Porto Alegre, quinta-feira, 23 de setembro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
753871
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
753871
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
753871
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Agronegócios Notícia da edição impressa de 24/09/2013

Produção gaúcha de arroz deve avançar 5%

Agricultores iniciam o plantio do cereal de olho nas projeções do mercado e nas previsões climáticas para o Estado

Nestor Tipa Júnior

Ainda que de forma tímida, os arrozeiros gaúchos já deram a largada na semeadura do grão no Rio Grande do Sul nesta segunda quinzena de setembro. O cultivo se iniciou pela Fronteira-Oeste. O primeiro município a plantar foi o de Uruguaiana, com 4 mil hectares plantados de 328 mil previstos na região. Mas Alegrete é que registra a maior área plantada neste primeiro momento, com 5,62 mil hectares.

No total, dos 30 mil hectares semeados no Estado, o que representa 3% da área total, 23,16 mil estão na Fronteira-Oeste. Estes produtores anteciparam o período tradicional do plantio, que tem início geralmente no dia 20 de setembro e vai até 5 de novembro. No entanto, o grande volume da semeadura do arroz deve ocorrer em outubro. A expectativa do Instituto Rio-Grandense do Arroz (Irga) é de que sejam plantados cerca de 1,1 milhão de hectares nesta safra, área 2%
superior ao registrado no período anterior.

Conforme o presidente do Irga, Cláudio Pereira, as precipitações paralisaram o trabalho nas lavouras, mas isto não deve afetar o ritmo ao longo do período do plantio. “A chuva impediu um início mais forte da semeadura, mas em outubro, quando é o período mais forte dos trabalhos a campo, temos previsão de tempo seco. Essa chuva ajudou a recuperar algumas barragens que estavam muito baixas e agora estão plenamente cheias. O solo úmido vai permitir que a cultura se desenvolva rapidamente”, salienta.

De acordo com Pereira, se o clima ajudar, além do aumento de área em 2%, a produtividade deve ter elevação de 3%. Isso faz com que o instituto feche uma previsão de colheita em 8,4 milhões de toneladas, acima das 7,9 milhões do período passado, o que dá uma alta de 5% na produção. Para o presidente do Irga, isso se deve aos preços praticados no mercado tanto do arroz quanto da soja, que desde a safra anterior divide terrenos com o cereal. “Este ano esperamos que 30% das áreas do arroz sejam destinadas para o consórcio com a soja. Acredito ainda que este número possa aumentar, pois os produtores estão animados com os preços dos grãos”, avalia.

O panorama de mercado, entretanto, requer cautela, segundo o analista de Safras e Mercado Eduardo Aquiles. Segundo ele, o arroz vem sofrendo com ligeira queda de preço, mas ainda está acima da média histórica para o mês. “Hoje, a cotação gira em torno de R$ 34,30, quando a média dos últimos cinco anos para setembro é de R$ 30,15. Um dos motivos é a intervenção do governo federal com leilões para segurar os preços. O que pode trazer algum problema ainda é a alta do dólar, que dificulta as exportações, e este produto pode acabar sobrando no mercado interno”, ressalta.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Anele diz que projeto Brazilian Rice ajuda a exportar arroz beneficiado
Projeto para exportar arroz beneficiado será estendido
Valor projetado para setembro é de R$ 0,814 o litro, aponta Conseleite
Preço do leite registra leve queda no Rio Grande do Sul
Aumento da umidade nos próximos dias vai retardar semeaduras
Clima ameaça a produtividade e o plantio
Agricultores participantes têm orientações para melhorar a produção
Programa incentiva boas práticas no meio rural