Porto Alegre, segunda-feira, 21 de janeiro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7700 3,7720 0,37%
Turismo/SP 3,7300 3,9300 0,51%
Paralelo/SP 3,7400 3,9400 0,51%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
146143
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
146143
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
146143
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ARTIGO Notícia da edição impressa de 30/05/2014

Não vai ter Copa

Camila Belinaso

Aclaro que não sou adepta da cultura futebolística do nosso País, apesar de admirá-la. Ainda, admito que seja rara as vezes que paro para assistir a uma partida de futebol. Porém, época de Copa do Mundo remete-me aos balões verdes e amarelos que minha querida avó distribuía pela casa, a primeira que acompanhei foi em 1994. Juntávamos todos ao redor da televisão, ali, eufóricos e entusiasmados com as partidas de futebol. E assim continuamos, pois de acordo com a famosa vinheta: A Copa do Mundo é nossa. Passaram-se anos e seguimos nos reunindo em tempo de jogos, apesar de que a última vez fui eu quem espalhou os balões pela casa e abracei a minha avó.

Entretanto, não consigo entusiasmar-me com a Copa do Mundo que será sediada aqui, no país pentacampeão. Esperançosos, chegamos a crer que melhorias seriam feitas, que um grande capital seria destinado à saúde, à educação, visto que o padrão Fifa não exige apenas estádios de primeiro mundo. Assim, iniciaram-se os preparativos e sangramos ao decorrer do tempo. Para nossa felicidade, a realidade de nosso País está espalhada por periódicos internacionais, as mazelas do povo brasileiro - por mais ocultadas que tentam ser - estão escancaradas. Pasmem, gringos, o Brasil não investe em educação, o Brasil não tem condições de sediar um evento desse porte, não com a administração que vem corrompida há tempos. Nós, brasileiros, fomos enganados com algo que é motivo de felicidade para muitos. A Copa do Mundo 2014 não vai passar em branco, pois tem gosto amargo - mais que qualquer derrota. Durante todos esses meses saímos às ruas e percebemos que pouco foi feito em questão de infraestrutura, contudo, fizemos bem em unir-mo-nos no descontentamento, na vergonha e na vontade de mudar, pois não aceitamos a derrota do que é nosso dever, e o certo é que a luta vai continuar. Enfim, não haverá balões. 

Acadêmica do curso de Direito na Faculdade do Ministério Público

COMENTÁRIOS
Linda Rovêda - 30/05/2014 - 14h24
Concordo plenamente com o texto, e acrescento onde está a segurança pública, estarão recolocando das cidades próximas para taparem os furos da segurança na cidades sediadas pela Copa e como ficarão as pequenas cidades sem segurança nenhuma já é escasso imagina sem. Linda Rovêda.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil