Porto Alegre, quinta-feira, 28 de outubro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
116333
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
116333
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
116333
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

CIÊNCIA Notícia da edição impressa de 06/05/2014

Brasil lança plano de atuação científica na Antártida até 2022

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Simões comemora o lançamento de política científica pelo Brasil
Simões comemora o lançamento de política científica pelo Brasil

O Brasil apresentou ontem, em um encontro internacional, o documento que deverá orientar a evolução da ciência nacional na Antártida pelos próximos oito anos. O Plano de Ação Ciência Antártica para o Brasil 2013-2022 propõe que as atividades de pesquisa do País no continente gelado sejam organizadas em cinco grandes projetos temáticos, com uma atenção especial para suas relações climáticas, físicas e biológicas com a América do Sul.

“Queremos explorar cada vez mais essas conexões”, afirma o pesquisador Jefferson Simões, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), relator do grupo de trabalho responsável pela elaboração do documento. Os cientistas querem entender, por exemplo, como a massa de gelo da Antártida influencia o clima no Brasil, os padrões de circulação do Oceano Austral e a conectividade - presente e passada - entre a fauna e a flora dos dois continentes.

“É a primeira vez que temos uma política científica de fato para o Programa Antártico Brasileiro, com eixos de pesquisa bem estabelecidos”, avalia Simões. Com isso, diz ele, espera-se aumentar ainda mais a produtividade e a qualidade da ciência nacional relacionada ao continente. “Queremos um programa científico de altíssima qualidade, que reforce a representação do Brasil nos fóruns internacionais de pesquisa antártica.”

O plano foi apresentado pelo secretário de Políticas e Programas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Carlos Nobre, na 37ª Reunião Consultiva do Tratado da Antártica, em Brasília. A ciência brasileira vive um bom momento na região, apesar do incêndio que destruiu a Estação Comandante Ferraz, em 2012. As pesquisas foram 100% retomadas, com instalações provisórias em terra e dois navios da Marinha. Uma licitação internacional para a reconstrução deve ser lançada neste mês.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Pesquisadores iniciam estudo de titanossauro encontrado em Marília
Pesquisadores da UnB começam a se debruçar sobre os ossos de um dinossauro que viveu há 70 milhões de anos
Cientistas brasileiros usam açafrão para eliminar mosquito da dengue
Cientistas da USP de São Carlos e da Ufscar viram que a curcumina, molécula presente no tempero, prejudica o desenvolvimento das larvas de Aedes aegypti
Fóssil estava localizado na margem de um açude em uma propriedade particular
Fóssil de 240 milhões de anos é encontrado no Interior do Rio Grande do Sul
‘Peixe lagarto’ foi da terra para o mar, diz estudo
Um grupo de cientistas encontrou na China o primeiro fóssil de um ictiossauro anfíbio