Porto Alegre, terça-feira, 18 de junho de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
24°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8990 3,9010 0,02%
Turismo/SP 3,8600 4,0600 0,49%
Paralelo/SP 3,8700 4,0700 0,49%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
100287
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
100287
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
100287
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Varejo 26/11/2013 - 09h26min

Vendas do Natal devem crescer 4% em relação ao ano passado

MARCELO G. RIBEIRO/JC
O gasto médio deverá ser de R$ 478,73
O gasto médio deverá ser de R$ 478,73

O Natal dos gaúchos neste ano deve ser 4% maior que em 2012 em relação às vendas do varejo. É o que mostra a Pesquisa de Final de Ano 2013, realizada pela Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do RS (Fecomércio-RS). 

“O planejamento dos gaúchos nesse Natal é gastar o mesmo do que no ano anterior, porém sabemos que no momento de efetivar as compras grande parte acaba gastando mais do que o imaginado inicialmente”, destaca o presidente do Sistema Fecomércio-RS, Zildo De Marchi, através de nota da assessoria de imprensa. Para o dirigente, o Natal de 2013 vai ser um Natal bom, isto é, em que as vendas vão crescer com relação ao ano passado, mas a expansão será mais tímida do que em anos anteriores.

Pelos resultados, o número médio de presentes adquiridos será de 5,3 unidades por consumidor, sendo que as mulheres comprarão, em média, 5,7 unidades e os homens 4,6 unidades. O gasto médio deverá ser de R$ 478,73. Nesse quesito, os homens pretendem gastar R$ 477,24, enquanto as mulheres gastarão R$ 479,63.

Quanto às classes sociais, os gastos médios refletem a renda média de cada classe. Dessa forma, a classe alta deverá ter um gasto de R$ 704,93 e a classe baixa gastará, em média, R$ 296,14. A classe média gastará, em média R$ 422,99. O valor médio do presente nesta Natal deve ser de R$ 92,74. 

Os presentes mais procurados seguem a mesma linha de outros anos, despontando na preferência itens de vestuário (65,4%), seguido por brinquedos (46,5%) e calçados (25,2%). Dentre os locais de compra, os mais citados são as lojas dos centros das cidades (74,0%). 

Na hora de pagar as compras, os consumidores estão preferindo entrar o novo ano sem novas dívidas, já que 67,3% pretendem realizar compras à vista. Dentre os que pretendem parcelar, 53,5% pretendem pagar em 4 a 6 parcelas. Daqueles que recebem 13° salário (61,3%), os principais destinos dessa remuneração serão o pagamento de contas do mês (47,9%), a formação de poupança (43,6%) e a compra de presentes (41,9%). Como a resposta é de múltipla escolha, as destinações somam mais de 100%.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Código de barras aponta a validade do produto, destaca Marcelo Sá
Inovações ajudam varejo a diminuir custos
Rede possui 26 lojas no Rio Grande do sul
Lojas Americanas inaugura primeira unidade em Santo Ângelo
Vendas no varejo caem 1,0% em julho ante junho, aponta IBGE
Na comparação com julho do ano passado, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram queda de 3,5% em julho deste ano
Abras revisa projeção de vendas em 2015 para queda de 0,30%
Entidade iniciou o ano com uma projeção de alta de 2% das vendas anuais, depois revisou a estimativa para 1% e, posteriormente, para expansão de 0,5%