Porto Alegre, sexta-feira, 20 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
17°C
21°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1630 4,1650 0,02%
Turismo/SP 4,1200 4,3600 0,69%
Paralelo/SP 4,1300 4,3700 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
573323
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
573323
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
573323
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Entrevista Especial Notícia da edição impressa de 22/04/2013

PMDB gaúcho garantirá palanque a Dilma, projeta Padilha

Alexandre Leboutte

ANTONIO PAZ/JC
Não vejo impossibilidade de o PMDB e o PT cuidarem de um projeto para o Estado, diz Padilha
Não vejo impossibilidade de o PMDB e o PT cuidarem de um projeto para o Estado, diz Padilha

Se depender dos encaminhamentos que estão sendo feitos por lideranças nacionais do PMDB com o presidente estadual da sigla, Edson Brum, a tendência é de que o diretório gaúcho apoie a candidatura à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) e do vice-presidente Michel Temer (PMDB), garantindo um palanque à chapa no Estado. 

Quem afirma é Eliseu Padilha, presidente da Fundação Ulysses Guimarães e primeiro suplente da bancada na Câmara dos Deputados, que deixou o posto no mês passado, com a volta do ex-ministro Mendes Ribeiro Filho (PMDB). No início de abril, Padilha foi o responsável pela organização de um encontro em Brasília entre Brum, Temer e outros caciques nacionais, em que se discutiu o posicionamento do partido em 2014. 

“Vamos seguir o projeto nacional do PMDB, que, no caso, está sendo o de manter a aliança PMDB/PT. Vale dizer, o PMDB do Rio Grande do Sul vai fazer campanha para Temer e para Dilma”, antecipa Padilha, defendendo que a decisão da maioria deverá ser seguida por todos. “O presidente Edson Brum, no dia da posse (no diretório), sinalizou que gostaria de iniciar tratativas para o PMDB no Estado acompanhar o projeto do PMDB nacional, fosse ele qual fosse”, relembra, sugerindo que dissidentes devem deixar a sigla.

Nesta entrevista ao Jornal do Comércio, Padilha avalia, ainda, a construção de uma candidatura ao Palácio Piratini para o próximo ano e o surgimento de novas lideranças. Argumenta que, ao discutir alianças, o partido terá de ceder espaços na chapa majoritária, podendo, inclusive, abrir a vaga ao Senado, hoje pertencente a Pedro Simon. Diz, também, que não acha impossível PMDB e PT estarem juntos no Estado em um futuro próximo.

Jornal do Comércio - Há movimentos para que o PMDB gaúcho apoie a reeleição de Dilma?

Eliseu Padilha - Sim. O PMDB do Rio Grande do Sul tem se constituído historicamente como o joãozinho-do-passo-certo em relação ao partido nacionalmente. Éramos dissidentes do PMDB nacional por várias razões e circunstâncias, especialmente na eleição nacional. A experiência mostrou que tínhamos que mudar de estratégia, e nisso o presidente (estadual da sigla) Edson Brum, no dia da posse, sinalizou que gostaria de iniciar tratativas para o PMDB no Estado acompanhar o projeto do PMDB nacional, fosse ele qual fosse. 

JC - Brum participou de reunião com a cúpula do PMDB em Brasília, no início do mês, para tratar do apoio ao PT...

Padilha - Esta reunião, tive o privilégio e a responsabilidade de organizar, entre o PMDB do Rio Grande do Sul e o PMDB nacional e algumas figuras ilustres do partido nacionalmente: o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros, o presidente da Câmara (Henrique Eduardo Alves), o presidente  nacional do PMDB (senador Valdir Raupp). Então, se pudesse fazer uma correção, eu diria: Nós não vamos apoiar o PT. Vamos seguir o projeto nacional do PMDB, que, no caso, está sendo no rumo de manter a aliança PMDB/PT na chapa majoritária. Vale dizer, o PMDB do Rio Grande do Sul vai fazer campanha para Temer e para Dilma, mas a nossa mobilização é em função do PMDB, em função do Temer, que escoa então na presidente Dilma.

JC - Essa ideia sofre uma grande resistência interna no PMDB gaúcho. O que aconteceria com quem não se dispusesse a seguir essa orientação?

Padilha - A democracia não é o regime da totalidade. O regime da totalidade é o absolutismo. A democracia é o regime da maioria. E quem se dispõe a participar de um determinado partido político, que sabe que o regime é majoritário, logo, que é democrático, tem, desde logo, que sua tese poderá ser vencedora ou derrotada. E, no partido político, aqueles que internamente são derrotados, normalmente, acompanham a decisão da maioria. Excepcionalmente, alguns saem. Vou pegar o exemplo do PT e o nascimento do P-Sol. O P-Sol nasceu de alguns parlamentares e outros líderes pelo Brasil afora que discordaram de posicionamentos do PT. Então, no nosso caso, o que vemos é que a maioria já quer seguir o projeto nacional do partido. Política a gente não faz contra, política a gente faz a favor . 

JC - Então, a tendência é de que, no Estado, o PMDB dê palanque para a candidatura da presidente Dilma? 

Padilha - A orientação que vejo sair da direção estadual é no sentido de que devemos acompanhar o projeto nacional do partido. Obviamente, já foi colocado lá na reunião com o presidente Michel Temer e com o presidente Raupp que o PMDB do Rio Grande do Sul não vai entrar participando apenas com os votos. O PMDB do Rio Grande do Sul quer participar também na administração. 

JC - Quando Henrique Eduardo Alves esteve com Tarso Genro (PT) no Palácio Piratini, o senhor disse que já não achava mais impossível uma aliança entre PMDB e PT no Estado... 

Padilha - Vamos rememorar. Estávamos pedindo votos para a presidência da Câmara (dos Deputados) em favor de Henrique Eduardo Alves, e o governador disse: “Olha, eu não sou eleitor, mas, se depender de mim, o PT inteiro vota com o candidato do PMDB, Henrique Eduardo Alves”. Na época presidente da Câmara, Marco Maia (PT), que acompanhava o encontro, provocou-me: “E então, Padilha, será que não é possível fazermos uma aliança aqui?” Eu disse: “Olha, já não vejo de todo impossível. Evidentemente que depende das posições. Por exemplo, se o PT obedecer à orientação do ex-presidente Lula de que, em alguns lugares, para conquistar o apoio, deve abrir mão (da cabeça de chapa)”. Por que não? Não vejo impossibilidade. Nesta eleição, acho que é absolutamente impossível, mas, no futuro, não vejo impossibilidade de, civilizadamente, os partidos que são os maiores concorrentes (PMDB e PT) cuidarem de um projeto para o Estado. 

JC - Qual seria o argumento para a união?

Padilha - O Rio Grande do Sul é, e será nos próximos anos, o pior estado em finanças públicas se não houver uma aliança estadual. Se continuarmos tendo muitas dissidências, as medidas duras que precisam ser tomadas para recompor as finanças não serão tomadas, porque, se o governo tomar qualquer atitude, o grupo que está na oposição - e neste caso a oposição acaba sendo maior - vai impedir que se façam as mudanças. 

JC - A saída de Mendes Ribeiro (PMDB) do Ministério da Agricultura foi injusta? 

Padilha - A presidente Dilma, por certo, gostaria de continuar contando com Mendes Ribeiro. Ele foi um dos ministros mais festejados pelos gaúchos de todos os tempos. Ocorre que ele tem a mesma equipe médica que atendia a ela. Segundo o médico, ela teria o dever de fazer com que ele fosse cuidar da saúde, porque é uma doença que exige um cuidado maior. 

JC - No ano passado, Mendes Ribeiro e Germano Rigotto apareciam como principais nomes para disputar o governo do Estado. Agora, fala-se mais de José Ivo Sartori, além de Rigotto. A candidatura ao Piratini deve sair desses dois nomes?

Padilha - Se quisermos voltar a fazer política, temos que, antes de nos preocupar com os nomes dos possíveis candidatos, nos preocupar com o programa que vai ser debatido e oferecido à sociedade. Num primeiro momento, debatê-lo para aperfeiçoá-lo, colher dados novos. Depois de consolidado, aí, sim: este é o programa do nosso partido, porque tem as nossas características genéticas. Por exemplo, é do DNA do PMDB,  a liberdade de expressão. É compromisso nosso a educação. É da história do MDB. É compromisso nosso a redistribuição da renda. Então, temos que, antes de pensar nos nomes, pensar no programa. 

JC - Como será construído o programa?

Padilha - O PMDB do Rio Grande do Sul, conforme manifestações já feitas pelo presidente Edson Brum, vai, a partir de uma pesquisa qualitativa -  dizer os números que  não interessam neste caso - saber o que o povo gaúcho quer do próximo governo. Quais são as prioridades. A partir disso, com os compromissos históricos do PMDB, é que se deve construir um programa para o Rio Grande do Sul. E, aí, sim, analisar quem poderá ser o melhor executor deste programa. 

JC - E os nomes?

Padilha - Eu diria que não temos nome nenhum. E temos todos os nomes. 

JC - Como assim?

Padilha - Não temos nome nenhum porque ainda não está desenhado o perfil do que quer o povo gaúcho do próximo governo e do próximo governador. Depois a gente pode começar a falar em nomes. Talvez tenhamos muitos nomes que pudessem se adaptar. Eu me atrevo a voltar a alguns nomes que são de trânsito dentro do partido. Devo começar pelo (ex-)ministro Mendes Ribeiro, se ele tiver condições de saúde. Entre os mais falados, está Germano Rigotto, nosso ex-governador. Seguramente, um nome, dentre todos, talvez o que mais mexa com a emoção do corpo do partido. Aonde Rigotto vai, em qualquer evento partidário, é ovacionado. Portanto, é um nome que tem que ser considerado. 

JC - Quem mais?

Padilha – Depois, podemos ir então para os prefeitos. O prefeito (de Santa Maria) Cezar Schirmer - em que pese ele tenha passado por este episódio da boate (Kiss), para o qual não concorreu de forma nenhuma - é um quadro muito qualificado, que pode, sim, ser candidato. O prefeito Sartori fez uma magnífica administração em Caxias. É um nome que também está entre os disponíveis para o PMDB. Sei que um deputado já manifestou interesse em participar: Osmar Terra. Ele não é candidato. Mas, se a circunstância - o perfil - levar a ele, seguramente estará à disposição. O deputado Alceu Moreira já falou que se o perfil pudesse ser o dele, ele estaria com o nome disponível. Aqui no Estado, Alexandre Postal, que presidiu a Assembleia Legislativa, proclamou-se pré-candidato. Reúne experiência, conhecimento do Estado. Há dois outros mais jovens que também poderiam se colocar, apenas estou exemplificando: Giovani Feltes e Márcio Biolchi. 

JC - As duas forças que devem se enfrentar no segundo turno seriam PMDB e PT?

Padilha - A história política recente do Rio Grande do Sul mostra que o grande embate que acontece no Estado é entre PMDB e PT. Em que pese que o PT aqui não seja, por exemplo, maior do que o PP, sob o ponto de vista de densidade partidária e de participação nos municípios, o PP é superior ao PT. Mas o enfrentamento histórico que tem acontecido aqui é PT e PMDB. Neste novo cenário, ainda não está definido. Não sabemos quais são as composições, as alianças que vão acontecer envolvendo o governador Tarso Genro e o PT, a senadora Ana Amélia e o PP. Será que o PSB terá que lançar candidato próprio para ter palanque para o Eduardo Campos? O PDT vai de candidatura própria, ou vamos manter a nossa aliança, que tem tido grande sucesso na prefeitura de Porto Alegre, e que pode, com larga margem de probabilidade, nos garantir o governo do Estado? Ainda é cedo. 

JC - O seu nome pode vir a ser apresentado?

Padilha - Não, não. Participo de um projeto nacional do partido.  No momento, estou construindo um mapa do PMDB no Brasil quanto às nossas possíveis alianças, possíveis candidaturas. O vice-presidente Michel Temer já me convidou para ser coordenador da campanha dele em 2014. 

JC - Como tem visto os movimentos do governador Eduardo Campos (PSB)? 

Padilha - Não há forma de não reconhecer que se trata de um nome em ascensão no cenário político nacional. É um governador muito bem avaliado. É alguém que traz implicitamente a ideia do novo. Ele terá chance de sucesso se, por qualquer razão, o governo atual, que é favorito, errar na parte econômica.

JC - A vaga de vice na chapa de Dilma é garantida ao PMDB?

Padilha - De parte do PMDB, já está mais ou menos definida. Não está de parte do PT. Mas não acredito que, a partir de todas as pedras que já foram lançadas no tabuleiro, seja possível se fazer uma mudança muito grande.  

Perfil

Eliseu Lemos Padilha, 67 anos, é natural de Canela (RS). Começou sua vida pública na política estudantil. Em 1966, Padilha foi indicado para ser secretário-geral da comissão do MDB em Canela. Atuou como contador e advogado, mas destacou-se como empresário do ramo imobiliário em Tramandaí, cidade para a qual se mudou antes de iniciar o curso de Direito na Unisinos. Em 1988, disputou sua primeira eleição e conquistou a prefeitura de Tramandaí pelo PMDB. Foi presidente da Famurs e, em 1994, elegeu-se deputado federal. Foi secretário do Trabalho no governo de Antônio Britto (PMDB) e ministro dos Transportes de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Foi reeleito para a Câmara dos Deputados em 2002 e 2006. Em 2010, ficou como suplente, mas voltou a atuar como deputado em 2011, com a licença de Mendes Ribeiro para ser ministro da Agricultura. Ex-secretário-geral do PMDB estadual, Padilha foi vice-presidente nacional da sigla (2003-2006) e, desde 2007, comanda a Fundação Ulysses Guimarães, do PMDB.

COMENTÁRIOS
Rodrigo - 22/04/2013 - 12h53
Palavras de Eliseu nas entrelinhas: "Sartori deve sair do PMDB, para apoiarmos a reeleição de Tarso Genro e garantirmos mais um mandato pro Simon". "O PMDB não têm nome nenhum pra vencer, então vamos com o PT."

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
''Se forem aprofundadas as acusações, pode haver um impeachment (de Dilma)'', afirma
Auxílio moradia põe o povo contra juízes, diz Eliana Calmon
Um dos problemas do Orçamento Participativo é a falta de constância, diz Cabannes
Governos usam OP para restabelecer a confiança, diz Cabannes
O italiano projeta que o Brasil pode ser um novo modelo civilizatório para o mundo
Brasil poderá ser um modelo para o mundo, opina De Masi
“O governo (Dilma) não sai da crise política sem mudar a agenda econômica”
“É incompreensível não usar os depósitos judiciais”, diz Tarso