Porto Alegre, sexta-feira, 22 de outubro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
958773
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
958773
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
958773
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

COPA 2014 Notícia da edição impressa de 16/07/2014

Balanço da PF aponta entrada de 101,4 mil estrangeiros no Rio Grande do Sul

Órgão ressalta legados deixados ao Estado, como modernos equipamentos e integração de segurança pública

Isabella Sander

MARCO QUINTANA/JC
Caron revela que a Polícia Federal gaúcha conteve 41 barra-bravas
Caron revela que a Polícia Federal gaúcha conteve 41 barra-bravas

Uma avaliação preliminar da Polícia Federal (PF) do Rio Grande do Sul revelou que 101,4 mil estrangeiros entraram no Brasil pelo Estado durante a época da Copa do Mundo, por meio de fronteiras terrestres e do aeroporto Salgado Filho. A Operação Copa 2014 será encerrada nesta sexta-feira, com o retorno dos servidores que estão oferecendo reforços nas alfândegas para auxiliar nos procedimentos de saída dos estrangeiros, especialmente os argentinos.

O balanço indica também que, dois 2,1 mil barras-bravas que estavam na lista de proibidos de entrar no Brasil, 41 tentaram o ingresso a partir das fronteiras gaúchas e foram impedidos. Segundo o superintendente regional da PF, Sandro Luciano Caron, a proximidade geográfica do Estado com a Argentina fez recair sobre o órgão a missão de barrar esses torcedores que possuem ficha criminal. “Essa situação era bastante diferente da de outros estados e consideramos que a tarefa foi cumprida muito a contento”, afirma.

Em relação ao caso em que um barra-brava conseguiu passar pela fronteira e somente em território brasileiro foi detido, Caron assegurou que esse risco já estava previsto. “Sabíamos que, se houvesse entrada irregular, haveria trabalho posterior de investigação, para que essas pessoas fossem localizadas e deportadas. Até mesmo a localização posterior mostra que o resultado foi muito positivo”, pondera. A forma que o torcedor ingressou no Brasil ainda está sendo averiguada.

Quase metade de todos os impedimentos de entrada de torcedores violentos no País se deu no Rio Grande do Sul. Dois barras-bravas foram barrados em duas fronteiras diferentes. Outros 23 estrangeiros foram impedidos de ingressar em território nacional por conduta inadequada, avaliada por agentes das aduanas.

O trabalho, tanto nas fronteiras terrestres quanto nos aeroportos, foi elogiado em todo o Brasil, conforme o superintendente. “Por terra, é muito mais difícil de controlar, porque, no aeroporto, todo mundo passa obrigatoriamente pela fiscalização. E, mesmo assim, teve a mesma eficiência”, garante, acrescentando que 100% das entradas foram notificadas e, por isso, é possível saber exatamente o número de estrangeiros que esteve no País.

Quanto ao legado deixado pela Copa, a PF pôde abrir com os recursos destinados ao evento, no mês passado, um laboratório de exames de DNA, dentro da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), para ser usado nas investigações. O Estado é o único a ter um laboratório próprio, fora de Brasília. Além disso, foram adquiridos dez veículos blindados, ultrabooks para quase todos os policiais, telefones celulares, armamento, equipamentos para a realização de perícia e realizado cursos de capacitação. O legado principal, contudo, é a integração dos órgãos de segurança pública. “O que vimos aqui foi uma perfeita integração, inclusive das forças armadas e dos setores de inteligência. Nenhum legado supera esse, que servirá de modelo para outros estados”, destaca Caron.

O esquema montado, incluindo a integração com outros órgãos de segurança pública, deve servir de referência para futuros grandes eventos, como as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. A PF deve iniciar o planejamento de suas atividades nas Olimpíadas nas próximas semanas, começando a organização, a exemplo do que ocorreu para a Copa do Mundo, dois anos antes. O órgão regional deve enviar policiais para atuar na capital carioca durante o evento e, também, reforçar o controle das fronteiras.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Urbano Schmitt (e) e Jaques Alfonsin (d) divergem sobre imagem deixada
Receptividade e obras de mobilidade foram destaques positivos da Copa
Concepção e implementação do Caminho do Gol, que recebeu 215 mil pessoas, envolveu 20 secretarias
Capital ganhou experiência na realização de eventos
Copa trouxe 101,4 mil estrangeiros ao Estado, revela Polícia Federal
Visitantes chegaram pelos postos de controle das fronteiras terrestres com o Uruguai e Argentina e pelo Aeroporto Salgado Filho
Presidente destacou a hospitalidade do brasileiro em receber turistas estrangeiros
Em balanço, governo diz que ‘Brasil ganhou a Copa’