Porto Alegre, quinta-feira, 17 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
27°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1680 4,1700 0,31%
Turismo/SP 4,0900 4,3400 0,68%
Paralelo/SP 4,1000 4,3300 0,68%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
937767
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
937767
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
937767
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
A Voz do Pastor Dom Dadeus Grings
mitra.poa@terra.com.br

A Voz do Pastor

Coluna publicada em 27/06/2013

Os três grandes desafios

O mundo de hoje apresenta três desafios a exigirem empenho de todos: a paz, a pobreza e o meio ambiente. Se não se conseguir equacioná-los, a humanidade corre risco de extinção.

Em primeiro lugar vem a promoção da paz. Infelizmente, desde os tempos do Império Romano, vem se repetindo: “se queres a paz, prepara-te para a guerra”. E como sempre se preparou guerra, também sempre ela foi promovida. Quando, no século XX, se descobriu e se fez explodir a bomba atômica, a situação tornou-se dramática. A humanidade, em meados do século passado, já tinha armazenado armamentos capazes de destruir 25 vezes toda a Terra.

A energia atômica, que parecia a grande solução para o problema energético, virou pesadelo tanto bélico quanto no uso pacífico. À primeira vista se tratava de uma energia a custo baixo. Mas os riscos são fatais. Basta lembrar o Japão, que teve uma despesa de bilhões de dólares com seus reatores atômicos avariados. O desastre de Chernobil vitimou mais de um milhão de pessoas. Isso significa que a energia atômica não apresenta condições de segurança. Os países adiantados já se estão pronunciando contrários a seu “uso pacífico”. O risco é grande demais.

O segundo desafio, o da pobreza, não é menos grave. Não é justo que pequena parcela da humanidade se locuplete enquanto grandes camadas sociais morrem à míngua. Ficamos contentes com o governo brasileiro, empenhado no combate à pobreza, indo ao encontro das famílias mais carentes. Junto com a alimentação deve vir a promoção humana. Cristo veio para que todos tenham vida em abundância. A primeira condição para uma vida plena é a autoestima. Não basta saciar a fome se não se proporcionam os demais valores da vida, principalmente o amor.

Uma sociedade que se baseia na judicialização dos conflitos descamba para a barbárie. Onde se incentiva o ódio e se acirram as tensões, só se pode colher frutos amargos de divisão, de violência, de corrupção. Necessitamos de uma conversão de modo a fazer prevalecer os sentimentos de amizade, de carinho e de solidariedade acima das reivindicações de Justiça e de direitos. Gostaríamos de que os brasileiros não se reconhecessem apenas como concidadãos por motivos geográficos, mas se acolhessem como irmãos e irmãs, construindo juntos uma civilização do amor.

O terceiro desafio é o meio ambiente. Envolve as exigências da preservação da natureza. Mas de modo sábio. Assim como na Índia, com tanta miséria humana, se cultuam vacas sagradas, no Brasil se estabelecem árvores sagradas, tornadas intocáveis. Há tanto exagero ecológico que inevitavelmente leva à corrupção e ao menosprezo das normas públicas, com uma enorme antipatia por esse setor, tornado  ideológico e desumano. Temos, de um lado, os predadores, que destroem nossas matas, poluem nosso ar, água e terra, abatem nossas aves e animais, e, de outro lado, os ecologistas fundamentalistas, que estabelecem exigências tão absurdas que inevitavelmente devem ser burladas para se poder progredir e realizar algo na vida. Talvez, na alta esfera do esforço ecológico, haja bom senso, mas na prática, que todos sentem na pele, só se criam tensões e dificuldades totalmente contrárias ao verdadeiro bem comum. Dá-se mais valor a um animal ou a uma árvore que à vida humana.

Necessitamos de um enorme esforço para promover a paz no mundo, superar a pobreza extrema e equilibrar o uso da natureza num esforço por uma ecologia humana para garantir condições dignas para os seres humanos.

COMENTÁRIOS
sergio - 27/06/2013 - 20h52
Meu querido pastor,estes tres desafios que o sr.menciona é a pura verdade,gosto muito de sua pessoa,fique com aluz de DEUS...

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Tempo de celebração e reflexão
A Igreja está celebrando os 50 anos da abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II
O novo arcebispo de Porto Alegre
Na Voz do Pastor da semana passada, procurei olhar para trás, destacando alguns marcos do caminho percorrido
A Arquidiocese de Porto Alegre
Em 1848, três anos após o término da Revolução Farroupilha, Porto Alegre foi elevada à categoria de diocese, desmembrada do Rio de Janeiro
Democracia e teocracia
Distinguem-se fundamentalmente dois sistemas de governo: um a partir do povo, com o nome de democracia; e outro a partir de Deus, chamado teocracia