Porto Alegre, segunda-feira, 09 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
21°C
34°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1440 4,1460 1,02%
Turismo/SP 4,1400 4,3900 0,85%
Paralelo/SP 4,1500 4,3800 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
175128
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
175128
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
175128
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Venezuela Notícia da edição impressa de 09/01/2013

Governo diz que posse será adiada

Oposição pressiona para saber mais informações sobre a real situação do presidente
AFP/JC
Para o vice Nicolás Maduro (c), cerimônia é apenas uma formalidade
Para o vice Nicolás Maduro (c), cerimônia é apenas uma formalidade

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Diosdado Cabello, afirmou ontem que o presidente Hugo Chávez não tomará posse amanhã. Cabello leu uma carta do vice-presidente Nicolás Maduro, na qual ele explica que a equipe médica que cuida do líder em Havana recomendou a extensão da fase pós-operatória do presidente. Maduro escreveu na carta que Chávez pediu para que ele e Cabello “explicassem aos venezuelanos” a situação. Segundo Cabello, a posse deverá ser adiada por recomendação dos médicos, que decidiram “prolongar o repouso” de Chávez. Não há nenhuma previsão para a realização da cerimônia.

O anúncio acirra ainda mais as tensões entre situação e oposição, que já se enfrentam há várias semanas em torno da polêmica sobre o que acontece agora. Os chavistas afirmam que a cerimônia de posse na Assembleia Nacional é um formalismo, que pode ser cumprido posteriormente ante a Suprema Corte venezuelana. Portanto, defendem que Maduro continue no cargo por seis meses - ou até que o atual mandatário volte de Cuba.

A oposição pressiona para que Cabello assuma o cargo interinamente. Desta forma, ele fica obrigado a convocar novas eleições em até 30 dias. Ontem, a Mesa de Unidade Democrática (MUD), principal organização da oposição venezuelana, enviou uma carta à OEA (Organização dos Estados Americanos) alertando que qualquer cenário alternativo representaria uma ruptura democrática no país.  O líder da oposição, Henrique Capriles, pediu à Suprema Corte do país que decida se o presidente  deve permanecer no poder mesmo se não for capaz de tomar posse.

Chávez ainda enfrenta dificuldades respiratórias quase um mês depois de ter passado por uma cirurgia para a remoção de um câncer, em Cuba. O Ministério da Informação informou que o presidente está se adaptando a um tratamento que “administrado constantemente e com rigor”.

O assessor especial da presidência brasileira, Marco Aurélio Garcia, disse que o País apoia a tese chavista de que a posse pode ser adiada. Outros líderes da região também já demonstraram respaldo, em especial o boliviano Evo Morales e o uruguaio José Mujica, que anunciaram que viajarão a Caracas para comparecer a um ato de “não posse”.

A oposição alega que o governo não está sendo franco no que diz respeito ao verdadeiro estado de saúde de Chávez, lembrando que o tipo exato de câncer que o aflige nunca foi divulgado e que detalhes não confirmados sobre a situação do presidente venezuelano saíram na imprensa estrangeira e em redes sociais.

Diego Padrón, líder da conferência de bispos católicos da Venezuela, acredita que o comportamento sigiloso do governo “não favorece em nada a tranquilidade no país”. Caracas orientou a população a não dar atenção a “mensagens de guerra psicológica” transmitidas do exterior.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Manifestantes protestam contra sentença dada a opositor do governo
Críticos da administração socialista do país se manifestaram usando roupas brancas e bandeiras em apoio a Lopez
Julgamento de líder da oposição na Venezuela se aproxima do fim
O julgamento do líder da oposição na Venezuela, Leopoldo Lopez, que já dura mais de um ano, está em seus estágios finais
Passagem no estado de Táchira ficará interrompida durante 72 horas
Venezuela fecha trecho da fronteira com a Colômbia
Ceballos comemorou com a esposa e os filhos
Ceballos cumpre prisão domiciliar