Porto Alegre, sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
28°C
15°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
172244
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
172244
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
172244
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ELEIÇÕES 2014 Notícia da edição impressa de 05/03/2014

Não concorro a deputado, enfatiza José Fogaça

Fernanda Bastos

FREDY VIEIRA/JC
Ex-prefeito aguarda posição de Pedro Simon sobre reeleição ao Senado para avaliar quadro
Ex-prefeito aguarda posição de Pedro Simon sobre reeleição ao Senado para avaliar quadro

Apontado por muitos peemedebistas como um forte candidato para a Assembleia Legislativa ou à Câmara dos Deputados, o ex-prefeito de Porto Alegre José Fogaça (PMDB) é enfático ao negar os rumores de que disputará uma vaga em uma dessas casas parlamentares neste ano. Fogaça ressalta que não irá concorrer a deputado federal ou a deputado estadual. O seu papel nessa eleição será o de apoiar. No entanto, não descarta definitivamente disputar a vaga ao Senado. Nos bastidores, o comentário é de que ele é o nome preferido do senador Pedro Simon, caso não concorra à reeleição.

Em entrevista ao Jornal do Comércio, o ex-prefeito de Porto Alegre, ex-senador e ex-deputado federal constituinte declara que apoia a candidatura do ex-prefeito de Caxias do Sul José Ivo Sartori ao governo do Estado. Ele explica que considera Paulo Ziulkoski, que rivaliza com Sartori a indicação do PMDB para concorrer, também um bom candidato.

Entretanto, argumenta que ele já havia se comprometido, meses atrás, a apoiar o ex-prefeito de Caxias, e não irá mudar a posição. Apesar da disputa entre os correligionários, para Fogaça, o maior problema do PMDB, no momento, é a divisão entre os partidários do apoio à candidatura da presidente Dilma Rousseff (PT), que terá o peemedebista Michel Temer como vice, e aqueles que acreditam que o partido não deve se vincular, mesmo em âmbito nacional, ao PT do governador Tarso Genro.

Afastado da vida pública desde a derrota em 2010 para Tarso na disputa pelo Palácio Piratini, o ex-prefeito volta a analisar o peso, na derrota, da opção pela neutralidade naquela eleição – nem apoiou a chapa de Dilma, cujo vice era peemedebista, nem a de José Serra (PSDB). E destaca que a decisão do apoio a um postulante ao Palácio do Planalto será determinante para o desempenho do candidato peemedebista ao Piratini no pleito deste ano.

Jornal do Comércio – O senhor deseja concorrer à Câmara dos Deputados ou à Assembleia Legislativa? Foi convidado pelo partido?

José Fogaça
– O partido não fez esse convite e, se fizesse, também não aceitaria. Candidato a deputado não serei. Não vejo espaço no partido nesse momento de tanta divisão interna. O que me cabe é ajudar o partido coletivamente, participar das atividades, ajudar os outros candidatos, incluindo, principalmente, Sartori, tentar unir ao máximo o partido dentro de um projeto para o Rio Grande do Sul e atuar como alguém que também não está só pensando em mandato, mas está pensando em um projeto. Nesse momento, é muito difícil para o PMDB definir um caminho, porque o partido está dividido. É preciso trabalhar muito para que essas questões críticas sejam superadas. E essa pode ser uma grande tarefa a ser realizada a partir de agora.

JC – Também não concorre ao Senado?

Fogaça
– Não pretendo me pronunciar sobre essa questão, enquanto o senador também não se pronunciar sobre ela. Ele é o meu candidato. Caso ele se pronuncie a respeito, a gente poderá levar em conta isso. Mas, antes de mais nada, minha posição é de apoiá-lo.

JC – Acredita que Simon deve concorrer?

Fogaça
– Essa questão é muito pessoal. Ele mesmo, às vezes, comenta sobre isso. O senador é representação. E ele tem inteiras condições de continuar representando.

JC - O partido já possui dois nomes dispostos a concorrer ao Palácio Piratini: José Ivo Sartori e Paulo Ziulkoski. Tem preferência por algum deles?

Fogaça
– Gosto muito do Ziulkoski, mas estamos, desde muito tempo, comprometidos com a candidatura de Sartori. Há vários meses havia dito a ele que o apoiava. Como ele decidiu ser candidato, espero que as pessoas que o entusiasmaram para ser candidato não deixem agora de apoiá-lo. Ziulkoski também é um nome excelente.

JC – Na sua avaliação, a disputa é positiva para o PMDB?

Fogaça
– A disputa entre os dois não é problema. O problema é que o PMDB é muito dividido hoje por questões que são externas ao partido, mais ligadas ao vínculo do partido nacional “o PMDB nacional” com o PT. O partido está dividido nesta questão. Fazer uma decisão pelo Sartori, pelo Ziulkoski, pelo (Germano) Rigotto, pelo Ibsen (Pinheiro) não é problema. Não é problema para partido nenhum, muito menos para o PMDB. Ao contrário, é uma vantagem ter tantos nomes com tanta qualidade. O problema maior para nós, neste momento, é a profunda divisão partidária que existe em função da questão nacional.

JC – Apoiar Dilma, que tem como vice um peemedebista, é a melhor opção para o PMDB?

Fogaça
– O PMDB tem que apoiar um candidato a presidente que o apoie. Vivi uma situação trágica na eleição passada. O partido (PMDB) apoiava uma candidata (Dilma Rousseff) que apoiava aqui (no Estado) o meu adversário (Tarso Genro, do PT). Havia uma correia de transmissão profundamente negativa, que acabava com todo o esforço que a gente fazia. Quanto mais esforço eu fizesse, mais eu anulava o meu esforço.

JC – Alguns peemedebistas  acreditam que os votos do PMDB podem migrar para outro candidato se o partido apoiar Dilma no Estado. Concorda?

Fogaça
– O eleitor do PMDB vota no PMDB. Mas o eleitor em geral, obviamente, quando constata que um candidato está completamente isolado em termos nacionais, que não tem um projeto nacional, e o PMDB abriu mão de um projeto nacional, ele abandona esse candidato. Fizemos 25% dos votos na eleição passada, o que foi um verdadeiro milagre diante da situação que eu enfrentava. Nossa candidatura não estava vinculada a nenhum projeto nacional. Os eleitores tinham que ter nos abandonado a nível zero. Felizmente, ainda conseguimos 25%. A questão nacional foi determinante para o nosso desempenho.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Planos de saúde doaram R$ 55 milhões nas eleições de 2014
O apoio financeiro de 40 empresas do setor ajudou a reeleger Dilma Rousseff, três governadores, três senadores, 29 deputados federais e 29 deputados estaduais
Executiva do banco Santander diz na justiça que PT ‘exigiu’ sua demissão
Sinara foi demitida em julho em meio à polêmica criada em torno de uma correspondência enviada aos clientes do banco informando-os sobre "os riscos da reeleição" da presidente Dilma
Termina hoje prazo para diplomação de eleitos em outubro
A diplomação é o último ato do processo eleitoral e legitima o candidato a tomar posse no cargo para o qual foi eleito
Eleitor tem até quinta-feira para justificar ausência no primeiro turno
O eleitor que deixou de votar no primeiro e no segundo turnos deverá apresentar a justificativa para cada turno separadamente