Porto Alegre, domingo, 25 de agosto de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
13°C
22°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1220 4,1240 1,10%
Turismo/SP 4,0600 4,2800 1,18%
Paralelo/SP 4,0700 4,2900 1,17%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
279347
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
279347
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
279347
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Campeonato Gaúcho Notícia da edição impressa de 17/02/2014

Goleada e euforia no retorno ao Beira-Rio

Deivison Ávila

MARCOS NAGELSTEIN/JC
Após 15 meses sem atuar em sua casa, jogadores colorados puderam voltar a jogar no Gigante
Após 15 meses sem atuar em sua casa, jogadores colorados puderam voltar a jogar no Gigante

A espera durou 447 dias. Foram 15 meses sem a bola rolar no Beira-Rio. Desde a derrota para a Portuguesa por 2 a 0, no dia 26 de novembro de 2012, o torcedor não assistia ao time jogar em casa. A euforia estava estampada no rosto de cada colorado. A espera na fila durou cerca de duas horas para alguns. Tempo esse que pareceu segundos na ânsia de matar a curiosidade para ver como ficou o novo estádio. Momentos antes de a bola rolar, cerca de 10 mil associados entoavam o grito: “ô, o Beira-Rio voltou, o Beira-Rio voltou”.

A noite de sábado entrou para a história com o primeiro jogo-teste do remodelado Gigante. O Caxias ameaçou, mas quando estava melhor, o Inter golpeava com um novo gol. No final, o colorado goleou por 4 a 0 e segue isolado na liderança do Grupo A, com 22 pontos.

O primeiro teste do Beira-Rio pode ser avaliado da seguinte forma: por fora, o estádio carece de muitas obras. O acesso foi dificultado por buracos, poças d’água e combros de areia. Como foram disponibilizados apenas três portões, e grande parte dos sócios deixaram para chegar na hora do jogo, o acesso foi moroso, mas não houve incidentes graves. Por dentro, a situação estava melhor: banheiros modernos e em bom número, cadeiras confortáveis e iluminação irretocável do campo contrastam com o canteiro de obras do entorno. Na área reservada à impresa, a falta de energia nos corredores e de acesso à internet foram dois pontos negativos.

Desafetos marcam, e torcida se rende aos artilheiros

A goleada por 4 a 0 sobre o Caxias foi desenhada com boas jogadas, troca de passes fluente e com dois protagonistas que passaram de vilões no ano passado a mocinhos nesta temporada. O lateral-esquerdo Fabrício entrou para a história do clube, marcando o primeiro gol do novo Beira-Rio. Rafael Moura anotou outros dois, e o lateral-esquerdo fechou novamente o marcador.

Aos 21 minutos, Fabrício, assim como Claudiomiro na inauguração em 1969, cabeceou para balançar as redes da nova casa. Após ótima jogada do chileno Aránguiz, o camisa 6 apareceu para abrir o placar. Aos 30, Alan Patrick carimbou a trave. Quatro minutos depois, a primeira intervenção de Muriel, em bom chute de Max. 

Na saída para o intervalo, o capitão D’Alessandro era só elogios ao estádio. “A grama está perfeita. Vale destacar o trabalho dos funcionários do clube e da direção para que tivesse este jogo”, lembrou. O nome do jogo também enalteceu o momento vivido. “Não tem palavras. Podem falar o que quiser, mas agora entrei para a história deste estádio com o gol”, comemorou Fabrício.

No segundo tempo, o ritmo vermelho não esmoreceu. No primeiro minuto, após bom toque de D’Ale, Aránguiz levantou a bola na medida para Rafael Moura. O atacante apenas cumprimentou para o fundo do gol. A polêmica comemoração em Novo Hamburgo, diante do Cruzeiro, mandando a torcida silenciar e sendo vaiado, ficou para trás. Desta vez, a massa gritou o nome do camisa 11.

Aos 19, He-Man marcou novamente. No momento em que o Caxias mais ameaçava, D’Ale infiltrou, fez ótimo passe nas costas da zaga e o contestado avante tocou na saída do goleiro Douglas, fazendo o 3 a 0. Sem opções, o Caxias partiu para cima e criou três ótimas chances. Primeiro, Lucão desperdiçou boa oportunidade. Em seguida, Maílson, que acabava de entrar, acertou a trave e depois forçou Muriel a fazer uma excelente defesa. 

Cadenciando o jogo e esperando o tempo passar, o time de Abel Braga tirou o pé do acelerador. O Caxias até tentava, mas a diferença era gigantesca. No fim, aos gritos de “olé” da torcida, Fabrício voltou a dar o ar da graça. Aos 45, arriscou de longe, a bola quicou no famoso montinho artilheiro e Douglas aceitou o quarto gol da partida, dando números finais ao primeiro jogo oficial da moderna casa vermelha, que ainda precisa de retoques.

Abel lamentou o fato de não poder seguir atuando no estádio, já que, na terça-feira, diante do Juventude, o Inter deve mandar o jogo em Novo Hamburgo. “No fundo a gente continua sem casa. Não sabia desta notícia. É muito ruim não ter essa sequência. Temos que continuar criando essa identidade do torcedor com o estádio”, lamentou o treinador.

Internacional 4 x 0 Caxias
Muriel; Cláudio Winck, Paulão, Juan (Ernando) e Fabrício; Willians, Aránguiz, Alan Patrick (Valdívia), D'Alessandro e Jorge Henrique (Otávio); Rafael Moura.
Técnico: Abel Braga.
Douglas; Max (Léo Korte), Tiago, Jean e Dieyson; Baiano, Alisson (Karl), Wallacer e Rafael Carioca; Lucão e Júlio Madureira (Mailson).
Técnico: Picolli.
Árbitro: Anderson Daronco.
COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Primeiro tempo arrasador garantiu a conquista dos donos da casa
Pentacampeão, Inter mantém o Estado pintado de vermelho
De atuação destacada no jogo, Valdívia marcou o segundo gol do Inter
Inter bate o Grêmio por 2 a 1 e é pentacampeão gaúcho
Final do Gauchão terá Caminho do Gol em Porto Alegre
Concentração da torcida mista, desta vez, será no Parque Marinha do Brasil, na Praça das Armas, com espaço ampliado
Grenal 406 terá torcida mista no Beira-Rio
Inter e Grêmio se enfrentam neste domingo para decidir o Gauchão 2015