Porto Alegre, segunda-feira, 17 de janeiro de 2022.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
150832
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
150832
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
150832
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

LOGÍSTICA Notícia da edição impressa de 28/06/2013

Transportadoras sofrem com a falta de motoristas

Tema será debatido na Transposul, que se inicia na quarta-feira

Jefferson Klein

FREDY VIEIRA/JC
Evento também abordará as deficiências na infraestrutura, diz Neto (c)
Evento também abordará as deficiências na infraestrutura, diz Neto (c)

O profissional mais importante dentro de um setor logístico que tem sua matriz concentrada no modal rodoviário está cada vez mais escasso. Conforme dados do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística no Estado do Rio Grande do Sul (Setcergs), faltam no Brasil em torno de 120 mil motoristas, sendo que cerca de 15 mil profissionais somente no Rio Grande do Sul.

O presidente da entidade, Sérgio Neto, destaca que antes esse era um ofício que passava de pai para filho. “Hoje, esses jovens estão buscando outros caminhos”, constata o dirigente. O coordenador da comissão de infraestrutura do Setcergs, Frank Woodhead, concorda com Neto e acrescenta que o motorista que dirige um veículo que representa um alto investimento precisa ser bem treinado. “Eles começam em caminhonetes, passam para os caminhões pequenos e depois chegam às carretas”, detalha Woodhead.

Além da migração para outras atividades, a Lei do Motorista (12.619), que limitou a jornada de trabalho da categoria em até 10 horas ao dia e determinou descanso semanal de 35 horas (viagens curtas) e 36 horas (viagens longas), agravou o problema. Isso porque, atualmente, há a necessidade de mais motoristas para atender à demanda. Apesar dessa dificuldade, o vice-presidente de transporte internacional do sindicato, Francisco Cardoso, alerta que as empresas transportadoras devem cumprir fielmente a legislação. Caso contrário, elas correm o risco de acumular um passivo trabalhista muito grande, que será cobrado no futuro.

Ele argumenta que os maiores fiscais da legislação são o Ministério do Trabalho e o próprio motorista. “Não respeitar a lei é criar uma bomba-relógio”, compara o dirigente. Essas são algumas das questões que serão discutidas durante a 15ª Feira e Congresso de Transporte e Logística (Transposul), que acontecerá no Centro de Eventos da Fiergs, em Porto Alegre, entre quarta e sexta-feira. O evento também deverá alcançar um volume de negócios de aproximadamente R$ 138 milhões.

A infraestrutura é outro assunto que será tratado no encontro. Aproveitando a onda de manifestações, o presidente Sérgio Neto afirma que é a hora de mudar esse setor. O coordenador da Transposul e vice-presidente Institucional do Setcergs, Afrânio Kieling, enfatiza que o Brasil precisa investir mais em infraestrutura. Segundo ele, o País destina apenas 0,3% do PIB a essa área.

De acordo com informação do sindicato, o custo logístico do Brasil é de 17,3% do PIB, contra 8% nos Estados Unidos e 9,5% na Ásia. O modal rodoviário representa 68,6% da matriz logística nacional, seguido do ferroviário, com 23,7%, e o restante é dividido entre o dutoviário e o hidroviário.

COMENTÁRIOS
Pery Sommer Pereira - 28/06/2013 - 16h07
Lembro que na decada de 50 se propagava por todos cantos "Transporte por caminhão" e agora aí esta o nocivo efeito. A grande solução ficou para traz - Hidrovias e ferrovias". Que burrada, erro crasso de avaliação ao futuro. Que pena.


cristiano de lima valter -
24/11/2013 - 09h54
120 mil vagas de motorista ....queria saber em qual estado.Moro em curitiba PR .faz 2 anos q tenho a carteira E Curso mopp EAR... Cadastro pancary um ano de experiencia com caminhao toco .inclusive algumas viagens PR.SC.SP.MG RG sul....a um mes fiz um curso de capacitacao em sao paulo para operar veiculo scania R440. Curso este com duracao de 333 horas sendo 170 h de operacoes reais .instituicao adolfo. Aibosio(fabet) ainda assim ning me da a oportunidade ...

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Grande safra de soja foi principal motivo do aumento dos embarques
Porto do Rio Grande teve recorde de movimentação no mês passado
Movimentação de mercadorias em contêineres no Brasil quase dobrou de 2010 a 2014
Crise trava expansão da navegação de cabotagem no País
ANTT autoriza reajuste de tarifas em trechos da BR-163/MT
Também foi reajustada a Tarifa Básica de Pedágio quilométrica, de R$ 0,02730 para R$ 0,04528, com entrada em vigor no prazo de dez dias
Zilá defende busca de empresas para construção da ferrovia
Trecho gaúcho da Ferrovia Norte-Sul é apresentado na Fiergs