e levantamos esta discussão no momento em que se completa mais de um mês da aprovação do projeto de Decreto Legislativo (31/2013) pelo Senado. A matéria aguarda a análise da Câmara dos Deputados. O conteúdo permite a diferenciação de preços nas compras à vista (em dinheiro ou no débito) e com o cartão de crédito. A proposta é do senador Roberto Requião (PMDB-PR) e suspende a Resolução 34 de 1989, do Conselho Nacional dos Direitos do Consumidor (CNDC), já extinto. E vale ressaltar que os cartões de crédito possuem taxas de 2% a 5% de serviço das operadoras e o empresário leva 30 dias para receber os valores. Na prática, a mudança na legislação ainda poderia reduzir a necessidade de capital de giro (caixa) da loja, que contaria com maior volume de pagamento à vista. Aliás, em pesquisa interna, durante a reunião de diretoria da CDL POA, concluímos que a média de desconto deve ser de 5%, o que seria ótimo para o consumidor. Enfim, seguimos na torcida para que o projeto de decreto legislativo seja aprovado pela Câmara dos Deputados, pois queremos transparência!

Queremos que a barganha perca espaço e que o preço praticado seja justo, como vemos em outros países, em que não é preciso pechinchar na hora da compra. Assim, ganha o consumidor! Ganha a economia!

Presidente da CDL Porto Alegre

COMENTÁRIOS
Pery Sommer Pereira - "Viajante no Mercosul" - 23/09/2014 - 12h00
Pagando em dinheiro ou débito no cartão é venda a vista e não se trata de desconto para o tipo de operação e sim o preço de partida (á vista) e partindo daí com 30,60,90 dias ou mais acrescer o juro normal de lei. Isto é o que se faz em países de primeiro mundo sim onde contrariando o normal poderá quem sabe até dar cadeia.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil