Porto Alegre, terça-feira, 17 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
14°C
25°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0770 4,0790 0,26%
Turismo/SP 4,0400 4,2800 0%
Paralelo/SP 4,0500 4,2900 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
113437
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
113437
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
113437
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Artes visuais Notícia da edição impressa de 27/03/2013

Casa Daros, um espaço para os vizinhos

Ricardo Gruner, do Rio de Janeiro

FABIO CAFFE/DIVULGAÇÃO/JC
Capital fluminense ganha centro cultural voltado para arte latino-americana
Capital fluminense ganha centro cultural voltado para arte latino-americana

Tudo começou no ano 2000, a partir da ideia de criar uma conexão entre a arte contemporânea dos artistas latino-americanos e apresentá-los para o público europeu. Treze anos depois, a Coleção Daros Latinamerica - um acervo de cerca de 1.200 trabalhos representativos de 117 artistas - ganha um espaço para que os admiradores das obras deste continente não precisem atravessar o oceano para conhecer este material. O local? A Casa Daros, cuja inauguração ocorreu no fim de semana passado, no bairro Botafogo, no Rio de Janeiro, com a exposição Cantos Cuentos Colombianos.

Criada pela financiadora Ruth Schmidheiny e pelo curador e diretor artístico Hans-Michael Herzog, a coleção ganha um espaço em terras canarinhas porque, na concepção dos idealizadores, as obras produzidas nos países vizinhos ainda são desconhecidas aos brasileiros. De acordo com o diretor de arte e educação do local, o cubano Eugenio Valdés Figueroa, trata-se também de uma iniciativa para “devolver o protagonismo aos artistas e promover suas vozes”. Por esta razão, a Casa Daros receberá eventualmente os realizadores em encontros e workshops em suas acomodações: “É preciso escutar nossos colegas e vizinhos para entendermos a nós mesmos”, define ele, que frisa o princípio de zelar pela arte, educação e comunicação.

O prédio escolhido para a sede brasileira já demonstra o tamanho do projeto: um edifício neoclássico construído em 1866 e tombado pelo município. Foram investidos R$ 16 milhões em sua aquisição, em 2006, e mais R$ 67 milhões destinados à restauração e à adequação para o uso. Além dos espaços dedicados a galerias e instalações, a casa é capaz de abrigar um programa de educação com mostras menores, sala para oficinas, conferências e programação audiovisual, biblioteca, auditório para cem pessoas, restaurante, cafeteria e loja.

Cantos Cuentos Colombianos, a primeira grande atração da Daros Latinamerica no Brasil, pode ser conferida até o dia 8 de setembro - com entrada franca até 14 de abril e, a partir de então, a R$ 12,00. Apresentada inicialmente em Zurique, a exposição traz 75 trabalhos de dez artistas nascidos na Colômbia: Doris Salcedo, Fernando Arias, José Alejandro Restrepo, Juan Manuel Echavarría, María Fernanda Cardoso, Miguel Ángel Rojas, Nadín Ospina, Oscar Muñoz, Oswaldo Macià, Rosemberg Sandoval.

Nas palavras do curador, a opção por colombianos deve-se ainda ao fato de a arte do país estar florescendo (embora o imaginário popular ainda lembre, culturalmente, apenas de nomes como Fernando Botero, Gabriel García Márquez e Shakira). Já o recorte estabelecido tem, em sua maioria, obras realizadas nos anos 1990, período próximo ao da guerra civil do país, e, portanto, com temáticas sociais. Sobre a mostra e também a respeito de ofício, Herzog comenta: “Sempre quis fazer exposições que ficassem na memória do visitante, com obras capazes de produzir algo impactante em sua mente. Se não, é inútil”.

Segundo o diretor artístico, a ideia é que os brasileiros possam conferir todo o acervo, para o qual ele também contribui selecionando as aquisições (todas financiadas por Ruth Schmidheiny). A próxima mostra a ser recebida é do artista argentino Julio Le Parc, com sua arte cinética, no fim do ano.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Peça da nova exposição da Fundação Vera Chaves Barcellos
Exposição Destino dos objetos mostra furor colecionista
Artista é responsável pelo painel Formação histórico-enográfica do povo rio-grandense
100 anos de Aldo Locatelli: o legado do mestre
Desenho sobre linóleo, de Eduardo Vieira da Cunha, adquirido nos últimos anos
Pinacoteca Barão de Santo Ângelo ganha catálogo
Maíra Flores e Luciano Scherer criaram o projeto a partir de viagens ao Uruguai
Imersos à própria sorte