Porto Alegre, domingo, 21 de abril de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
22°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9300 3,9320 0,07%
Turismo/SP 3,8800 4,1000 0%
Paralelo/SP 3,8900 4,1100 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
179030
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
179030
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
179030
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

SAÚDE Notícia da edição impressa de 15/08/2014

Capital se adapta para lidar com suspeitas de ebola

Hospital Nossa Senhora da Conceição prepara quarto de isolamento para possíveis casos de contaminação pelo vírus em Porto Alegre

Suzy Scarton

JONATHAN HECKLER/JC
Cassol afirma que o Conceição atenderá eventuais casos de ebola
Cassol afirma que o Conceição atenderá eventuais casos de ebola

A Organização Mundial de Saúde (OMS) notificou, de março a agosto deste ano, 1.975 casos de ebola. Desses pacientes, 1.069 vieram a óbito. Até hoje, é o maior surto da doença, cujo principal sintoma é febre alta, e também o primeiro que ocorre na África Ocidental, afetando moradores na Guiné-Conacri, Libéria, Serra Leoa e Nigéria. O alto número de casos que acabaram em morte despertou um temor mundial. Mesmo que seja improvável que a doença se alastre para além do continente africano, os centros de saúde já se preparam para lidar com possíveis suspeitas de contaminação.

É o caso do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Porto Alegre. Maior complexo hospitalar da região Sul do País, o Conceição foi escolhido pelo Ministério da Saúde como hospital referência no tratamento do vírus ebola no Rio Grande do Sul. Para a médica sanitarista do Centro Estadual de Vigilância em Saúde Marilina Bercini, o Estado precisa estar preparado caso algum viajante que tenha tido contato com pessoas contaminadas no continente africano passe por aqui. No entanto, a probabilidade de contágio em massa é muito pequena. Considerando esse cenário, foi decidido que a preparação de um hospital seria suficiente. “Procurou-se um hospital grande, que tivesse área de contenção de infectologias. Além disso, o HNSC já tem experiência no tratamento de doenças infecciosas, como a influenza e o H1N1”, pondera. 

O médico infectologista e chefe do sistema de controle de infecção do HNSC, Renato Cassol, explica que o hospital vem sendo preparado gradualmente para receber possíveis casos de suspeita. Apesar de ainda não haver previsão de conclusão dos preparativos, a unidade hospitalar já possui equipamentos de proteção individual (EPIs), remanescentes do período em que Porto Alegre foi sede da Copa do Mundo. “Com um centro de experiência em doenças infecciosas, uma equipe qualificada e EPIs completos, um possível caso de contaminação não criaria pânico, pois estaríamos prontos para atender o paciente”, esclarece. O hospital ainda aguarda a chegada de mais equipamentos a serem fornecidos e vendidos pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o médico, a possibilidade de o ebola chegar ao Rio Grande do Sul é praticamente zero. Entretanto, organizar um atendimento adequado para uma doença contagiosa leva tempo. O quarto de isolamento disponibilizado pelo HNSC vem sendo preparado há pelo menos sete dias e ainda não está finalizado. Devido à constante superlotação do hospital, apenas um quarto ficará ocioso para possíveis registros de suspeita da doença. “Deixar um quarto livre já faz diferença para a população que precisa de cuidados médicos. Mais de um não faria sentido”, afirma Cassol.

O professor de infectologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), que também atua no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) Luciano Goldani reitera a importância de haver um hospital preparado para receber possíveis casos. “Mesmo que a possibilidade seja remota, se alguém ficar doente no País, tem que haver uma alternativa imediata de tratamento”, afirma. “Pacientes com doenças infecciosas não podem ser tratados da mesma maneira que outros. Esse tipo de enfermidade requer um preparo específico dos médicos e equipes de enfermagem.” O risco maior seria, inclusive, para os profissionais da saúde, que precisam estar em contato muito próximo aos pacientes. 


O Ministério da Saúde escolheu o Grupo Hospitalar Conceição como referência também porque ele atende exclusivamente pacientes vinculados ao Sistema Único de Saúde (SUS), além de possuir profissionais especializados no atendimento a vítimas de desastres naturais, calamidades públicas ou situações de risco epidemiológico que exijam resposta rápida.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
CFM suspende idade limite para mulheres usarem técnicas de reprodução assistida
A decisão faz parte de resolução divulgada hoje (22) pelo Conselho Federal de Medicinal (CFM) que atualiza as regras para reprodução assistida no Brasi
Córneas podem ser doadas de seis a 12 horas depois da morte
Fila de espera para córnea dura menos de 30 dias
Porto Alegre terá edição do Farmacêutico na Praça neste domingo
Ação ocorre no Parque da Redenção, a partir das 8h, e é gratuita
Pesquisa: 89% dos clientes de planos de saúdes estão em operadoras bem avaliadas
Na faixa intermediária, com notas de 0,4 a 0,59, houve queda de 34,5% no número de operadoras