Porto Alegre, segunda-feira, 25 de maio de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
13°C
16°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
167978
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
167978
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
167978
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

INFRAESTRUTURA Notícia da edição impressa de 06/03/2013

Projeto testa energia eólica e solar em postes de Canoas

Ação entre Baram e município começa em duas estruturas na BR-116
GRUPO BARAM/DIVULGAÇÃO/JC
Imagem mostra simulação do sistema híbrido ao longo da rodovia
Imagem mostra simulação do sistema híbrido ao longo da rodovia

Em até 40 dias, a prefeitura de Canoas substituirá dois postes de iluminação pública comuns, localizados na BR-116, em frente à praça do avião, por equipamentos abastecidos por energia solar e eólica. O prefeito do município, Jairo Jorge, adianta que, se a experiência for bem-sucedida, ela poderá ser estendida pela rodovia e, futuramente, até mesmo para espaços públicos como praças.

O acordo de cooperação técnica do projeto-piloto, que terá duração de seis meses, foi assinado na tarde de ontem pela prefeitura e pelo Grupo Baram. Jorge destaca que a meta é utilizar uma tecnologia inovadora. Cada poste contará com quatro luminárias LED de 100 watts, instaladas a 18 metros de altura. O sistema ainda é composto por uma turbina eólica (popularmente conhecida como cata-vento), com capacidade para 3 mil watts, e um painel solar, para até 810 watts. A energia gerada pelos ventos e pelo sol é armazenada por baterias e depois usada na iluminação.

Os postes não precisam estar ligados à rede elétrica convencional. O gestor-executivo da Baram Energy, Geison Silva, informa que o banco de baterias garante a alimentação das estruturas por até cinco dias, em casos em que não haja vento ou sol. Essa solução também impede a queda de energia em situações de blecaute da rede comum. Se for do interesse da prefeitura fazer a conexão com a rede elétrica, o complexo pode enviar energia excedente para outras finalidades.

Conforme Silva, o sistema somado irá gerar para seu próprio consumo 724 kW/mês e, com isso, evitará a emissão, durante os seis meses de teste, de 4,44 toneladas de CO2. O prefeito Jairo Jorge ressalta a sustentabilidade da iniciativa. Ele afirma que, sendo aprovado o projeto-piloto, o objetivo será trocar 220 postes que estão ao longo da BR-116, dentro de Canoas. De acordo com a companhia, o investimento necessário para isso seria de aproximadamente R$ 3,5 milhões. O aporte traria retorno para a prefeitura em 14 anos, com a economia na iluminação pública da rodovia. Esses números poderão variar, dependendo das características dos sistemas a serem aproveitados. Com 12 anos de atuação no mercado da construção civil, o Grupo Baram possui parques industriais em Fortaleza e Sapucaia do Sul. Nesse último município, a companhia deve inaugurar, no segundo semestre, mais um complexo, que fará com que a empresa alcance 30 mil metros quadrados de fábrica para atender à produção de equipamentos como balancins elétricos, minigruas, máquina para acabamento de parede etc.

O empreendimento está sendo concebido levando em conta conceitos de menor impacto ambiental como o reaproveitamento da água da chuva, com reservatórios, microgeração de energia, com uma torre de energia eólica, microusina de reciclagem, entre outras. Silva comenta que serão investidos cerca de R$ 16 milhões no projeto.

COMENTÁRIOS
Alex - 06/03/2013 - 21h16
O uso de baterias encarece muito o sistema, se é para ser eficiente, seria melhor um unico gerador eolico grande por avenida, injetando energia na rede da concessionaria atraves de inversores grid tie, o que dispensaria as baterias.


renato -
29/12/2013 - 20h22
noticias assim me agrada.


Jacimar Azevedo -
26/03/2015 - 20h43
Alguem sabe informar se após a carga total das baterias, ventoinha para de girar?

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Expectativa é movimentar mais de 34 milhões de toneladas neste ano
Porto do Rio Grande sente pouco os efeitos da crise
Licitação foi autorizada, disse Westphalen
Edital para dragagem do canal do Sangradouro sai em setembro
Quarta faixa vai da Arena do Grêmio até praça de pedágio de Gravataí
Nova pista da Freeway fica pronta em novembro
Muniz prevê que concessão de mais 6,5 mil quilômetros em dois anos
Concessões de rodovias devem ter R$ 55 bilhões