Porto Alegre, sábado, 21 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
18°C
21°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1510 4,1530 0,26%
Turismo/SP 4,1200 4,3600 0,69%
Paralelo/SP 4,1300 4,3700 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
124683
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
124683
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
124683
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

HISTÓRIAS DO COMÉRCIO E DOS SERVIÇOS Notícia da edição impressa de 30/09/2013

A Bayadeira se moderniza e continua atraindo clientes fiéis ao Bom Fim

Roberta Mello

JONATHAN HECKLER/JC
Silva e Lilian adquiriram o ponto há três anos
Silva e Lilian adquiriram o ponto há três anos

A cidade é Porto Alegre. O local é uma papelaria que oferece os serviços de gráfica e vende itens variados. O roteiro gira em torno de um homem que faz cópias de cédulas de dinheiro e vê sua vida mudar graças a isso. Assim se desenrola o filme O Homem que Copiava, longa-metragem do diretor gaúcho Jorge Furtado, produzido pela Casa de Cinema de Porto Alegre, cujo cenário foi A Bayadeira. Essa é mais uma de tantas histórias que marcam a trajetória da loja.

Escolhida para locação do longa, a papelaria e gráfica é uma das mais tradicionais da Capital. Situada na avenida Osvaldo Aranha, 1.000, no bairro Bom Fim, demonstra um pouco da sua longevidade e opulência na arquitetura, com o pé-direito alto e amplo espaço.

No entanto, apenas com um passeio pelo interior do salão de 200m2 é que se desvendam os tesouros  dessa sobrevivente. No fundo da sala, repousa uma das antigas máquinas de impressão, corte e encadernação, muito utilizada nos tempos de grande procura por fotocópias e até hoje útil na realização do trabalho do funcionário mais antigo, Jorge Ricardo de Oliveira.

Como quem não precisa provar sua experiência, A Bayadeira parece ter perdido, com o passar dos anos, o interesse em delimitar seu tempo de existência. Formalizada em 1978 pela família Marona, a loja completa 35 anos neste ano, o que já garante à balzaquiana grande prestígio entre o varejo local - mas é possível que tenha mais idade.

Ao adquirirem o ponto há três anos, os atuais proprietários, André Ricardo da Silva e Lilian Rodrigues Becker, depararam-se com evidências de que o estabelecimento existe há mais tempo. “O pessoal sempre fala em pelo menos 80 anos, e encontramos evidências de que de fato A Bayadeira opera desde pelo menos 1938”, afirma André.

Lilian conta que, durante a reforma, foram encontrados muitos objetos antigos, entre eles um cartaz d’A Bayadeira Casa da Sorte com a imagem de um Papai Noel vestido com roupa verde datado de 1938, com o endereço avenida Bom Fim – nome anterior da avenida Osvaldo Aranha, que só recebeu essa titulação em 1930.

Além disso, foi achado um recorte de jornal, também datado de 1938, com a explicação do termo que dá nome ao varejo: bayadeira denomina as mulheres indianas que se dedicam ao canto e dança.  Graças a essas evidências, pode-se acreditar que a empresa exista desde a década de 1930, muito antes da sua formalização.

Mudanças reinventam a loja


Antes funcionando como um bazar, ao ser adquirida pelo casal André Ricardo da Silva e Lilian Rodrigues Becker A Bayadeira teve de sofrer alterações no mix de produtos e serviços. Porém, alguns se mantiveram, como a encadernação, um dos carros-chefe do negócio e que há 32 anos está sob a responsabilidade do funcionário mais antigo, Jorge Ricardo de Oliveira. Tido como um dos patrimônios da livraria, o encadernador é procurado por clientes que vão ao local especialmente pela excelência com que desempenha a atividade.

Empolgado com a valorização do seu trabalho, Oliveira faz questão de exibir as máquinas antigas, com a pintura desgastada pelo tempo, mas que podem realizar o serviço melhor do que muitos instrumentos modernos. As guilhotinas afiadas e a impressora a calor continuam atraindo um público que busca material diferenciado.

A gráfica expressa, com a impressão de cartões de visita, convites, capas e pastas, é hoje o serviço mais procurado. “Mantivemos os computadores que vieram do nosso negócio anterior, a Doctor Cyber, mas talvez com o tempo tenhamos que focar apenas a gráfica, que é o que recebe maior demanda”, explica Silva.

O trabalho familiar desempenhado pelos antigos donos – Jones da Silva Marona e sua esposa, Maria Alice Marona –, mantido pelos atuais proprietários, é outro diferencial do comércio. Por isso, além da excelência nos serviços prestados, o casal fez questão de, ao adquirir o espaço, manter o nome e a identidade visual antigos. “A Bayadeira é conhecida no bairro, tem a simpatia das pessoas, não queríamos perder isso”, destaca Silva.

Os novos proprietários tiveram de se adaptar às tecnologias para atender às necessidades dos clientes e manter o prestígio. Para o futuro, o casal pretende investir em equipamentos necessários para a realização de fotoálbuns. A maior preocupação é a aposentadoria de Jorge. “Provavelmente não encontraremos um jovem qualificado para substituí-lo, teremos de buscar de um profissional experiente, mas com certeza não será alguém tão qualificado”, revela André, receoso com as possíveis reclamações dos clientes.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Relação com os clientes que frequentam o local há décadas é mantida, diz Gitz
Pé de Meia se adapta às mudanças da moda
Segundo Lumertz, cerca de dois refrigeradores antigos passam pelo conserto por mês
Luzitana é referência em assistência para geladeiras antigas
Braga e Bandeira se especializaram em oferecer variedade de rótulos
Bier Markt cativa os amantes das cervejas artesanais
Manoela, Alexandre, Daniela e Patrícia seguem à risca os ensinamentos do fundador
Freire Imóveis tem prazer em atender