Porto Alegre, sexta-feira, 22 de outubro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
288326
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
288326
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
288326
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

COPA 2014 Notícia da edição impressa de 19/08/2014

Receptividade e obras de mobilidade foram destaques positivos da Copa

Representante da prefeitura e procurador aposentado debateram, em evento na Ajuris, o legado da realização do Mundial em Porto Alegre

Suzy Scarton

MARCO QUINTANA/JC
Urbano Schmitt (e) e Jaques Alfonsin (d) divergem sobre imagem deixada
Urbano Schmitt (e) e Jaques Alfonsin (d) divergem sobre imagem deixada

A Copa do Mundo 2014 durou 31 dias. Em Porto Alegre, foram cinco jogos. Muito foi feito para que o Brasil proporcionasse, principalmente aos olhos dos turistas, um grande espetáculo. Além de grandioso, era preciso que fosse eficaz. Agora, pouco mais de um mês após o evento, discute-se o legado da Copa. E ele divide opiniões.

No evento realizado pela Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), ontem à tarde, o secretário de Gestão da prefeitura de Porto Alegre, Urbano Schmitt, descreveu os benefícios sociais trazidos pela Copa como absolutamente positivos. De acordo com ele, a cidade teria se planejado cuidadosamente com relação à infraestrutura, com a construção de grandes obras de mobilidade urbana. Além disso, em âmbito social, destacam-se o envolvimento da cidade para a realização de um megaevento e a visibilidade alcançada por Porto Alegre.

“Houve uma preocupação em divulgar a cidade como uma capital extremamente aderente e preocupada com a questão da diversidade”, esclarece. Schmitt acredita, ainda, que essa imagem deva se perpetuar. Para ele, não houve legado negativo, uma vez que Porto Alegre demonstrou um engajamento muito forte da sociedade em termos de convivência e boa receptividade.

Já o ativista de direitos humanos e procurador aposentado do Estado Jacques Alfonsin, vê a situação de forma completamente diferente. Para ele, essas manifestações que exaltam o que a Copa trouxe de melhor são capciosas. Alfonsin trabalha diretamente com três grupos de famílias residentes no alargamento da avenida Tronco, na cabeceira Leste do Aeroporto Salgado Filho e no morro Santa Tereza. “Os moradores da região do aeroporto, por exemplo, seriam removidos para o prolongamento da pista. Até hoje, essa pista não foi alterada e a Copa transcorreu normalmente”, pondera. Com a intervenção do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejuscon), foi possível demonstrar aos órgãos do governo que um evento desse porte não justificava a remoção apressadamente de famílias que já habitavam o local há mais de 20 anos. “Foi uma vitória espetacular. Os moradores, inclusive, serão realocados na Vila Camaquã, que já vinha sendo preparada para recebê-las”, comemora Alfonsin. 

Para o procurador aposentado, o Brasil teve tempo de se preparar para modificar a estrutura do País de modo a receber a Copa sem desrespeitar as prioridades dos direitos humanos e fundamentais. “A Copa provocou efeitos danosos para a sociedade. Até o que foi positivo foi feito às pressas e está sendo refeito, como as obras do corredor de ônibus da Padre Cacique”, relata. Além disso, o processo de remoção de moradores para as obras da Copa teria sido realizado com bastante arbitrariedade.

O secretário Schmitt, entretanto, afirma que, aos moradores que precisaram ser relocados, sempre foram oferecidas oportunidades, como o Aluguel Social e o Bônus Moradia. “Em nenhum momento, a remoção foi feita de modo truculento. Foi realizada, sempre, na base da negociação”, afirma. Alfonsin argumenta que mais de 1.500 famílias já tiveram suas casas demolidas. De qualquer modo, o procurador acredita que o principal legado foi o reconhecimento, por parte da população, de que eles não devem acatar políticas públicas que desrespeitem direitos humanos e fundamentais. “Eles não podem permitir a simples remoção. É preciso que se organizem e resistam, procurando soluções alternativas”, reflete.

COMENTÁRIOS
Fabio Schubert - 19/08/2014 - 11h30
Parece que sempre estamos sendo contra a tudo que o governo faz. Acontece que deveria fazer bem feito pela primeira vez. Exemplo a BR448 entregue em janeiro 2014, já esta cheia de remendos, piso cedendo, acessos bloqueados, ou seja inacabada e mal acabada. Assim são as obras de Porto Alegre um legado que vamos pagar por muito e muito tempo.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Concepção e implementação do Caminho do Gol, que recebeu 215 mil pessoas, envolveu 20 secretarias
Capital ganhou experiência na realização de eventos
Caron revela que a Polícia Federal gaúcha conteve 41 barra-bravas
Balanço da PF aponta entrada de 101,4 mil estrangeiros no Rio Grande do Sul
Copa trouxe 101,4 mil estrangeiros ao Estado, revela Polícia Federal
Visitantes chegaram pelos postos de controle das fronteiras terrestres com o Uruguai e Argentina e pelo Aeroporto Salgado Filho
Presidente destacou a hospitalidade do brasileiro em receber turistas estrangeiros
Em balanço, governo diz que ‘Brasil ganhou a Copa’