Porto Alegre, sexta-feira, 14 de maio de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
981960
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
981960
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
981960
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

TRABALHO Notícia da edição impressa de 27/12/2013

Assembleia aprova o mínimo de R$ 868,00

Rafael Vigna

A Assembleia Legislativa do Estado aprovou por unanimidade o novo piso regional gaúcho. O Projeto de Lei (PL) 374/2013 institui reajuste de 12,72% sobre os R$ 770,00 pagos atualmente, eleva o montante dos vencimentos para R$ 868,00 a partir de 1 de fevereiro do próximo ano e cria uma nova faixa, no valor de R$ 1,1 mil. O novo valor referencial deve injetar cerca de R$ 1,3 bilhão na economia do Rio Grande do Sul.

Com as galerias do plenário Júlio de Castilhos lotadas por representantes sindicais, os deputados da situação e da oposição confirmaram com 45 votos favoráveis o novo vencimento, que atinge mais de 1,2 milhão de trabalhadores gaúchos. Com o reajuste, o piso local equivale a 1,2 o valor do mínimo nacional, que atingirá o patamar de R$ 724,00 em 1 de janeiro de 2014.

Envolvido nas negociações que se iniciaram com a reinvindicação de um índice acima de 16%, o presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-RS), Guiomar Vidor, considerou o aumento positivo. De acordo com o dirigente, a aprovação abre caminhos para a construção de uma política permanente de valorização salarial, a exemplo do que ocorre na esfera nacional. A meta, segundo Vidor, é atingir a proporção de 1,28 salário-mínimo em 2015.  

“Entendemos que o voto dos deputados foi coerente e em defesa da valorização salarial. O salário atinge mais de 1 milhão de trabalhadores, e justamente aqueles que mais necessitam de proteção do Estado”, comemorou.

Vidor afirmou que o governo do Estado sinaliza para a manutenção do patamar de valorização pretendida sobre o mínimo nacional. Quando implantado pela primeira vez, em 2001, o piso gaúcho superava em 28% o valor do piso vigente no País.

Após a votação desta quinta-feira, a Federação das Associações Comerciais e de Serviços do Rio Grande do Sul (Federasul) divulgou nota considerando “preocupante” o reajuste do mínimo regional. A proposta dos representantes empresariais defendia o índice de 5,8%. De acordo com o presidente da entidade, Ricardo Russowsky, o aumento substancial pode, em um primeiro momento, gerar euforia e ampliar o poder de consumo das famílias. No entanto, no médio e no longo prazo, Russowsky identifica “mais inflação e perda de produtividade e de capacidade de investimento pelas empresas”.

O texto aprovado ainda inclui duas emendas de deputados da base governista. As novidades são a inserção de uma nova faixa para os egressos do ensino médio técnico e a determinação da remuneração mínima dos servidores públicos da administração direta, das autarquias e das fundações de direito público.

Novo salário-mínimo injeta R$ 28 bilhões na economia

O aumento de 6,78% no salário-mínimo anunciado pela presidente Dilma Rousseff no início da semana injetará, no ano que vem, R$ 28,4 bilhões na economia brasileira, segundo estimativa do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A partir de janeiro, o piso nacional passará de R$ 678,00 para R$ 724,00.

Ainda de acordo com o estudo, em ano em que o governo terá pela frente desafios fiscais, o aumento salarial garantirá uma elevação de R$ 13,9 bilhões na arrecadação tributária sobre o consumo. A maior contribuição será da renda de beneficiários do INSS, cujo impacto na economia será de R$ 12,8 bilhões, e na arrecadação tributária, de R$ 6,25 bilhões.

Segundo os cálculos da entidade, o salário-mínimo brasileiro acumula aumento real de 72,35% desde 2002, quando o piso de R$ 200,00 foi estabelecido. No ano seguinte, quando a inflação medida pelo INPC chegou a 18,54%, o governo elevou o mínimo em 20%. Na série histórica, a maior alta real ocorreu em 2006, quando o aumento, descontando a inflação, chegou a 13,04%, fixando o salário daquele ano em R$ 350,00.


COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Para Norma Kreling a nova realidade demográfica deve inspirar políticas sociais para os idosos
Cresce população de idosos no mercado de trabalho da Região Metropolitana de POA
Empresa deve ser multada após tramitação de processo administrativo
MTE flagra 263 adolescentes em condição irregular no McDonald’s
Ministério do Trabalho flagra 263 jovens em trabalho irregular no McDonald's
Fiscais do Ministério do Trabalho flagraram 263 adolescentes em trabalho irregular em 14 estabelecimentos em Porto Alegre
Número de horas pagas na indústria recua 1,2% em julho
Com o resultado, o indicador acumula queda de 6,0% no ano e recuo de 5,5% em 12 meses