Porto Alegre, terça-feira, 17 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
17°C
24°C
14°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1000 4,1020 0,29%
Turismo/SP 4,0400 4,2800 0%
Paralelo/SP 4,0500 4,2900 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
604764
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
604764
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
604764
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

HISTÓRIAS DO COMércio e dos serviços Notícia da edição impressa de 20/01/2014

Farmácia Hisserich mantém a tradição em Panambi

Ariel Engster

ARIEL ENGSTER/ESPECIAL/JC
O prédio do empreendimento foi declarado patrimônio histórico da cidade do Noroeste gaúcho
O prédio do empreendimento foi declarado patrimônio histórico da cidade do Noroeste gaúcho

O comércio de Panambi, no Noroeste do Estado, cresceu em volta da praça central da cidade. Lá, um dos prédios mais antigos do município abriga, desde o final dos anos 1920, a Farmácia Hisserich. Uma das tantas famílias alemãs a colonizarem a cidade a 380 quilômetros de Porto Alegre, os Hisserich viviam no Rio de Janeiro, onde Carlos Augusto trabalhava em uma grande farmacêutica. Da Alemanha, seu pai, Ludwig Georg, comprou uma gleba de terra em Panambi, ainda só um pequeno povoado, e avisou: iria para lá quando se aposentasse. Assim o fez, levando consigo a parte fluminense da família.

Em Panambi, Carlos Augusto abriu uma pequena farmácia, na parte baixa da praça. Depois, compraram as terras em que a farmácia está até hoje. O prédio já estava lá, e era utilizado para um pequeno comércio pelo antigo dono. O começo não foi fácil, pois, naquela época, muitas pessoas ainda se tratavam com medicamentos caseiros, como chás. No começo dos anos 1940, os dois filhos de Carlos Augusto saíram de casa. Enquanto Walter Carlos, o Carlinhos, ia para o serviço militar em Santo Ângelo, Jorge foi para Porto Alegre estudar farmácia.

Nessa época, a Segunda Guerra Mundial iniciava na Europa. Muitos jovens brasileiros foram chamados para lutar na Itália, e Carlinhos foi um deles. Quando a guerra terminou, Carlinhos enviou um telegrama avisando que em dez horas embarcaria de volta ao Brasil. A alegria que chegou junto do telegrama acabou quando outra correspondência apareceu. Em um acidente, enquanto trabalhava no transporte dos soldados até os barcos, Carlinhos faleceu. Seu nome é o primeiro na placa em memória aos pracinhas mortos na Itália, no Monumento ao Expedicionário do Parque da Redenção.

A morte abalou a família. Logo, Carlos Augusto sofreu um derrame e não pôde mais trabalhar. Com isso, Jorge teve de abandonar os estudos e voltar para Panambi e assumir a farmácia. Como não obteve o diploma, atuou até o fim da vida com uma licença especial de farmacêutico, podendo atender somente em sua vila de origem. A esposa Ruth, que trabalhou durante 35 anos ao lado do marido, garante que não ter concluído a faculdade foi a única tristeza de Jorge. “Ele só lamentou não poder assinar como farmacêutico”, diz.

Jorge era muito bem-humorado e conquistava as pessoas pela simpatia. No entanto, como gestor da farmácia não tinha muito sucesso. “Ele era farmacêutico de coração. Dinheiro não importava pra ele”, diz Ruth. Nos sábados, quando Ruth recolhia o jaleco de trabalho do marido, encontrava nos bolsos vários bilhetes. Era esse o sistema de “controle” de vendas de Jorge: ele anotava nos bilhetinhos quem havia comprado que remédios, em uma espécie de promissórias – que nunca eram cobradas. Quando chegava em casa, Jorge jogava fora os bilhetes. Se alguém aparecia para pagar, não havia registro nenhum de quanto era a dívida e Jorge tinha que combinar com a pessoa o valor que ela pagaria. A madrasta de Jorge acabou trazendo a irmã da Alemanha para assumir o caixa e controlar as finanças da farmácia.

Tombamento do prédio causou disputa judicial

Em 1991, Jorge faleceu. Estava trabalhando na farmácia quando teve um mal súbito e não resistiu. A morte exigiu que mudanças fossem feitas, pois não havia quem assumisse a farmácia. Nenhum dos filhos era formado em farmácia – Jorge não incentivou nenhum dos herdeiros a seguir a carreira dele. Foi a nora dele, Elaine, que primeiro manifestou interesse em continuar com o negócio – até porque fechar o comércio seria mais caro, e eles não tinham condições. Assim, Carlos Artur, filho de Jorge e Ruth, se sentiu na obrigação de acompanhar o desejo da esposa Elaine e voltar de Bagé, onde havia concluído os estudos em veterinária.

A esposa de Carlos Augusto e as antigas funcionárias passaram a tocar farmácia. Os resultados da empresa, no entanto, não estavam muito bons. Carlos Artur decidiu, então, alugar a farmácia, o que deixou Ruth triste. “Na minha velhice ainda vão mudar o nome da nossa farmácia”, lamentou-se. No entanto, Carlos Augusto explicou que isso não seria necessário: eles passariam o controle do comércio, mas a marca continuaria a mesma. Assim, uma das funcionárias assumiu o controle da Hisserich e o mantém até hoje.

Procurando aumentar os rendimentos da farmácia, Carlos Artur decidiu instalar um ponto de pagamentos do Banrisul. Quando tiraram uma janela da fachada para instalar uma nova porta, um juiz apareceu e mandou parar a obra. O prédio já havia sido considerado patrimônio histórico do município.

Segundo Ruth, a família desconhecia o tombamento. “Para nós foi uma grande surpresa quando veio a justiça e disse que não podíamos mexer na casa”, garante. Seguiu-se uma disputa judicial contra a prefeitura e durante quatro anos não foi possível fazer qualquer alteração no prédio. A decisão acabou sendo favorável aos Hisserich, considerando que não teria havido dano ao patrimônio.

COMENTÁRIOS
miria - 20/01/2014 - 14h35
Sou da grande Porto Alegre e adorei a reportagem sobre a farmácia, como é bom ouvir histórias das origens, parabéns pela reportagem.


Lili -
24/01/2014 - 21h07
trabalhei 12 anos com o Sr.Jorge e com dna.Ruth.Fui muito feliz la,pois tudo que sei hj. sobre medicamentos foi ele que me ensinou ele era mais pai do que patrão. como se dizia na época.Com a sua morte Panambi perdeu um ótimo cidadão e amigo do povo,ele ajudava a todos com muito carinho.


JORGE ADOLFO DE ARRUDA -
25/01/2014 - 17h58
Não lembro de conhecer Ariel Engster, mas gostaria de conhecê-la, afinal transcreve com fidelidade uma história que conheço um pouco. Sobre o Jorge Hisserich só lembranças boas, parece até que Deus tinha apanhado um dos seus anjos e recomendado...vá lá cuidar das pessoas em Panambi. Mas assim como mandou, Deus buscou, hoje Jorge está na glória juntinho de Deus. Desvinado um pouquinho do assunto...Panambi teve pai e mãe, o Pai com certeza foi o Jorge Hisserich e a mãe Dona Maria Edite Zimmermann.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Relação com os clientes que frequentam o local há décadas é mantida, diz Gitz
Pé de Meia se adapta às mudanças da moda
Segundo Lumertz, cerca de dois refrigeradores antigos passam pelo conserto por mês
Luzitana é referência em assistência para geladeiras antigas
Braga e Bandeira se especializaram em oferecer variedade de rótulos
Bier Markt cativa os amantes das cervejas artesanais
Manoela, Alexandre, Daniela e Patrícia seguem à risca os ensinamentos do fundador
Freire Imóveis tem prazer em atender