Porto Alegre, quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
28°C
32°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,3630 4,3650 0,11%
Turismo/SP 4,3100 4,5900 0,52%
Paralelo/SP 4,3200 4,5800 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
150685
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
150685
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
150685
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Agronegócios Notícia da edição impressa de 19/09/2013

Principado da Europa investe R$ 20 milhões no arroz gaúcho

Santa Maria vai sediar segunda estação de pesquisa da Ricetec no País, que começa a funcionar em outubro de 2014

Patrícia Comunello

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Príncipe Constantin vê potencial no Estado e planeja dobrar mercado de arroz híbrido
Príncipe Constantin vê potencial no Estado e planeja dobrar mercado de arroz híbrido

Com potencial a ser literalmente saboreado, o mercado de sementes híbridas de arroz irrigado no Estado, responsável por com 65% da safra do grão no País, está na mira da realeza de Liechtenstein. A família real do principado, localizado na Europa central, é a maior acionista da empresa Ricetec, que produz a matéria-prima hoje em 60 mil hectares do território gaúcho e colocará em operação, no segundo semestre de 2014, seu segundo centro de pesquisa do País, desta vez em Santa Maria. O outro fica em Rondônia. O projeto envolverá investimento de R$ 20 milhões.

O príncipe Constantin von Liechtenstein, CEO da fundação Príncipe de Liechtenstein, Vaduz & Vienna, gerencia o negócio pela família e projetou, nesta quarta-feira, em Porto Alegre, os planos para os próximos cinco anos. A empresa, com sede no Texas (EUA), já começou a construir estação em Santa Maria. O projeto foi cogitado em 2005, quando o pai do príncipe Hans-Adam II visitou o Estado e se reuniu com o então governador Germano Rigotto.

Constantin informou que a companhia investirá US$ 170 milhões até 2018, a maior parte para desenvolver variedades para o mercado indiano. Segundo o acionista, parte da cifra será aplicada no Brasil e demais países do Mercosul. “A intenção é dobrar a participação no mercado de sementes em cinco anos no Mercosul”, adiantou o príncipe. Na região, a Ricetec detém 7% da venda de sementes híbridas.

A estação de Santa Maria será erguida em uma área de 200 hectares. As instalações de laboratórios e escritório ocuparão pouco mais de 2 mil metros quadrados. A maior parte da área será ocupada pelos experimentos. Sobre a aposta em mercado local, o príncipe evitou dimensionar o porte futuro. “É difícil apontar o tamanho do crescimento e mercado a buscar (da Ricetec), mas estamos nos preparando para colocar bons produtos e com muito valor para os produtores”, adiantou Constantin.

O diretor-geral da empresa para o Mercosul, o engenheiro-agrônomo Ricardo Bendzius, ressaltou as vantagens de sementes híbridas, como menor uso de nitrogênio (um dos componentes essenciais de fertilizantes) e ciclo mais curto de desenvolvimento, que reduz a demanda por água. “A tolerância a doenças faz com que o agricultor use menos pesticidas”, observa Bendzius. Segundo ele, os arrozeiros gaúchos serão beneficiados com os experimentos, já que as sementes serão adaptáveis às lavouras do Estado, tornando-se mais resistentes a pragas e obtendo maior produtividade. O custo dos híbridos em relação à variedade pode ser até 12% menor do que as opções convencionais, segundo as fontes.

Notícia atualizada às 14h21min.

COMENTÁRIOS
apinagé - 22/09/2013 - 11h32
conheço esse pequeno canto do mundo,se aplicarem pelo menos a metade da organização que vi por lá,será sucesso garantido...


maria do socorro Pamponet -
22/09/2013 - 15h52
adorei saber sobre essa noticia...spi proprietaria de terras na região sul da Bahia e caso desejem parcerias estou disponível, pois minhas terras de cacau no momento a lucratividade é quase nula... Obrigado Aguardo retorno MSocorro


alda -
22/09/2013 - 17h44
Eu também conheci, passei umas horas no lugar. Fiquei tão abstraida no lugar que perdi a hora de voltar para o onibus da excursão. O guia muito "delicado " nso chamou a atenção.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Anele diz que projeto Brazilian Rice ajuda a exportar arroz beneficiado
Projeto para exportar arroz beneficiado será estendido
Valor projetado para setembro é de R$ 0,814 o litro, aponta Conseleite
Preço do leite registra leve queda no Rio Grande do Sul
Aumento da umidade nos próximos dias vai retardar semeaduras
Clima ameaça a produtividade e o plantio
Agricultores participantes têm orientações para melhorar a produção
Programa incentiva boas práticas no meio rural