Porto Alegre, sexta-feira, 14 de maio de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
159271
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
159271
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
159271
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ARTIGO Notícia da edição impressa de 11/08/2014

Sem medo de dizer a verdade

Darcy Francisco Carvalho dos Santos

Nos debates, os candidatos a governador não têm coragem de dizer o que vão fazer para enfrentar os graves problemas estaduais, porque têm medo de com isso perderem voto. O bode expiatório sempre é a dívida com a União, quando este não é o maior problema do Estado, embora seja indispensável uma renegociação. Mas não nos iludamos, pois, por melhor que ela seja, apenas amenizará, mas não resolverá os problemas financeiros do Estado.

Gostaria que os candidatos dissessem o que farão para resolver o problema previdenciário estadual, cujas maiores modificações devem ser feitas em nível federal e que eles vão mobilizar os demais governadores na luta por essa alteração. Na previdência existem leis altamente permissivas, onde 87% dos servidores se aposentam com 25 ou 30 anos de contribuição, a metade com idade mínima de 50 anos e uma grande parte sem essa exigência. Isso obriga a manter concomitante para o mesmo cargo dois ou até três servidores, um em atividade e um ou dois aposentados. Gostaria de ouvir um compromisso com a mudança das regras das pensões, que precisam dar ao benefício um caráter seletivo que leve em conta a situação econômica do beneficiário e que respeitem o teto salarial constitucional.

Gostaria que o candidato tivesse a coragem de dizer que a maioria dos servidores ganha pouco por causa disso tudo, embora haja uma minoria que ganha muito bem. Gostaria de ouvir do candidato o que ele vai fazer para cumprir o piso do magistério sem alterar o plano de carreira, cujo não cumprimento está gerando um passivo trabalhista superior a R$ 10 bilhões. Também gostaria de ouvir do candidato como ele vai administrar a situação decorrente dos reajustes concedidos pelo atual governo até 2018, quando os déficits anuais serão muito superiores a R$ 4 bilhões, se as fontes possíveis de financiamento foram praticamente esgotadas. Enfim, gostaria de um candidato que não tivesse medo de dizer a verdade!

Economista e contador

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil