Porto Alegre, sexta-feira, 20 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
17°C
21°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1690 4,1710 0,16%
Turismo/SP 4,1200 4,3600 0,69%
Paralelo/SP 4,1300 4,3700 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
101272
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
101272
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
101272
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ARTIGO Notícia da edição impressa de 22/05/2014

Pedágios: outro modelo, mesmos problemas

Valdir Andres

O modelo de concessão adotado pelos pedágios gaúchos até ano passado era rejeitado pela população. Pagava-se muito para uma contrapartida tímida na qualidade dos serviços. O atual governo do Estado prometia solucionar o problema através de uma medida: a não renovação dos contratos com as concessionárias de rodovias. Dessa maneira, as administradoras privadas deram lugar à Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR). Essa transição, no entanto, foi traumática e não teve um planejamento adequado. A estatal foi criada às pressas, sob o regime jurídico de sociedade anônima – o que obriga a companhia a destinar boa parte de sua arrecadação ao pagamento de impostos, prejudicando a capacidade de investimentos.

Hesitante desde seu início, a EGR ainda não resolveu questões básicas de operacionalidade. E isso não significa apenas tapar buracos ou ampliar pistas. A empresa não dispõe de infraestrutura básica para manter as estradas e dar suporte aos motoristas. Quem trafega pelas estradas, ao perceber as estruturas abandonadas, chega a ter a sensação de estar desprotegido. Não raro, o governo precisa lançar mão das ambulâncias dos municípios para prestar socorro, o que eventualmente pode prejudicar o atendimento aos habitantes de regiões próximas às rodovias. Portanto, mais uma vez, as gestões municipais são obrigadas a cumprir funções cujo ônus, originalmente, cabe ao Estado.

Por serem administrados pelo governo, os pedágios deveriam, ao menos, praticar preços menores. Mas até mesmo a tarifa cobrada pela EGR é um contrassenso. A prometida redução nos valores aconteceu de maneira tímida e pontual. Como o veto do governador para a proposta de tarifa única foi derrubado, o Piratini já admite cobrar mais pelo levantamento das cancelas. Enquanto continuamos pagando caro por serviços ineficientes, Santa Catarina mostra que é possível fazer diferente. O estado vizinho possui estradas em melhores condições, com valores que não pesam no bolso da população.  Há diversos outros exemplos nesse sentido pelo Brasil afora. Ao que tudo indica, trocamos de modelo sem trocar de problema.

Presidente da Famurs e prefeito de Santo Ângelo

COMENTÁRIOS
cesar augusto stumpf - 22/05/2014 - 14h06
O que o prefeito Valdir Andres, como presidente da Associacao de Prefeitos escreve em seu aerigo e a. ais pura realidade. A situacao das nossas rodovias, que eu prefiro chamar de caminhos, esta se encaminhado para uma situacao quase sem solucao. Ja causa sentimento de raiva ter que trafegar plr esses caminhos. Em dias de chuva, como ontem,o perigo e imenso. A uma verdadeira tramsformacao do lei. Seguranca zero. Desperta Rio Grande. Todas as cidades ao longo do acostamento protestando, duplica


Nilson Levi Zalewski -
23/05/2014 - 11h33
Pelo amor de Deus, se o próximo governador não for novamente o Tarso, que extingua a EGR e privatize decentemente, pois pagar pedagio estatal por uma porcaria, sem serviço algum, sem até telefone de emergência, é absurdo total da ineficiência estatal

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil