Porto Alegre, quinta-feira, 23 de setembro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
159700
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
159700
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
159700
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
[email protected]

Repórter Brasília

Coluna publicada em 05/12/2013

Economia que prejudica

As pesquisas de intenção de voto mostram a presidente Dilma Rousseff (PT) na frente, às vezes indicando a vitória em primeiro turno. O deputado Eliseu Padilha (PMDB), presidente da Fundação Ulysses Guimarães, comentou o crescimento de Dilma nas pesquisas alertando que é sempre um retrato de determinado momento. “Não significa que retrata o passado e nem que vai ser assim no futuro.” Para Padilha, a economia e as contas públicas definirão o debate do próximo pleito. “Até acho que a tendência é a presidenta crescer nas pesquisas. E esse crescimento só poderá ser prejudicado pela economia ou pelo mau resultado de contas públicas, duas áreas em que o governo está procurando agir para ter os melhores indicadores”, comentou.

O nó dos estados

Enquanto na esfera federal o PT e o PMDB fortalecem as alianças, nos estados, a situação muda bastante. O Rio Grande do Sul é um exemplo. Os dois partidos têm uma richa histórica e se recusam a formar uma chapa ou apoiar a reeleição de Dilma Rousseff. Em outros estados, como o Maranhão e o Rio de Janeiro, o PT não queria mais fazer parte da aliança com o PMDB. E Eliseu Padilha, que cuida da articulação com os estados, teve que ajudar a desatar esse nó. Na reunião com Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi acordado que o PT não vai sair da chapa do peemedebista Sérgio Cabral no Rio de Janeiro até o ano que vem e que o PT maranhense irá apoiar o PMDB. Padilha cobra lealdade. “Temos cinco ministérios e uma participação expressiva no governo”. Portanto, o PMDB é governo, ele está aliado. Qualquer diretório estadual que queira abrir uma dissidência terá que fazer passar isso pela forma que é apropriada, que é a convenção estadual, tomar uma decisão e submetê-la ao diretório nacional.

Mudança à gaúcha

Mas enquanto nacionalmente não serão muitas as surpresas, no Rio Grande do Sul, de acordo com Padilha, a situação vai mudar bastante. “Os partidos começam a colocar o time em campo. O PP tem uma excepcional candidata, que é a senadora Ana Amélia Lemos, lidera todas as pesquisas no Estado nesse momento. O PT até agora indica que o candidato deverá ser o próprio governador Tarso Genro, que vai buscar a reeleição. O PDT realiza, no sábado, uma pré-convenção para definir também se vai de candidatura própria. Parece que há uma tendência para o PDT ter candidatura própria. O PMDB terá candidatura ao Palácio Piratini. Nós estamos ainda definindo o nome.” O deputado peemedebista cita também a possibilidade de o PSB lançar um nome ao governo estadual para dar palanque à candidatura de Eduardo Campos.

Redes sociais

Padilha acredita que as mídias sociais vão ser o grande curinga das eleições do ano que vem. “As eleições de 2014 no Brasil vão ser o que foi a primeira eleição de Barack Obama, em 2008, nos EUA, onde as mídias sociais definiram o pleito”, disse.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Golpe e corrupção
A sessão desta quinta-feira na Câmara deverá ser marcada principalmente por duas palavras: golpista e corrupto
Depósitos judiciais
Está sendo discutido no Supremo Tribunal Federal (STF) o uso de depósitos judiciais para pagar despesas públicas
Estatuto do Desarmamento
A comissão especial que trata do projeto de lei que revoga o Estatuto do Desarmamento deve votar o relatório do deputado Laudívio Carvalho (PMDB-MG) hoje
Brasil chinês
A Câmara dos Deputados aprovou a urgência na tramitação do projeto de lei que regula a compra de terras brasileiras por estrangeiros