Porto Alegre, quinta-feira, 16 de julho de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
17°C
11°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
458561
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
458561
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
458561
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

AGRONEGÓCIOS Notícia da edição impressa de 10/07/2014

Fumicultor pode reduzir plantio devido à concorrência externa

Nestor Tipa Júnior

ANTONIO PAZ/JC
Werner defende a redução de área de fumo para elevar os preços
Werner defende a redução de área de fumo para elevar os preços

As entidades que representam os produtores de tabaco estão defendendo uma redução de área para a próxima safra. A projeção é que haja uma diminuição de até 12% no plantio no período. O objetivo é que com a queda de oferta os preços reajam.

Um dos motivos alegados pelos representantes do setor é a grande competição com outros países produtores que estão aumentando a produção e têm mais incentivos tributários e valor menor de mão de obra. Conforme o presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), Benício Werner, esta estimativa serve especialmente para a variedade Virgínia, a principal plantada no Estado. Já a Burley, que era a utilizada principalmente nos cigarros com aromas e sabores, a queda pode chegar a 20%. “Estamos percebendo a necessidade de fazer este recuo, pois o avanço da produção em países da África é muito grande”, reforça.

Werner dá como exemplo o Zimbábue, que está retomando a produção de forma intensiva depois de um período de reforma agrária, e agora já chega a uma colheita de 200 mil toneladas. Países como o Zaire e a Tanzânia também estão mostrando evolução na safra de tabaco. “A África tem aumentado a produção, inclusive com um custo de produção mais baixo. Enquanto aqui pagamos R$ 70,00 o dia para um trabalhador, nestes países este valor é de US$ 1,00 diário”, ressalta o presidente da Comissão do Fumo da Farsul, Mauro Flores.

O dirigente da Federação da Agricultura afirma que o preço a produtor também está caindo. Enquanto na safra passada o valor era de R$ 7,60 o quilo, este ano já está em R$ 7,10. Informa também que os países africanos não têm imposto de exportação enquanto no Brasil se paga uma taxa de 19% para embarcar o produto. O presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul, Carlos Joel da Silva, acredita que o que é pago aos produtores pode cair ainda mais. Com a safra que está se encerrando em agosto, a produção deve passar das 700 mil toneladas. “O ideal é que fosse entre 650 mil e 680 mil toneladas”, estima.

Silva lembra também que os estoques de tabaco são os maiores dos últimos tempos. Com esta conjuntura defende também a redução de área. O dirigente relembra que a situação já foi tratada em reuniões com as indústrias, e que as mesmas se comprometeram que não farão campanhas para que os agricultores aumentem a área plantada e a produção. “Não adianta produzir muito e ganhar pouco”, completa.

COMENTÁRIOS
Paulo César Machado - 10/07/2014 - 17h51
Viram o que antitabagistas fizeram? vamos plantar menos, significa menos impostos,menos trabalho,mais contrabando. Viram? vamos fumar cigarro, com tabaco produzido em outros países. É isso que conseguiram, apenas, transferiram a produção para outros paises....e continuamos fumando cada vez mais, cigarro feito pelos outros. Eitaa antitabagistas brasileiros, quebrando a economia da nação brasileira. Cobrem da ACT-, da Sra. Paula Johns, vamos ver se ela arca com o prejuizo.


Beti -
10/07/2014 - 19h29
Ao Paulo Machado, abaixo, a tal sra. Paula Johns, pelo que li,é financiada pelo ex prefeito de NY, Michel Bloomberg. Ora, se é isso mesmo, como que nosso governo do Brasil, fica dando ouvidos para essa pessoa? Não sei a origem dessa Sra. Paula Johns, mas se for os Estados Unidos, é claro e visto que eles veem aqui para acabar com nosso fumo. Não seria o caso, de investigação da atuação dessa sra, aliás, ela aparece em muitas fotos, e a cara é muito parecida com Drauzio-Serra, ou seja ...


Viviana Ribeiro -
10/07/2014 - 22h21
Paula Johns, lider de uam entidade chamda Aliança Controle TAbaco creio que é dessa os comentários acima. Perigo para a sociedade, pois o antitabagista é o mesmo que estava na Alemanha de Hitler, aliás, o antitabagismo nasceu com Hitler. Se essa senhora, é paga para como dizem, acabar com o fumo no Brasil, então me parece que o governador TArso Genro tem razão, ao dizer que essa história de antitabagismo no Brasil tem interesses por trás. Alguem sabe mais alguma coisa dessam ulher Paula Jon?


Adilson Freitas -
11/07/2014 - 10h05
Pelo que entendi, aqui estão colocando fumante contra não fumante? e por essa bobasgem, outros países, estão plantando mais fumo que nós, e vendendo? Então, vamos perder empregos e continuar fumando tabaco de outro país. Como que o governo federal, não enxerga essas coisas? Brassiiillllll.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Anele diz que projeto Brazilian Rice ajuda a exportar arroz beneficiado
Projeto para exportar arroz beneficiado será estendido
Valor projetado para setembro é de R$ 0,814 o litro, aponta Conseleite
Preço do leite registra leve queda no Rio Grande do Sul
Aumento da umidade nos próximos dias vai retardar semeaduras
Clima ameaça a produtividade e o plantio
Agricultores participantes têm orientações para melhorar a produção
Programa incentiva boas práticas no meio rural