Porto Alegre, segunda-feira, 09 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
29°C
34°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1570 4,1590 0,31%
Turismo/SP 4,1000 4,3520 0,86%
Paralelo/SP 4,1100 4,3500 0,68%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
288253
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
288253
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
288253
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

PF Notícia da edição impressa de 22/12/2009

Tarso promete mais combate à corrupção

Ministro da Justiça apresentou um balanço do trabalho realizado em 2009

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou ontem que o combate à corrupção no País vai ser aprofundado "significativamente" em 2010, mesmo que seja um ano eleitoral. "Podem estar certos de que, independentemente de 2010 ser um ano em que teremos eleições, esse trabalho vai continuar cada vez mais profundo e cada vez mais responsável", disse o ministro. Ele explicou que a Polícia Federal (PF) está tecnicamente aparelhada, mais preparada do que antes, e tem o respeito cada vez maior da sociedade para esta tarefa.

O ministro deu a declaração após apresentar o balanço das atividades da Polícia Federal em 2009 e ao comentar os mais recentes escândalos de corrupção desmantelados em operações especiais, sobretudo os da Caixa de Pandora, que investiga o suposto mensalão do DEM em Brasília. "Estamos satisfeitos com todo o trabalho contra a corrupção que a PF vem fazendo no País", disse o ministro. "Esse trabalho vai continuar e vai se aprofundar em 2010", completou.

Tarso Genro reconheceu que tem crescido a sensação de que a corrupção aumentou no País. Mas isso ocorre, segundo ele, porque o combate ao crime organizado e aos crimes de colarinho branco tem sido mais intenso.

"Essa sensação ocorre também porque, por muito tempo, a corrupção esteve debaixo do tapete, não aparecia. E, hoje, quanto mais é combatida, mais ela aparece", disse. Segundo o ministro, "isso é bom para o País, para as pessoas honestas, para o Estado e para toda a sociedade".

Ele não quis fazer juízo de valor sobre as últimas descobertas noticiadas pelo jornal O Estado de S.Paulo, de que parte do dinheiro encontrado em buscas na residência oficial do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, seria dinheiro marcado pela Polícia Federal para facilitar a identificação. "Não faço juízo de valor sobre a natureza de provas colhidas. O inquérito ainda está em andamento", disse.

O diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, também disse que a corporação vem priorizando a obtenção de provas robustas como as obtidas na Operação Pandora, entre elas gravações em que políticos aparecem recebendo dinheiro. "Nessa operação como nas outras você percebe um esforço de técnica de investigação mais apurado. É muito difícil de se pôr a mão em dinheiro de corrupção", completou Corrêa.

O ministro Tarso Genro esclareceu que "o que tem ocorrido, não só nesta como em todas operações de combate à corrupção, é uma qualidade cada vez maior no inquérito e uma definição específicada de responsabilidades, o que pode ser medido pela quantidade de prisões preventivas autorizadas pelo judiciário".

Em 2009, conforme o balanço divulgado pelo ministro, foram realizadas 281 operações especiais no País de combate à corrupção, à lavagem de dinheiro, ao narcotráfico, aos crimes ambientais e outros ilícitos. Das 4.534 prisões realizadas no ano, 75% foram na modalidade preventiva (3.392), que exigem maior rigor na qualidade da prova produzida, o que, segundo o ministro, demonstra o aperfeiçoamento técnico das investigações da PF.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR