Porto Alegre, terça-feira, 12 de novembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
28°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1790 4,1810 0,94%
Turismo/SP 4,1200 4,3700 0,45%
Paralelo/SP 4,1300 4,3600 0,46%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
161847
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
161847
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
161847
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

INFRAESTRUTURA Notícia da edição impressa de 22/10/2013

Antaq autoriza início das obras no Cais Mauá

Consórcio PCMB define ainda nesta semana o novo cronograma para a revitalização da orla da capital gaúcha

Patrícia Comunello

JONATHAN HECKLER/JC
Finalização da primeira fase antes do Mundial de 2014 ainda é dúvida
Finalização da primeira fase antes do Mundial de 2014 ainda é dúvida

A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) deu o sinal verde para o começo das obras de revitalização do Cais Mauá, em Porto Alegre. A decisão, que era um dos pré-requisitos do contrato de concessão firmado pelo consórcio Porto Cais Mauá do Brasil (PCMB) para autorizar a intervenção mais aguardada na orla das últimas décadas, é considerado o último passo para finalmente deflagrar as melhorias na área de armazéns do antigo porto da Capital. Os representantes da PCMB informaram ontem que definirão nesta semana com os acionistas da empresa, que tem capital de grupos espanhóis, de investidores ligados à gestora NSG Capital e ao grupo Bertin, o novo calendário.

O diretor-executivo da PCMB, Ademir Schneider, informou que a expectativa é dar início à execução do projeto no começo de novembro. “Estou indo hoje (ontem) ao Rio de Janeiro, sede da NSG, para tratar do cronograma. Agora está em condições de começar”, declarou o diretor sem esconder o alívio. Na primeira fase, que envolve restauração e melhorias nos acessos e na infraestrutura, devem ser aplicados mais de R$ 60 milhões. Os projetos e autorizações da prefeitura e do patrimônio histórico estariam assegurados. A possibilidade de finalizar a fase um até a Copa do Mundo de 2014, compromisso que havia sido anunciado pelo consórcio, governo estadual e prefeitura da Capital, ainda não foi confirmada.

“A urgência é de terminar alguma coisa antes da Copa. O cronograma está muito atrasado”, admitiu Schneider. Em julho, os prazos previam conclusão até março do ano que vem, o que daria tempo de futuros operadores instalarem equipamentos. O complexo total é avaliado em mais de R$ 600 milhões, com torres comerciais, shopping center, hotel e área de eventos. Potenciais operadores ainda não estão sendo confirmados. ”Há muita dúvida sobre a execução devido à demora.” O grupo Vonpar, que previa montar uma área de lazer em um dos armazéns, anunciou que o projeto estava sendo reavaliado, pois não ficaria pronto para o Mundial. 

A decisão do conselho da Antaq foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) ontem.  O processo estava em exame desde o começo de setembro na sede do órgão, em Brasília. Sem o aval, a direção da PCMB havia silenciado à espera da aprovação. Segundo o texto, a agência aprovou “o início das obras de revitalização do Complexo Cais Mauá do Brasil”.

O projeto envolverá na primeira fase a restauração de 16 armazéns. Durante a execução das obras, a fiscalização será feita pela Antaq, que tem servidores de carreira em Porto Alegre, e pela Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH), que representa a agência em questões do contrato e que receberá e fará a gestão e a aplicação dos R$ 3 milhões anuais a serem pagos pelo consórcio como arrendamento por 20 anos.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Expectativa é movimentar mais de 34 milhões de toneladas neste ano
Porto do Rio Grande sente pouco os efeitos da crise
Licitação foi autorizada, disse Westphalen
Edital para dragagem do canal do Sangradouro sai em setembro
Quarta faixa vai da Arena do Grêmio até praça de pedágio de Gravataí
Nova pista da Freeway fica pronta em novembro
Muniz prevê que concessão de mais 6,5 mil quilômetros em dois anos
Concessões de rodovias devem ter R$ 55 bilhões