Porto Alegre, terça-feira, 18 de junho de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
24°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8990 3,9010 0,02%
Turismo/SP 3,8600 4,0600 0,49%
Paralelo/SP 3,8700 4,0700 0,49%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
112302
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
112302
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
112302
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Varejo 27/11/2013 - 13h41min

Abras eleva para 5% previsão de crescimento de vendas

ANDRÉ NETTO/ARQUIVO/JC
Esta é a segunda vez que a entidade revisa para cima as estimativas para o setor
Esta é a segunda vez que a entidade revisa para cima as estimativas para o setor

A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) elevou sua previsão de crescimento das vendas em 2013 de 4,5% para 5%, depois da expansão acumulada no ano até outubro de 5,23%. De acordo com o vice-presidente da entidade, Marcio Milan, as projeções indicam que as vendas poderiam crescer até 5,2% no ano, mas que a entidade mantém a meta em 5%.

Esta é a segunda vez que a entidade revisa para cima as estimativas para o setor. A projeção no início do ano era de crescimento de 3,5%, que foi elevada para uma faixa de 4% a 4,5% em agosto.
Entre os fatores que Milan destaca como positivos está a queda da taxa de desemprego medida pelo IBGE, que ficou em 5,2%, a mais baixa para o mês desde o início da série histórica da Pesquisa Mensal de Emprego, em 2002, e a mais baixa do ano.

"Diminuiu o desemprego e aumentou a massa salarial disponível, duas coisas muito relevantes para o setor", destacou. Ele lembrou que a inflação de alimentos veio desacelerando desde a alta do primeiro semestre, o que permitiu a melhoria na renda disponível.

Apesar do otimismo do setor quanto à renda disponível, outubro foi um mês de alta nos preços da cesta básica da Abrasmercado, que inclui 35 produtos de largo consumo e é analisada pela GfK. A cesta registrou alta de 1,71% ante setembro, quebrando uma sequência de quatro meses de redução nos preços. Na comparação com outubro de 2012, houve alta de 7,16%.

Segundo o diretor de relacionamento da GfK, Marco Aurélio, a cesta sentiu o impacto do aumento dos preços da carne. "Houve um reflexo do fato de que alguns países reabriram o mercado para a carne brasileira e isso faz com que a oferta para consumo interno diminua", disse.

A GfK espera continuidade do aumento de preços da cesta básica em novembro e dezembro. Marco Aurélio destaca que o aquecimento das vendas no final de ano tende a gerar altas, mas espera redução a partir de janeiro de 2014.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Código de barras aponta a validade do produto, destaca Marcelo Sá
Inovações ajudam varejo a diminuir custos
Rede possui 26 lojas no Rio Grande do sul
Lojas Americanas inaugura primeira unidade em Santo Ângelo
Vendas no varejo caem 1,0% em julho ante junho, aponta IBGE
Na comparação com julho do ano passado, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram queda de 3,5% em julho deste ano
Abras revisa projeção de vendas em 2015 para queda de 0,30%
Entidade iniciou o ano com uma projeção de alta de 2% das vendas anuais, depois revisou a estimativa para 1% e, posteriormente, para expansão de 0,5%