Porto Alegre, sexta-feira, 24 de janeiro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
29°C
34°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1860 4,1880 0,50%
Turismo/SP 4,1200 4,3820 0,09%
Paralelo/SP 4,1300 4,3800 0,22%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
460686
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
460686
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
460686
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ARTIGO Notícia da edição impressa de 14/05/2014

Desenvolvimento sustentável e o Delta do Jacuí

Gustavo Inácio de Moraes

Estão devidamente amparados pela razão as autoridades e moradores dos municípios que compõe o Parque Estadual do Delta do Jacuí quanto às restrições ao desenvolvimento econômico oriundas do plano de manejo previsto para a área. A simples decretação de uma área de preservação não pode ignorar a atividade humana no entorno do local a ser conservado. O conceito de desenvolvimento sustentável, apesar de todas as generalidades contidas em sua definição, prevê que as dimensões ambientais, sociais, institucionais e econômicas sejam harmonizadas em prol da comunidade e em prol das gerações futuras. Assim, ignorar o sustento econômico e o alcance das necessidades sociais é não atender aos pressupostos do desenvolvimento sustentável.

A discussão para os municípios que renunciariam a atividades econômicas poderia envolver, pelo menos, duas frentes que permitiriam a conservação: o pagamento por serviços ambientais e mecanismos de compensação tributária. No primeiro caso, os municípios receberiam recursos do poder público e de beneficiários privados pelos serviços ambientais reconhecidos pela existência do parque estadual. Tais benefícios poderiam ser materializados em orçamento ou serviços sociais, porém exigiriam uma valoração prévia da área e de suas amenidades locais. Seriam gratos e devedores a esses municípios os moradores da Região Metropolitana e as empresas que fazem uso direto da água.

A segunda alternativa poderia ser amparada pela melhor regulamentação do ICMS ecológico em nosso Estado, na qual o município recebe recursos, exclusivamente públicos, para gerir a conservação das unidades e, dessa forma, cria uma estrutura capaz de gerar empregos, renda e que poderia contribuir com pesquisas e educação ambiental. Certamente, ao também participarem dos resultados da gestão ambiental, os municípios das áreas preservadas poderão reconhecer os benefícios da preservação e atender às necessidades locais reorientadas a um desenvolvimento sustentável. 

Economista e professor de Pós-Graduação em Economia na Pucrs

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil